Gestão dos recursos hídricos e desenvolvimento sustentável na sub-bacia hidrográfica Alto Camaquã/RS

Autores

  • Simone Marafiga Degrandi Universidade Federal de Santa Maria
  • Fernanda Maria Follmann Universidade Federal de Santa Maria
  • Marilse Beatriz Losekann Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1780

Palavras-chave:

Alto Camaquã. Mineração. Desenvolvimento Sustentável. Pecuária Extensiva. Turismo de natureza

Resumo

O Alto Camaquã localizado na porção superior da Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã (BHRC), possui como principais atividades econômicas a agropecuária e a mineração. O presente trabalho possui como objetivo apresentar as características da sub-bacia Alto Camaquã e os principais conflitos de usos dos recursos hídricos, discutindo a necessidade de políticas públicas para a gestão da água e conservação do patrimônio natural da sub-bacia. A metodologia utilizada para a realização do estudo assentou-se sobre a pesquisa documental e bibliográfica. Entre as discussões apresentadas, destaca-se que apesar da mineração ser considerada uma atividade econômica importante, atividades com uma maior ligação com a cultura local e com as características da paisagem, como a pecuária extensiva e o turismo de natureza, podem garantir um desenvolvimento territorial sustentável a médio e longo para a região. 

Biografia do Autor

Simone Marafiga Degrandi, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Fernanda Maria Follmann, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Marilse Beatriz Losekann, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Referências

AZEVEDO, L. F. FIALHO, M. A. V. “Florestamento” no Pampa Brasileiro: a visão dos pecuaristas familiares do Território do Alto Camaquã/RS. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 33, p. 209-224, abr. 2015. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/made/article/view/35984/25145>. Acesso em: 02 fevereiro de 2017.

BORBA, A. W. Proposta de uma (Geo)identidade Visual para Caçapava do Sul, “Capital Gaúcha da Geodiversidade”. Geographia Meridionalis. v. 01, n. 02, p. 405-411, Jul./Dez. 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/Geographis/article/view/6981/4927>. Acesso em: 02 de fevereiro de 2017.

BRASIL. Lei 10.350, de 30 de dezembro de 1994. Institui o Sistema Estadual de Recursos Hídricos. Disponível em <http://www.hidro.ufcg.edu.br/twiki/pub/ASUB0/LegislacaoAsub/RioGrandedoSuln10.350.pdf>. Acesso em: 01 de fevereiro de 2017.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em: 03 de fevereiro de 2017.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/images/arquivos/areas_protegidas/snuc/Livro%20SNUC%20PNAP.pdf >. Acesso em: 06 de fevereiro de 2017.

CÁNEPA, E. M.; ZORZI, I.; GRASSI, L. A. T.; NETO, P. S. Os comitês de Bacia no Rio Grande do Sul: Formação, dinâmica de funcionamento e perspectivas. Taquari – Antas (Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica) nov./2001.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão