Entre papéis, compostos químicos e máquinas: Saberes e práticas científico- jurídicas nos laudos periciais da Polícia Federal

  • Lucas Riboli Besen Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

Este paper tem como temática a relação entre Antropologia do Direito e Estudos Sociais da Ciência no que tange a produção de provas judiciais por peritos federais. Tendo o laudo pericial e o trabalho dos peritos federais como objeto analítico e lançando-se mão das provocações de John Law e Bruno Latour, parto da hipótese de que a produção da prova é um processo onde uma rede de elementos heterogêneos se constitui enquanto um ator-rede pontualizado. Assim, toma-se o laudo pericial como parte do processo de produção da prova: é somente através da tradução dos atores-redes num laudo que há a possibilidade da utilização do saber científico no tribunal. Os elementos, logo, ganham efeitos de poder à medida que adentram novas redes, agora enquanto um ator pontualizado. Entretanto, resumir a perícia ao laudo descomplexificaria a rede e a reduziria numa representação idealizada. Ao atentar para esse ponto, desloca-se o foco do laudo para o processo que envolve a sua produção, buscando-se a complexificação do trabalho realizado pelos peritos forenses.

Publicado
2014-08-25