Características morfométricas do relevo e drenagem da bacia hidrográfica do Rio Carapá nos municípios de Colíder e Nova Canaã do Norte – MT

Autores

  • Rinaldo Marques Padilha Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Célia Alves de Souza Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1777

Palavras-chave:

Densidade. Declividade. Drenagem. Carapá. Colíder

Resumo

 O estudo objetivou realizar uma caracterização dos aspectos morfométricos da bacia hidrográfica do rio Carapá. Foram analisados analiticamente alguns parâmetros importantes da bacia como altitude, densidade de drenagem, densidade de rios, fator de forma, razão de relevo e declividade. Para tanto foi utilizada Carta geomorfométrica - Modelo MDE através do bando de dados Geomorfométricos – Topodata, processamento de dados altimétricos SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) com escala de 1:250.000. Além de utilizado um SIG (Sistema de Informação Geográfica) através do software ArcGis 10.1. Observou-se que a bacia tem relevo entre 250 e 490 metros, com baixa declividade media e densidade de rios e de drenagem é baixa cerca de 0,471 e 0,966 respectivamente. O fator de forma e a forma da bacia foi de 0,332 e 0471 respectivamente o que mostra que a bacia é alongada portanto, pouco susceptível a inundações.

Biografia do Autor

Rinaldo Marques Padilha, Universidade do Estado de Mato Grosso

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGEO) da Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT.

Célia Alves de Souza, Universidade do Estado de Mato Grosso

Professora do Programa de Pós-graduação em Geografia (PPGEO) da Universidade do Estado de Mato Grosso/Laboratório de Pesquisa e Estudo em Geomorfologia Fluvial. UNEMAT.

Referências

CARDOSO, C. A. et al. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Rev. Árvore vol.30 nº2 Viçosa Mar./Abr. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-67622006000200011> Acesso em 05/12/2016.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1980.

HORTON, R. E. (1945). “Erosional development of streams and their drainage basins: hidrophysical approach to quantitative morphology” in Bulletin of the Geological Society of America, Colorado, v. 56, pp. 275-370. March/1945.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Banco de Dados: IBGE, 2017. Disponível em <ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/municipio_2015/>. Acesso em 25/01/2017.

MACHADO, G.; SOUZA, J. O. P. Análise Morfométrica da Bacia Hidrográfica do rio Chôco – Ibaiti – PR. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de março de 2005 – Universidade de São Paulo. Disponível em <http://docplayer.com.br/9309363-Analise-morfometrica-da-bacia-hidrografica-do-rio-choco-ibaiti-pr.html>. Acesso em 05/12/2016.

MARCHETTI, D. A. B. Características da Rede de Drenagem e Formas de Relevo em três Unidades de solo de Piracicaba, SP. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, 15(3):349-358, jul 1980. Disponível em <https://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/viewFile/16580/10864>. Acesso em 07/12/2016.

MIGUEL, A. E. S.; et al. Características Morfométricas do Relevo e Rede de Drenagem da Bacia Hidrográfica do Rio Taquaruçu/MS. Revista Brasileira de Geografia Física, vol.07, n.04. 2014. Disponível em: <http://www.revista.ufpe.br/rbgfe/index.php/revista/article/view/783/586>. Acesso em 23/01/2017.

PADILHA, R. M. et al. Aspectos geomorfológicos e geológicos da bacia hidrográfica da bacia hidrográfica do rio Carapá, Mato Grosso, Brasil. In VIEIRA, A. A Geografia Física e Gestão de Territórios Resilientes e Sustentáveis. Guimaraes – Portugal. Atas do IX Seminário Latino Americano e V Seminário Ibero-americano de Geografia Física. 2016.

PADILHA, R. M.; SOUZA, C. A. Hierarquização da Bacia Hidrográfica do Rio Carapá, localizada na microrregião de Colíder, norte do Estado de Mato Grosso. Cáceres. XVI Semageo e II Seminário da Pós-Graduação em Geografia. 2016.

PENTEADO, A. F. Mapeamento e análise geomorfológicos como subsídios para identificação e caracterização de terras inundáveis. Estudo de caso da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos-RS. Tese (Doutorado em Geografia Física) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, 2011. 339p.

SANTOS, V. S.; BEHLING, A. A. Hierarquização da Rede de Drenagem da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí, localizada no oeste do estado do Rio Grande do Sul. Gramado: XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia. 2014. Disponível em <http://www.cartografia.org.br/cbc/trabalhos/1/611/CT01-27_1404426018.pdf>. Acessado em 30/07/2016

SILVEIRA, A. L. L. Ciclo Hidrológico e Bacia Hidrográfica. In. TUCCI, C. E. M. (orgs). Hidrologia; Ciência e Aplicação. Porto Alegre: Editora da UFRGS/ABRH, cap. 2, p. 35-51, 2004.

STRAHLER, A. N. Quantitative Analysis of Watershed Geomorphology. Transactions, American Geophysical Union. v. 38. p. 913-920. 1957.

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill, 1975.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão