Algoritmos como “máquinas de cultura”: Notas sobre política e produção de consenso no sistema peer-to-peer Bitcoin

  • Bruno Campos Cardoso

Resumo

Em operação desde 2009, o Bitcoin é a primeira criptomoeda em circulação e implementa um protocolo para trocas de valores eletrônicos por meio de métodos criptográficos em uma rede distribuída (peer-to-peer). O sistema Bitcoin consiste em um complexo global de máquinas, técnicas computacionais e atores humanos associados em comunidades e mercados de tipo descentralizado. A produção coletiva do “consenso distribuído” sobre as movimentações e balanços da rede se baseia em algoritmos, no emprego de máquinas de alto poder computacional, e na atuação de programadores e usuários em uma rede de trocas transnacionais que dispensa autoridades reguladoras centrais. Neste artigo trago alguns apontamentos sobre a política e a produção de consenso no sistema peer-to-peerBitcoin. Para isso, inicio com uma descrição geral do funcionamento do sistema, enfatizando sua topologia descentralizada/distribuída e parte do aparato tecnológico que o constitui. Pretendo trazer à tona alguns elementos da “produção de consenso” entre as máquinas desse sistema de dinheiro eletrônico para descrevê-los sob a perspectiva dos algoritmos como “máquinas de cultura”, isto é, procuro pensar os algoritmos não como artefatos dacultura, mas sim comocultura, como arranjos sociotécnicos, múltiplos e instáveis, entre humanos e não-humanos, efetuados por séries de práticas computacionais e, no caso do Bitcoin, por meio da implementação de políticas econômicas muito específicas.

Publicado
2019-07-16