Diagnóstico do meio físico como subsídio para o planejamento da sub-bacia hidrográfica do Córrego Estiva, Alfenas, Sul de Minas Gerais

Autores

  • Augusto César Ferreira Guiçardi Universidade Federal de Alfenas
  • Velibor Spalevic University of Montenegro
  • Ronaldo Luiz Mincato Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1807

Palavras-chave:

Vulnerabilidade ambiental. Sistema de informação geográfica. Lógica fuzzy - AHP. Planejamento físico-territorial

Resumo

A pressão antrópica sobre o meio é a principal causa da degradação ambiental, o que torna impreterível o planejamento físico-territorial para implementação de políticas públicas sustentáveis. Para o diagnóstico ambiental da Sub-bacia Hidrográfica do Córrego Estiva, Alfenas - MG, foi realizada uma análise integrada de seus aspectos físicos, tendo como suporte o método de Análise da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados com base nas classes de declividade do relevo, sendo que, a fragilidade dos ambientes foi dividida em: 7,6% da área foi classificada como de vulnerabilidade Forte (2,3%) a Muito Forte (5,3%), localizadas nas áreas de várzea; 28,7% considerada como de vulnerabilidade Média e 63,7% com vulnerabilidade de Muito Fraca (14,8%) a Fraca (48,9%). A área estudada não apresenta condições severas de degradação, sendo propícia para a ocupação e desenvolvimento antrópico. Todavia, é recomendado que seja desenvolvido e adotado um plano de proteção e de manejo sustentável da sub-bacia.

Biografia do Autor

Augusto César Ferreira Guiçardi, Universidade Federal de Alfenas

Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambietais, Universidade Federal de Alfenas

Velibor Spalevic, University of Montenegro

Department of Geography, Faculty of Philosophy, University of Montenegro

Ronaldo Luiz Mincato, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciências da Natureza, Universidade Federal de

Referências

ABIC. Associação Brasileira da Indústria do Café. Café Beneficiado - Arábica e Robusta - Safra 2014 e Safra 2015 - Parque Cafeeiro, Produção e Produtividade. Disponível em: <http://www.abic.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=48>. Acesso em: 24 mai. 2016.

ALFENAS. Associação dos Municípios do Lago de Furnas (ALAGO); Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG). Plano Diretor da Região do Lago de Furnas: Leitura técnica. Alfenas, 189 p., 2006.

ALVARES, C. A.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; GONÇALVES, J. L. M.; SPAROVEK, G. Koppen´s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22 n. 6, p. 711 – 728, 2013.

BRASIL. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço energético 2013: Ano base 2012. Ministério de Minas e Energia, 2013. 283p.

______. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 9.433 de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos e dá outras providências. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=370>. Acesso em: 03 mai. 2016.

______. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 03 mar. 2017.

______. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 6.938 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: 03 de mar. 2017.

______. Ministério da Integração Nacional. Projeto “Elaboração de subsídios técnicos e documento-base para a definição da Política Nacional de Ordenação do Território - PNOT”. Secretaria de Políticas de Desenvolvimento Regional. 2006. Disponível em: <http://www.fau.usp.br/docentes/depprojeto/c_deak/CD/5bd/2br/3plans/2006pnot/PNOT-v-preliminar.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2017.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia Prática. 2.ed., Rio de Janeiro: Interciência, 600p, 2008.

CPRM; UFRJ. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais; Universidade Federal do Rio de Janeiro. Carta Geológica de Alfenas, Folha SF-23-V-D-II, 2010. Disponível em: <http://geobank.cprm.gov.br/pls/publico/geobank.download.downloadlayouts?p_webmap=N&p_preliminar=N&p_usuario=1&p_id_sessao=20150330181330&usuario=1&file=alfenas.zip>. Acesso em 30 mar. 2015.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J, S.; FILHO, P. H.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao ordenamento territorial. INPE. São José dos Campos, 2001.

DECHEN, S, C, F.; TELLES, T, S.; GUIMARÃES, M, F.; DE MARIA, I, C. Perdas e custos associados à erosão hídrica em função de taxas de cobertura do solo. Bragantia, Campinas, v. 74, n. 2, p.224-233, 2015.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Brasília, 353p, 2013.

ESRI. ArcGIS Desktop [software GIS] Version 10.1. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute, Inc., 2011.

FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. 2015 Año Internacional de los Suelos. Disponível em: <http://www.fao.org/americas/noticias/ver/pt/c/270863/>. Acesso em: 24 nov. 2015.

FITZ, P. R. Geoprocessamento sem Complicação, São Paulo, Ed. Oficina de Textos, 2008.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA; INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2013. Atlas dos Municípios da Mata Atlântica – período 2011-2012, Anexo 1. São José dos Campos, INPE, 2013.

HO, W. Integrated Analytic Hierarchy Process and it’s Applications – A Literature Review, European Journal of Operational Research, v. 186, p. 211 - 228, 2008.

LEONARDO, H. C. L. Indicadores de qualidade de solo e água para a avaliação do uso sustentável da microbacia hidrográfica do Rio Passo Cue, região oeste do estado do Paraná. 2003. 121 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Piracicaba, Piracicaba.

OLIVETTI, D.; MINCATO, R. L.; AYER, J. E. B.; SILVA, M. L. N.; CURI, N. Spatial and Temporal Modeling of Water Erosion in Dystrophic Red Latosol (Oxisol) Used for Farming and Cattle Raising Activities in a Sub-Basin in the South of Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia. Lavras, v. 39, n. 1, p. 58-67, 2015.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, v. 8, p. 63-74,1994.

ROSS, J. L. S. Landforms and environmental planning: potentialities and fragilities. Revista do Departamento de Geografia. São Paulo, Volume Especial 30 Anos, p. 38-51, 2012.

SAATY, T. L. How to make a decision: the analytic hierarchy process. European Journal of Operational Research, v. 48, n. 1, p.9–26, 1990.

SILVA, L. T.; MENDES, J. F. G. City Noise-Air: An environmental quality index for cities. Sustainable Cities and Societies, v. 4, p. 1-11, 2012.

SCOLFORO, J.R.; MELLO, J.M.; SILVA, C. P. C. (Ed.). Inventário Florestal de Minas Gerais: Floresta Estacional Semidecidual e Ombrófila. Lavras: UFLA, 2008.

UFV; CETEC; UFLA; FEAM. Universidade Federal de Viçosa; Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais; Universidade Federal de Lavras; Fundação Estadual do Meio Ambiente. Mapa de solos do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte: Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2010.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão