Análise morfoscópica das areias da Volta Grande no rio Uruguai – SC/RS

Autores

  • William Zanete Bertolini Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Gerson Junior Naibo Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Ademar Graeff Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1771

Palavras-chave:

Morfoscopia. Planície aluvial. Rio Uruguai

Resumo

Este trabalho apresenta resultados complementares aos apresentados por Bertolini, Costa e Lima (2016) sobre a morfoscopia das areias no vale do rio Uruguai, no oeste de Santa Catarina. Trata-se da análise morfoscópica das frações areia grossa, areia média, areia fina e areia muito fina de 11 amostras localizadas no vale do rio Uruguai no trecho fluvial conhecido como Volta Grande, na divisa entre os Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A análise morfoscópica foi feita com auxílio de lupa estereoscópica com aumento de 40 vezes seguindo as classificações de grau de arredondamento e textural superficial de Krumbein (1941) e Bigarella et al (1955), respectivamente. As análises permitiram concluir que o grau de arredondamento das areias é um bom indício para análise da participação fluvial nos depósitos sedimentares de baixa vertente e caracterização dos depósitos de várzea no trecho fluvial da Volta Grande do rio Uruguai. 

Biografia do Autor

William Zanete Bertolini, Universidade Federal da Fronteira Sul

Curso de Geografia Licenciatura – Campus Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul.

Gerson Junior Naibo, Universidade Federal da Fronteira Sul

Curso de Geografia Licenciatura – Campus Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul.

Ademar Graeff, Universidade Federal da Fronteira Sul

Curso de Geografia Licenciatura – Campus Chapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul.

Referências

BERTOLINI, W.Z; COSTA, I.M; LIMA, G.L. Morfoscopia e morfologia da cobertura pedológica às margens do rio Uruguai no oeste de Santa Catarina. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. v.39, n.3, 2016. p.71-78.

BIGARELLA, J.J; HARTKOPF, C.C; SOBANSKI, A; TREVISAN, N. Textura Superficial dos Grãos em Areias e Arenitos. Arquivos de Biologia e Tecnologia. v.10, Curitiba, 1955. p.253-275.

CAILLEUX, A. Les actions éoliennes périglaciaires en Europe. Mém. Soc. Géol. France. t.XXI. 1942.

CAILLEUX, A; TRICART, J. Initiation à l'étude des sables et galets. CDU, 5 pi. de la Sorbonne, Paris V, 1 vol., 369 p., 72 fig. 1963.

CPRM. Mapa de Geodiversidade do Estado de Santa Catarina. Escala 1:500.000 Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Ministério de Minas e Energia. Brasilia. 2010.

DIAS, J. A. A Análise Sedimentar e o Conhecimento dos Sistemas Marinhos. Disponível em: http://www.oceanografia.ufba.br/ftp/Sedimentologia/Bibliografia/Alverino_Dias_Analise%20Sedimentar%20Sistemas%20Marinhos_2004.pdf. 2004. Acesso em: julho de 2016.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Solos do Estado de Santa Catarina. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento. n.46. Rio de Janeiro. Embrapa Solos. CD-ROM (mapa colorido) Escala 1:250.000. 2004.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3ª ed. Brasília - DF. 353 p. 2013.

GIROLIMETTO, J. Aspects de la sedimentologie des sables tertiaires a l’ouest de la Meuse de Dinant. Annales de la Societé Géologique de Belgique. T.105, 1982. p.249-257.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Geologia: Folha Chapecó SG.22-Y-C. Escala 1:250.000, Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2003.

KALINSKA, E; NARTISS, M. Pleistocene and Holocene aeolian sediments of different location and geological history: A new insight from rounding and frosting of quartz grains. Quaternary International. 328/329. 2014. p.311-322.

KRAMES, J. C. Identificação e caracterização dos depósitos de várzea no trecho fluvial da Volta Grande, rio Uruguai – SC/RS. 2016. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Geografia - Licenciatura), Universidade Federal da Fronteira Sul, Chapecó.

KRUMBEIN, W.C. Measurement and geological significance of shape and roundness of sedimentary particles. Journal of Sedimentary Petrology. 11, n.2, 1941. p. 64-72.

RITCHOT, G; CAILLEUX, A. Taxonomie, géomorphologie et morphoscopie de sables au Québec meridional. Cahiers de géographie du Québec. 15 (36), 1971. p. 423-438.

SOARES, A.P; SOARES, P.C; ASSSINE, M.L. Areiais e lagoas do Pantanal, Brasil: herança paleoclimática? Revista Brasileira de Geociências. 33(2), 2003. p.211-224.

SUGUIO, K. Introdução à sedimentologia. Editora Edgar Blücher, São Paulo. 317 p. 1973.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens