Percepção e gestão ambiental dos recursos hídricos: diálogos no estudo de reservatório superficiais

Autores

  • Francisca Wigna da Silva Freitas Universidade do Estado do Rio Grande do
  • Márcia Regina Farias da Silva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Josiel de Alencar Guedes Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1790

Palavras-chave:

Reservas hídricas. Gestão. Planejamento ambiental

Resumo

Os recursos hídricos e a percepção ambiental são discussões que interligam as formas de uso e manejos dos recursos com o que é percebido pelo homem, na relação homem e meio. O presente artigo tem por objetivo construir um referencial teórico acerca da influência da percepção ambiental e sua importância metodológica nas pesquisas sobre recursos hídricos no semiárido brasileiro como subsídio para as discussões da temática. Como procedimentos metodológicos, o presente artigo utilizou-se de pesquisas bibliográficas e documental acerca do tema proposto, percepção ambiental e recursos hídricos, como, Okamoto (2002); Tuan (2012); Venturi (2006); Magalhães Jr (2007); Esteves (1998). Torna-se relevante a importância da percepção ambiental como aporte metodológico das discussões socioambientais, como auxílio nas interações do homem e do meio, e as reações sentidas por estarem interligados com os recursos hídricos oferecidos no reservatório Passagem e as relações socioeconômicas do entorno.

Biografia do Autor

Francisca Wigna da Silva Freitas, Universidade do Estado do Rio Grande do

Faculdade de Ciências Exatas e Naturais. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Márcia Regina Farias da Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Faculdade de Ciências Econômicas. Departamento de Gestão Ambiental. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Josiel de Alencar Guedes, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – Campus Avançado Walter de Sá Leitão

Referências

AMARAL, J. R. B. C; BEZERRA, A. C. V; STEINER, A. Q. Percepção ambiental dos pescadores artesanais do litoral norte de Pernambuco – uma avaliação através da escala NEP. OLAM – Ciência & Tecnologia. V. 1, n. 1, jan./jun. p.102-128, 2013.

ANDRADE, M. C. A produção do espaço norte-rio-grandense. Natal: Editora Universitária, 1981.

BOTELHO, R. G. M. Planejamento Ambiental em microbacia hidrográfica. In GUERRA, A. J. T; SILVA, A. S; BOTELHO, R. G. M. Erosão e Conservação dos Solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999, p. 269-300.

BRANDALISE, L. T. A percepção do consumidor na análise do ciclo de vida do produto. Cascavel: EDUNIOESTE, 2008.

BRASIL. Constituição (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. 27 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

______. Lei Nº 9.433, de 8 de Janeiro de 1997. Dispõe sobre a forma de usos dos recursos hídricos e sobre ações que possam afetar a quantidade e qualidade da água. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm> Acesso em: 15. mar. 2016.

______. Resolução CONAMA N° 302 de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente de reservatórios artificiais e o regime de uso do entorno Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=298 >Acesso em: 20 mar. 2016.

______. Novo Código Florestal de 25 de março de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Lei nº s 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166- 67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 25 mai. 2012.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Projeto Cadastro de Fontes de Abastecimento por Água Subterrânea. Diagnóstico do município de Itaú. Estado do Rio Grande do Norte. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.

p.

CUNHA, L. H.; COELHO, M. C. N. Política e gestão ambiental. In: CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. A questão ambiental: diferentes abordagens. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009, p. 43-79.

DIAS, N. S; SILVA, M. R. F; GHEYI, H. R. Recursos hídricos: usos e manejos. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011.

DICTORO, V. P; HANAI, F. Y. Análise da relação homem-água: a percepção ambiental dos moradores locais de Cachoeira de Emas – SP, Bacia hidrográfica do Rio Mogi-Guaçu. R. Ra e Ga. Curitiba, V. 36, p. 92-120, abr. 2016.

ESTEVES, F. A. Fundamentos de Limnologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, FINEP, 1998.

FAO/IIASA. Agro-ecological assessments for national planning: the example of Kenya. Rome: FAO, 1993.

FIGUEREDO JÚNIOR, L. G; DOURADO NETO, D. Gerenciamento de recursos hídricos no Brasil. In: DIAS, N. S; SILVA, M. R. F; GHEYI, H. R. Recursos hídricos: usos e manejos. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011.

FREITAS, R. E.; RBEIRO, K. C. C. Educação e percepção ambiental para a conservação do meio ambiente na cidade de Manaus – uma análise dos processos educacionais no centro municipal de educação infantil Eliakin Rufino. Ed. 3, Revista Eletrônica Aboré. Nov. 2007.

GUIMARÃES, S. T. L. Percepção ambiental: paisagens e valores. OLAM – Ciência & Tecnologia. Rio Claro, Vol. 9, n. 2, p. 275-301, jan./jul. 2009.

KORMONDY, E. J. Recursos Naturais e ecologias de comunidades. In.______. Ecologia humana. São Paulo: Atheneu Editora, 2002, p. 253-288.

LANNA, A. E. L; BRAGA, B. Hidroeconomia. In: REBOUÇAS, A. C; BRAGA, B; TUNDISI, J. G. (Org.). Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3ª ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006, p.607 -637.

LOPES, T. C. S. Percepção e caracterização socioambiental como ferramenta auxiliar no planejamento e na gestão urbana – Assú/ RN. 130p. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais. Mossoró, RN, 20 fev. 2015.

MAGALHÃES JÚNIOR, A. P. Indicadores ambientais e recursos hídricos: realidade e perspectivas para o Brasil a partir da experiência francesa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

MAURO, C. A. D. Conflitos pelo uso da água. Presidente Prudente, Caderno Prudentino de Geografia, n.36, p.81-105, 2014

MILLER, G. T. Ciência ambiental. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MONTENEGRO, A. A. A.; MONTENEGRO, S. M. G. L. Olhares sobre as políticas públicas de recursos hídricos para o semiárido. In. GREYI, H. R.; PAZ, V. P. S.; MEDEIROS, S. S.; GALVÃO, C. O. Recursos hídricos em regiões semiáridas. Campina Grande: Instituto Nacional do Semiárido; Cruz das Almas: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 2012. P. 2-24.

MORAES, A. C. R. Ideologias Geográficas. São Paulo: Annablume, 2005.

MORAES, A. C. R. Geografia: pequena história crítica. Ed. 21ª, São Paulo: Annablume, 2007.

MOREIRA, R. O que é geografia. Ed. 14. São Paulo: Brasiliense, 1994.

OKAMOTO, J. Percepção ambiental e comportamento: visão holística da percepção ambiental na arquitetura e na comunidade. São Paulo: Editora Mackenzie, 2002.

RIO GRANDE DO NORTE. Decreto Nº 21.881, de 10 de setembro de 2010. Cria o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Apodi-Mossoró e dá outras providências. Disponível em: <http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/semarh/DOC/DOC000000000020592.PDF>. Acesso em: 20 Jun. 2016.

______. Política estadual de recursos hídricos, Lei nº 6. 908, de 01/07/1996. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos, institui o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos - SIGERH e dá outras providências. Disponível em: <http://www.programaaguaazul.rn.gov.br/pdf/6908-96.pdf > Acesso em: 15 dez. 2016.

RISSO, L. C. Estudo de percepção ambiental do parque ecológico de Ourinhos –SP. Geografia. Rio Claro, v. 36, n. 2, p. 297-310, mai./ ago. 2011.

ROSA, A. H; SILVA, Â. A. M. J; MELO, C. A; MOSCHINI-CARLOS, V; GUANDIQUE, M. E. G; FRACETO, L. F; LOURENÇO, R. W. Diagnóstico ambiental e avaliação de uso e ocupação do solo visando a sustentabilidade da represa de Itupararanga, importante área da bacia do médio tietê. In: POMPEO, M; MOSCHINI-CARLOS, V; NISHIMURA, P. Y; SILVA, S. C; DOVAL, C. L. Ecologia de reservatório e interfaces. São Paulo: Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo, 2015, p. 213-231.

SANSORES, J. C. H. Recursos hídricos: Hidrología subterrânea. In: POZO; CANTO; CALME, Riquezas biológicas de uintana roo: um análisis para su conservación, 2011.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência

universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SILVA, A. S. Rio Grande do Norte. In: XAVIER, Y. M. A; BEZERRA, N. F. Gestão legal dos recursos naturais dos estados do Nordeste do Brasil. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, 2005.

SOUZA, A. C. M.; SILVA, M. R. F.; DIAS, N.S. Gestão de recursos hídricos: o caso da bacia hidrográfica Apodi/Mossoró (RN). Irriga. Ed. especial, p.280-296, 2012.

VENTURI, L. A. B. Recurso natural: a construção de um conceito. Nº 20, São Paulo: GEOUSP - Espaço e Tempo, 2006, p. 09 - 17.

VIEIRA, V. P. P. G; GONDIM FILHO, J. G. C. Água doce no semi-árido. In: REBOUÇAS, A. C; BRAGA, B; TUNDISI, J. G. (Org.) Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3ª ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006, p. 481-504.

TEODORO, V. L. I.; TEIXEIRA, D.; COSTA, D. J. L.; FULLER, B. B. O conceito de bacia hidrográfica e a importância da caracterização morfométrica para o entendimento da dinâmica ambiental local. Revista Uniara, v.20, p.137-157, 2007.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

TUNDISI, J. G; TUNDISI, T. M; ABE, D. S; ROCHA, O; STRALING, F. Liminologia de águas interiores: impactos, conservação e recuperação de ecossistemas aquáticos. In: REBOUÇAS, A. C; BRAGA, B; TUNDISI, J. G. (Org.) Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. 3ª ed. São Paulo: Escrituras Editora, 2006, p. 203 – 240.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão