A Rica Fauna da Política Industrial e a sua Nova Fronteira

Antonio Barros de Castro

Resumo


O artigo apresenta três abordagens da política industrial. A primeira deriva, diretamente, da teoria econômica, e tem por referência central a noção de "falhas de mercado" – a serem corrigidas mediante política industrial. A segunda, nasce das frustrações com o desenvolvimento de nações, regiões ou setores. Reúne, em suma, esforços visando a (rápida) superação do atraso acumulado. A terceira e última tem por referência contextos em que as empresas são (ou começam a ser) capazes de competir via inovações, no sentido amplo da palavra. Neste caso ganham crescente importância funções corporativas como o P&D, o design e o marketing. Às políticas cabe apoiar as empresas de variadas formas, para que possam lançar mão destas armas da competição. Não é tratada a importante e complexa temática das políticas de infra-estrutura. Uma brevíssima menção ao tema será no entanto feita, tendo por objeto a "infra-estrutura da inovação", questão primordial no terceiro grupo de políticas objeto deste trabalho. O trabalho conclui com uma referência ao caso brasileiro, concebido como um caso peculiar de reestruturação pós-abertura, que crescentemente requer políticas do terceiro tipo aqui examinado.

Palavras-chave


Política Industrial; Falhas de Mercado; Catch up; Reestruturação; Inovação

Texto completo:

PDF


##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM




Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil

UNICAMP 

ISSN Eletrônico: 2178-2822
ISSN Impresso: 1677-2504
Revista Brasileira de Inovação - Departamento de Política Científica e Tecnológica/Instituto de Geociências - UNICAMP
Caixa Postal 6152 - CEP 13083-870 - Campinas - SP - Brasil - rbi@ige.unicamp.br - Tel (19) 3521-5167 / Fax (19) 3521-4555