Classificação geomorfológica e o Código Florestal Brasileiro: considerações sobre as relações de uso do solo na sub-bacia hidrográfica do Rio Mandu

Autores

  • Gustavo Costa Teixeira Universidade federal de Lavras
  • André dos Santos Ribeiro Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação
  • André Silva Tavares Universidade Federal de Alfenas
  • Ronaldo Luiz Mincato Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1806

Palavras-chave:

Bacia Hidrográfica. Sul de minas. APP. Reserva Legal. Uso do Solo

Resumo

Para avaliar o ambiente e suas alterações é preciso avaliar os atributos do meio físico que permitam identificar áreas críticas ou frágeis, em relação ao uso e ocupação, que devem ser protegidas por políticas públicas. No caso do Brasil, o Código Florestal normatiza as regras de uso do solo para todo o país. Neste contexto, a aplicação de algumas normas do código foi avaliada para o caso da Sub-bacia Hidrográfica do Rio Mandu, permitindo algumas considerações sobre as relações de uso. Isto resultou em um cenário com predomínio de práticas deletérias ao ambiente, com o não cumprimento das regras para Áreas de Preservação Permanete e Reserva Legal.

Biografia do Autor

Gustavo Costa Teixeira, Universidade federal de Lavras

Departamento de Engenharia/Universidade Federal de Lavras

André dos Santos Ribeiro, Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação

Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação - FAI

André Silva Tavares, Universidade Federal de Alfenas

Insituto de Ciências da Natureza/Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL-MG

Ronaldo Luiz Mincato, Universidade Federal de Alfenas

Insituto de Ciências da Natureza/Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL-MG

Referências

ANA. Agência Nacional de Águas. Brasil: Atlas do abastecimento urbano, 2015. Disponível: <http://atlas.ana.gov.br/atlas/forms/analise/Geral.aspx?est=8>. Acesso: 20 jan. 2017.

BERGER, A. R. Where is sustainability when landscapes change rapidly? Malásia: Institute of Environmental and Development, p. 1-32, 2007.

BRASIL. Novo Código Florestal Brasileiro. 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 07 jan. 2017.

CABRAL, J. B. P. et al. Mapeamento da fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Doce (GO), utilizando técnicas de geoprocessamento. Madri: GeoFocus (Artículos), n. 11, p. 51-69, 2011.

CPRM. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Carta Geológica Guaratinguetá. São Paulo: Superintendência Regional CPRM. 1 mapa. Escala 1: 250.000. 1998.

FEAM - Fundação Estadual do Meio Ambiente. Mapa de solos do estado de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG. 4 mapas. Escala: 1:650.000. 2010.

GOUVÊA, O. M. A História de Pouso Alegre. 2 ed. Gráfica Amaral: Pouso Alegre. 2004.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Pouso Alegre. 2014. Disponível: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=315250&search=minas-gerais|pouso-alegre>. Acesso: 20 jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Carta Topográfica de Conceição dos Ouros. Rio de Janeiro: IBGE, 1971a. 1 mapa. Escala 1:50.000.

______.Carta Topográfica de Pouso Alegre. Rio de Janeiro: IBGE, 1971b. 1 mapa. Escala 1:50.000.

______. Carta Topográfica de Santa Rita de Caldas. Rio de Janeiro: IBGE, 1972a. 1 mapa. Escala 1:50.000.

______. Carta Topográfica de Ipuiuna. Rio de Janeiro: IBGE, 1972b. 1 mapa. Escala 1:50.000.

______. Carta Topográfica de Borda da Mata. Rio de Janeiro: IBGE, 1972c. 1 mapa. Escala 1:50.000.

MACHADO, M.F. & SILVA, S.F. Geodiversidade: Adequabilidade/Potencialidades e Limitações Frente ao Uso e à Ocupação. In: MACHADO, M.F., SILVA, S.F. (Org.), Geodiversidade do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral e Serviço Geológico do Brasil, p. 49-94, 2010.

MAGALHÃES Jr., A.P. & DINIZ, A. A. Padrões e Direções de Drenagem na Bacia do Rio Sapucaí – Sul de Minas Gerais. GEONOMOS, v. 5, n. 2, p. 29-32, 1997.

MAGALHÃES Jr., A.P. & DINIZ. Morfodinâmica Fluvial Cenozoica em Zonas de Contato entre Faixas Móveis e “Cunhas Tectônicas” na Região Sul de Minas Gerais. GEONOMOS, v. 13, n. 1, p. 59-74, 2005.

NASA. National Aeronautics and Space Administration, ASTER GDEM: Advanced Spaceborne Thermal and Reflection Radiometer Global Digital Elevation Map. 2015. Disponível: <http://asterweb.jpl.nasa.gov/>. Acesso: 15 jan. 2015.

PEREIRA, K. F. Zoneamento Geoambiental da Bacia Hidrográfica da Represa Laranja Doce – Martinópolis (SP). 2012. 108f. Dissertação (Mestrado em Geografia), USP, Rio Claro. 2012.

RIBEIRO, A.S.; MINCATO, R.L.; CURI, N.; KAWAKUBO, F.S. Vulnerabilidade Ambiental à Erosão Hídrica em uma Sub-bacia Hidrográfica pelo Processo Analítico Hierárquico. Recife: Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 1, p. 016-031, 2016.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. D.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia da paisagem: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: EDUFC, 2002.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. São Paulo: Revista do Departamento de Geografia, FFLCH-USP, n. 8, 1994.

ROSS, J. L. S. Landforms and Environmeental Planning:potentialities and fragilities. In: Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, FFLCH-USP, volume especial de 30 anos, p. 38-51, 2012.

ROSS, J. L. S. O Registro Cartográfico dos Fatos Geomórficos e a Questão da Taxonomia do Relevo. São Paulo: Revista do Departamento de Geografia (USP), São Paulo, v. 06, 1992.

RUFINO, R. C. Avaliação da qualidade ambiental do município de Tubarão (SC) através do uso de indicadores ambientais. 2002. 113f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), UFSC, Florianópolis. 2002.

ZANATTA, F. A. S.; LUPINACCI, C. M.; BOIN, M. N. Geoecologia da Paisagem X Legislação Ambiental: Uma Análise da Distribuição Espacial das Restrições ao Uso da Terra Frente à Problemática Erosiva na Alta Bacia do Ribeirão Areia Dourada, Marabá Paulista (SP). Uberlândia: Revista Sociedade & Natureza, v. 1, n. 28, p. 21-38, jan./abr. 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão