Fotointerpretação aplicada à análise das alterações do uso e cobertura da terra e a situação das áreas de preservação permanente

Autores

  • Mayara Caroline Covizzi Universidade Católica de Campinas,
  • Danilo Mangaba de Camargo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Estéfano Seneme Gobbi Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1797

Palavras-chave:

Urbanização. Recursos hídricos. Bacia Hidrográfica. Análise sistêmica

Resumo

Na ausência de uma efetiva política de ordenamento territorial, a expansão das áreas urbanizadas tem condicionado inúmeros impactos ao ambiente, dentre eles, a degradação das áreas de preservação permanente (APP). Diante desse cenário, o objetivo do trabalho foi analisar, na microbacia hidrográfica do Córrego Pium em Campinas-SP, as alterações na cobertura do solo em recorte temporal de 38 anos e sua relação com o estado atual das APP’s na bacia. Para lograr tal objetivo, foi realizada a fotointerpretação de fotografias aéreas dos cenários de 1972, 1994 e 2010  na área de estudo e posterior processamento dos mapas resultantes em ambiente de SIG. Constatou-se que o crescimento da urbanização na área avançou sobre as APPs, ocasionando uma violação dessas áreas resguardadas pela legislação. 

Biografia do Autor

Mayara Caroline Covizzi, Universidade Católica de Campinas,

Faculdade de Geografia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Danilo Mangaba de Camargo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Programa de Pós-Graduação em Geociências e Meio Ambiente, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Estéfano Seneme Gobbi, Universidade Estadual de Campinas

Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual de Campinas

Referências

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global - Esboço metodológico. In: Revista RA´e GA: O Espaço Geográfico em Análise. Curitiba: Ed. UFPR, n. 8, p. 141-152, 2004.

BOTELHO, R. G. M; SILVA, A. S. da. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. Cap. 6. In: VITTE, Antonio Carlos e GUERRA, Antonio José Teixeira (org.). Reflexões Sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília-DF: 25 maio 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 11/08/2015.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Manual Técnico de Uso da Terra. Rio de Janeiro: 3º ed. 2013.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal. Caracterização Urbana do Plano Diretor de Campinas. Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Campinas-SP, 2006. Disponível em: http://www.campinas.sp.gov.br/governo/seplama/plano-diretor-2006/doc/tr_ccturb.pdf. Acesso em: 16/09/2015.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal. Plano Local de Gestão da Macrozona 5. Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Campinas-SP, 2007.

CEPAGRI - Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas a Agricultura. Clima dos Municípios Paulistas: Campinas. UNICAMP: s/d. Disponível em: http://www.cpa.unicamp.br/outras-informacoes/clima_muni_109.html. Acesso em: 20/09/2015.

DIAS, R. D. Proposta de metodologia de definição de carta geotécnica básica em regiões tropicais e subtropicais. Revista do Instituto Geológico. São Paulo, 1995. p.51-55.

GARCIA, A. L. G. Espaços urbanos derivados da implantação de conjuntos habitacionais e áreas de ocupação ilegal: o caso da região do distrito industrial de Campinas. 31/01/2011. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. Campinas-SP: 2011.

PANIZZA, A. C. de; FONSECA, F. D. Técnicas de Interpretação Visual de Imagens. In: GEOUSP – Espaço e Tempo. São Paulo, nº 30, 2011.

SÃO PAULO. Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Mapa pedológico semidetalhado do município de Campinas-SP. Esc. 1:50.000. Campinas, 2008.

SÃO PAULO. Instituto Geológico (IG)/ Secretaria do Meio Ambiente (SMA). Subsídios do Meio Físico-Geológico ao Planejamento do Município de Campinas (SP). Mapa Geológico do Município de Campinas. São Paulo. 2v. (Relatórios Técnicos), 2009.

LIMA, I. O. Conjuntos habitacionais e segregação socioespacial: o Distrito Industrial de Campinas (DIC). 05/12/2013. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas-SP: 2013.

MARCHETTI, D. A. B; GARCIA, G. J. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. São Paulo: Nobel, 1986

MONTEIRO, C. A. F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Ed. Contexto, 2º ed., 2001.

RODRIGUES, C.; GOUVEIA, I.C. M-C. Importância do fator antrópico na redefinição de processos geomorfológicos e riscos associados em áreas urbanizadas do meio tropical úmido. Exemplos na Grande São Paulo. In: GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. C. O. (Org.). Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficinas de Textos, 2013, 2º ed.

SOTCHAVA, V. B. O estudo do geossistema. Métodos em questão, São Paulo, n.16, p.1-51, 1977.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão