Estudo da variabilidade espacial da condutividade hidráulica do entorno da Lagoa da Confusão – TO

Autores

  • Pericles Souza Lima Universidade Federal de Tocantins
  • Fernando de Morais Universidade Federal de Tocantins
  • Letícia Giuliana Paschoal Universidade Federal de Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1774

Palavras-chave:

Água. Condutividade hidraulica saturada. Infiltração.

Resumo

A escassez de água vem se tornando cada vez mais recorrente. Diante desse cenário, estudos visando alternativas para a conservação dos recursos hídricos têm se intensificado. O estudo da condutividade hidráulica se consolidou como instrumento importante nas investigações hidrológicas e geomorfológicas, por apresentar dados que influenciam no planejamento de uso do solo, análises denudacionais, estudo da velocidade de recarga dos aquíferos, entre outros. Desse modo, o presente trabalho visou apresentar a velocidade da Condutividade Hidráulica Satura (Kfs) no processo de recarga dos aquíferos no entono da Lagoa da Confusão – TO, relacionando os diversos aspectos envolventes na infiltração e percolação da água no solo. Para tal foram feitos ensaios de condutividade hidráulica saturada utilizando-se o permeâmetro Guelph. Os resultados indicaram certa homogeneidade nos fluxos, não se diferenciando em mais que duas ordens de grandeza, e mostraram que a área possui uma condutividade média.

Biografia do Autor

Pericles Souza Lima, Universidade Federal de Tocantins

Curso de Geografia, Universidade Federal de Tocantins, Campus de Poto Nacional

Fernando de Morais, Universidade Federal de Tocantins

Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Tocantins, Campus de Poto Nacional

Letícia Giuliana Paschoal, Universidade Federal de Tocantins

Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Tocantins, Campus de Poto Nacional

Referências

BATISTA, D. F; SOUZA, F. A de. Avaliação da condutividade hidráulica do solo sobre condições de cobertura por cerrado e pastagem. In: REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE GEOGRAFIA – UFG/REJ, Jataí-GO. n.25, p. 1-20, 2015.

BETIM, L. S. Caracterização da condutividade hidráulica dos solos e estudo da vulnerabilidade à contaminação dos aquíferos da sub-bacia do córrego Palmital. 2013. 186 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Viçosa. Viçosa.

BRANDT, M. A. C. Mapeamento da condutividade hidráulica da cobertura do aquífero guarani, situado na bacia hidrográfica dos rios Jacaré-guaçú e Jacaré-pepira, na porção centro-norte do estado de São Paulo. 2010. 36 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

CARNEIRO, V. S. Impactos causados por necrochorume de cemitérios: meio ambiente e saúde pública. In: XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; Natal; Rio Grande do Norte. P. 1-18, 2008.

ELRICK, D. E; REYNOLDS, W. D; TAN, K. A. 1989. Hydraulic conductivity measurements in the unsaturated zone using improved well analyses. Ground Water Monitoring Review, 9: 184-193.

FIORI, J. P de O; CAMPOS, J. E. G; ALMEIDA, L. Variabilidade da condutividade hidráulica das principais classes de solos do estado de Goiás. São Paulo, UNESP, Geociências, v. 29, n. 2, p. 229-235, 2010.

GORAYEB, P. S de S. Geologia do estado do Tocantins: aspectos gerais e conhecimento atual. In: MORAIS, F de. (Org). Contribuição a geografia física do estado do Tocantins. Goiânia: Kelps, 2011. p. 19-46.

GUIMARÃES, M. da S. B; VIEIRA, B. C; FERNANDES, N. F. Comparação da condutividade hidráulica saturada medida através de métodos de campo e de laboratório. In: 10º CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL. Ouro Preto–MG. p. 1-12, 2002. Código: 099IG.

LANDIM, P.M.B. Introdução aos métodos de estimação espacial para confecção de mapas. DGA,IGCE,UNESP/Rio Claro, Lab. Geomatemática,Texto Didático 02, 20 pp. 2000. Disponível em <http://www.rc.unesp.br/igce/aplicada/textodi.html>.

MAHLER, C. F; AGUIAR, A. B de. Determinação da permeabilidade in situ em aterros de resíduos sólidos. In: 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL. ABES – Trabalhos Técnicos. p. 1-9, 2001.

MESQUITA, M. da G. B. de F; MORAES, S. O. A dependência entre a condutividade hidráulica saturada e atributos físicos do solo. Santa Maria, Ciência Rural, v.34, n.3, p.963-969, 2004.

MORAIS, F. Estudo dos fatores pedogeomorfológicos intervenientes na infiltração em zonas de recarga no complexo metamórfico bação. 2007. 132 f. Tese (Doutorado em Evolução Crustal e Recursos Naturais) - Departamento de Geologia, Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto.

MORAIS, F. Infiltração – uma variável geomorfológica. Caderno de Geografia, v.22, n.38, 2012.

PEREIRA, G. C; MORAIS, F. Geofísica aplicada ao estudo dos fluxos subsuperficiais no entorno da Lagoa da Confusão – TO. REVISTA GEONORTE, Edição Especial, v.2, n.4, p.1475 – 1483,2012.

PRESS, F; SIEVER, R; GROTZINGER, J; JORDAN, T. H. Para Entender a Terra. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 656p.

RESENDE, M; CURI, N; RESENDE, S. B de; CORRÊA, G. F. Pedologia: base para distinção de ambientes. 5ª ed. Lavras: Editora UFLA, 2007.

RIBEIRO, K. D; MENESES, S. M; MESQUITA, M da .G .B de. F; SAMPAIO, F de. M. T. Propriedades físicas do solo, influenciadas pela distribuição de poros, de seis classes de solos da região de Lavras-MG. Ciênc. agrotec. Lavras, v. 31, n. 4, p. 1167-1175, jul./ago 2007.

SEPLAN Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública, Diretoria de Zoneamento Ecológico-Econômico - DZE. 6ª ed. Palmas: Seplan, 2012.

SOTO, M. A; CHANG, K. H; VILAR, O. M. Análise do método do permeâmetro Guelph na determinação da condutividade hidráulica saturada. Águas Subterrâneas, v.23, n.01, p.137-152, 2009.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão