Caracterização ambiental da bacia hidrográfica do Córrego do Juco em Cáceres, MT

Autores

  • Verônica Martinez de Oliveira Raymundi Universidade Estadual do Estado de Mato Grosso
  • Sandra Baptista da Cunha Universidade Federal Fluminense
  • Célia Alves Souza Universidade Federal Fluminense
  • Maxuel Ferreira Santana Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1782

Palavras-chave:

Condicionantes ambientais. Bacias hidrográficas. Mapa temático

Resumo

As bacias hidrográficas representam um conjunto de terras drenadas por um curso d’água e seus afluentes que interagem com os elementos ambientais que a compõem. Sendo assim esta pesquisa teve como objetivo fazer caracterização ambiental do córrego do Junco em Cáceres, MT, relacionado os elementos ambientais com a dinâmica que envolve a drenagem da bacia. O levantamento das informações foram realizadas a partir de referenciais teóricos e pelo projeto RADAMBRASIL através de imagem de satélite LANDSAT 5 TM a partir do software Spring® 5.2.7 e layout pelo software ArcGis® 10.2. A área é composta por Depósitos Detríticos e Aluviões Atuais com formação da Depressão do Alto Paraguai e das Planícies e Pantanais Mato- grosensses, os solos predominantes são Argissolo Vermelho – Amarelo Distrófico e Gleissolo–Háplico Tb Eutrófico. O clima característico da área de estudo é oTropical MegátermicoSubúmido.

Biografia do Autor

Verônica Martinez de Oliveira Raymundi, Universidade Estadual do Estado de Mato Grosso

Departamento de Geografia/ Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Estadual do Estado de Mato Grosso – UNEMAT(

Sandra Baptista da Cunha, Universidade Federal Fluminense

Professora do Programa de pós graduação UFF

Célia Alves Souza, Universidade Federal Fluminense

Departamento de Geografia/ Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Estadual do Estado de Mato Grosso – UNEMAT(

Maxuel Ferreira Santana, Universidade Federal Fluminense

Departamento de Geografia/ Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Estadual do Estado de Mato Grosso – UNEMAT(

Referências

ALMEIDA, F. F. M. Geologia do Centro-oeste Matogrossense. Boletim da Divisão de Geologia e Mineralogia. Rio de Janeiro, 1964. p.1-133.

ARAUJO, S. R.; HUNGRIA, M. Empresa brasileira de pesquisa agropecuária. Centro nacional de pesquisa de arroz e feijão: Centro nacional de pesquisa de soja – Brasilia:EMBRAPA- SPI 236 p.1994.

BARROS, A. M.; SILVA, R. H.; CARDOSO, O. R. F. A.; FREIRE, F. A.; SOUZA JUNIOR, J. J.; RIVETTI, M.; LUZ, D. S.; PALMEIRA, R. C. B.; TASSINARI, C. C. G. Geologia. In: BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD. 21 – Cuiabá; Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. p. 25 – 192.

Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD. 21 – Cuiabá; Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. p. 25 – 192.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL. Folha SE. 21 –Corumbá e parte da Folha SE.20: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. 452 p.

CORREA, J. A.; COUTO, E. A. Projeto aluviões diamantíferos de Mato Grosso. 2 vol. Relatório Final. Goiânia: DNPM/CPRM, 1972.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A.J. T.Degradação ambiental. In: GUERRA, A.J. T e CUNHA, S. B. (orgs.). 11ª ed. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.394p.;

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisas de Solo (Rio de Janeiro, RJ). Sistema brasileiro de classificação de solo. – Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa solos p412, 1999.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 6ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

LOUREIRO, R.L.; LIMA, J.P.S.; FONSAR, B. C. Vegetação: As regiões fitoecológicas, sua natureza e seus recursos econômicos In. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL. Folha SE. 21 – Corumbá e parte da Folha SE.20: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982 p. 329-372.

MAITELLI, G.T. Interações atmosfera superfície. In: MORENO, Gislaine e HIGA, Tereza C. S. (orgs). Geografia de Mato Grosso: território, sociedade e ambiente.1 ed. Cuiabá: estrelinhas, p 238 a 249 2005

NUCCI, J. C; CAVALHEIRO, F. Cobertura vegetal em áreas urbanas – conceito e método. Geousp, São Paulo, n. 6, p. 29-36, 1999.

OLIVEIRA, V. A.; AMARAL FILHO, Z. P.; VIEIRA, P. C. Pedologia: levantamento exploratório de solos. In: BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD. 21 – Cuiabá: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. p. 257 - 400.

ORIOLI, A.L.; FILHO, Z.P.A. ; OLIVEIRA, A.B. Pedologia: Levantamento Exploratório de Solos In. BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL. Folha SE. 21 – Corumbá e parte da Folha SE.20: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982 p. 225-328.

RIBEIRO, J.F.; FONSECA, C.E.L. ; SILVA, J.C.S. Cerrado: Caracterização e recuperação de mata de galeria. – Planaltina: Embrapa Cerrados, 2001 899p.

ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. Ed. Didática, São Paulo, 2011

ROSS, J. L. S.; SANTOS, L. M. Geomorfologia. In: BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD. 21 – Cuiabá: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. p. 193 - 256.

SANO, S.M. e ALMEIDA, S.P. ed. Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998 556p.

SANTANA, M. F .; SOUZA, C.A. Comportamentos geomorfológicos e sua influencia na morfologia fluvial do rio Paraguai no segmento entre a volta do Angical a foz do rio Sepotuba. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.21; p. 3035 2015;

SANTOS, M.S. Uso, ocupação da terra e dinâmica fluvial da bacia hidrográfica do córrego Cachoeirinha no município de Cáceres - Mato Grosso. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Mato Grosso. Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Cáceres/MT: UNEMAT, 2013 148f

SCHWENK, L. M. Domínios Biogeográficos. In: MORENO, Gislaine e HIGA, Tereza C. S. (orgs). Geografia de Mato Grosso: território, sociedade e ambiente.1 ed. Cuiabá: estrelinhas, p. 250 a 271 2005.;

SEPLAN. Atlas de Mato Grosso: abordagem socioeconômico-ecológica. Cuiabá – MT: Entrelinhas, 2011. 96 p.

SOUZA, C. A.; LANI, J. L.; SOUSA, J.L. Origem e evolução do Pantanal Mato-grossense. VI Simpósio nacional de geomorfologia / regionalconferenceongeomorpholoy. Geomorfologia tropical e subtropical: processos, métodos e técnicas/ Tropical and subtropical geomorpholog: processesmethodsandtechniques. Goiânia 6 a 10 de setembro de 2006/ Brazil, Goiânia-GO, 6-10, 2006

SUGUIO, K. Geologia do quaternário e mudanças ambientais. São Paulo: Oficina de textos, 2010. 408 p.

TARIFA, J. R. Clima: análise e representação cartográfica. In: Mato Grosso – Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral. Recursos naturais e estudos ambientais. Cuiabá-MT, 2011. 102p.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão