Múltiplas ontologias do ser hacker: experiências da CryptoRave

  • Daniela Albini Pinheiro

Resumo

O que é ser hacker está em constante transformação e disputa. Ainda que em alguns espaços de prática e discussão algumas formas do ser hacker se configuraram hegemônicas – como a do hacker como um jovem com conhecimento técnico-científico que programa, constrói e se diverte transformando tecnologias eletrônicas e digitais para sua satisfação – tantas outras formas coexistem, convergem e divergem entre si. A CryptoRave é um dos espaços onde várias formas do ser hacker coexistem e entram em disputa. Neste trabalho, proponho refletir sobre a existência de múltiplas ontologias do ser hacker a partir das observações e vivências em duas edições brasileiras da CryptoRave (2017 e 2018), buscando considerar como essas formas
se reafirmam e se contrapõem entre si e se relacionam àquelas identificadas na literatura dos estudos hackers.

Publicado
2019-07-17