Problematização dos recursos hídricos superficiais da bacia hidrográfica do Rio Aurá e subterrâneos da bacia hidrográfica do Rio Bacanga - Maranhão – Brasil

  • Jonas Jansen Mendes Universidade Estadual do Maranhão
  • Bruno Neves Martins Universidade Estadual do Maranhão
  • Regina Célia de Castro Pereira Universidade Estadual do Maranhão
Palavras-chave: Recursos hídricos. Bacia hidrográfica

Resumo

A crescente demanda por água tem ocasionado problemas aos recursos hídricos em todo estado do Maranhão. Em alguns casos, o uso indiscriminado desse recurso tem chegado até a seca total de rios e aquíferos subterrâneos. Lamentavelmente, grande parte da água extraída para as atividades humanas, de qualquer que seja a fonte, é utilizada de maneira muito ineficaz. O objetivo do trabalho é apontar medidas de gestão dos recursos hídricos, correlacionando as bases teóricas da geografia, metodologias de gestão e a problematização dos recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio Aurá e Bacanga. O estudo utilizou-se de fontes secundárias, sendo validadas in loco, apoiando-se nos métodos hipotético-dedutivo, baseando na análise de dados adquiridos através de referências bibliográficas, cartográficas, fotográficas e de campo. Os resultados mostraram que ambas as bacias hidrográficas sofrem problemas de seca, decorrente, fundamentalmente, da associação entre a falta de planejamento do uso do solo, a partir do crescimento exagerado das demandas localizadas, além de uma inexistência de um sistema de gestão das águas.

Biografia do Autor

Jonas Jansen Mendes, Universidade Estadual do Maranhão
Mestrando do Curso de Pós Graduação em Geografia PPGEO – Universidade Estadual do Maranhão – UEMA
Bruno Neves Martins, Universidade Estadual do Maranhão
Mestrando do Curso de Pós Graduação em Geografia PPGEO – Universidade Estadual do Maranhão – UEMA
Regina Célia de Castro Pereira, Universidade Estadual do Maranhão
Professora Doutora do Departamento de História e Geografia da Universidade Estadual do Maranhão e Professora Titular do Mestrado em Geografia da Universidade Estadual do Maranhão.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Disponível em: http://www2.ana.gov.br/Paginas/institucional/SobreaAna/planejamentoRH.aspx. Acesso em: 20 nov. 2016.

CHRISTOFOLETTI, Antônio. As Perspectivas dos Estudos Geográficos. Ed. DIFEL. São Paulo. 1982.

_________________________. Geomorfologia, 2 ed., São Paulo: Edgar Blucher, 1980, 188 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: http.www.ibge.gov.br. Acesso em: 20 mar.2016.

MAGRINI, Alessandra; SANTOS, Marco Aurélio dos. Gestão ambiental de bacias hidrográficas. Rio de Janeiro: UFRJ; COPPE; Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais; 2001.

MARTINS, Bruno Neves; PINHEIRO, Karina Suzana Feitosa. Construção dos Mapas hidrodinâmicos e de Vulnerabilidade das Águas Subterrâneas do Parque Estadual do Bacanga. São Luís - MA. IC. UEMA. 2013.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Manual de Segurança e Inspeção de Barragens. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2002. 148p.

POLITICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9433.htm. Acesso em: 20 nov. 2016.

NUGEO/LABGEO. Atlas do Estado do Maranhão. UEMA. 2ed. São Luís/MA. 2002.

O ESTADO DO MARANHÃO. Disponível em: www.imirante.com. Acesso em: 22 nov. 2016

PEREIRA, E. D.; JUNIOR, F. A. C.; COSTA, H.de O.S.; CASTRO, M.D.F. Reservatório Batatã: Importância Hídrica e Conflitos de uso e ocupação no município de São Luís, Maranhão/Brasil: Revista Geográfica da américa Central, 2011.

PEREIRA, Edilea Dutra. Avaliação da vulnerabilidade natural à contaminação do solo e do aqüífero do Reservatório Batatã-São Luís (MA). Tese (Doutorado em Geociências)- Universidade Estadual Paulista – UNESP. Presidente Prudente. 2006.
Publicado
2018-02-04
Seção
Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão