A cobertura e o uso da terra: episódios de inundações no município de Cardoso Moreira

Autores

  • Yago de Souza Verling Universidade Federal Fluminense
  • Vinicius de Amorim Silva Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1808

Palavras-chave:

Inundações. Bacia hidrográfica. Mata ciliar

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo principal, o mapeamento da cobertura e o uso da terra no município de Cardoso Moreira no ano de 2016 e sua relação com áreas susceptíveis a inundação. De forma secundária caracteriza-se o histórico de inundação do município de Cardoso Moreira, identificando os locais atingidos e descrevendo os danos sociais e econômicos sofridos pelo Município de Cardoso Moreira. Para atender os objetivos, adotou-se os seguintes procedimentos: realização do inventário do histórico de inundação do município de Cardoso Moreira, por meio de documentos oficiais da Defesa Civil e a utilização da ferramenta de processamento digital Spring com a utilização das imagens do satélite Landsat 8, relativas ao ano de 2016. Os resultados encontrados, mostram que o município de Cardoso Moreira é atingido por inundações periódicas desde o ano de 2002 e que estes eventos de inundações acabam gerando danos sociais e econômicos de grande magnitude para o município. 

Biografia do Autor

Yago de Souza Verling, Universidade Federal Fluminense

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia -PPG/Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Universidade Federal Fluminense - UFF.

Vinicius de Amorim Silva, Universidade Federal Fluminense

Professor do Centro de Formação em Tecno-Ciências e Inovação-CF-TI/Instituto de Humanidades Artes Ciências- IHAC- Campus Jorge Amado –CJA da Universidade Federal do Sul da Bahia- UFSB e do Programa de Pós-Graduação em Geografia -PPG/Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional, Universidade Federal Fluminense.

Referências

AMORIM, R. R.; REIS, C. H.; FERREIRA, C. Mapeamento dos geossistemas e dos sistemas antrópicos como subsídio ao estudo de áreas com riscos a inundações no baixo curso da bacia hidrográfica do rio Muriaé (Rio de Janeiro–Brasil). Territorium, n. 24, p. 89-114, 2017.

Banco de dados e registro de desastres. S2ID - Sistema Integrado de Informações sobre Desastres. 2015. Disponível em: <http://s2id.mi.gov.br>. Acessado em: Fev. de 2016.

BOTELHO, S.A. DAVIDE, A.C. Métodos silviculturais para recuperação de nascentes e recomposição de matas ciliares. Simpósio nacional sobre recuperação de áreas degradadas: água e biodiversidade. Belo Horizonte. 2002.

DAVIDE, A C.; FERREIRA, R. A.; FARIA, J. M. R.; BOTELHO, S. A. Restauração de matas ciliares. Informe Agropecuário, , v. 21, n. 207, p. 65-74, 2000

FAO. Food and Agriculture Organization. A Framework for land Evaluation. Roma, Food and Agriculture Organization for the United Nations, 1976, 72p.

FERREIRA, D. A. C.; DIAS, H. C. T. Situação atual da mata ciliar do ribeirão São Bartolomeu em Viçosa, MG. Rev. Árvore [online]. 2004, vol.28, n.4, pp.617-623. Disponível em :http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-67622004000400016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em: Nov de 2016.

IBGE CIDADES. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=330115&search

=rio-de-janeiro|cardoso-moreira|infograficos:-historico> Acessado em 24/07/2016.

IBGE. Manual Técnico de Uso da Terra. 3. ed., Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente: Uma Perspectiva em Recursos Terrestres. Tradução da 2a. edição. J. C. N. Epiphanio (org.). São José dos Campos: Parêntese Editora, 2009, 672 p.

MARTINS, S. V. Recuperação de Matas Ciliares. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2001. 143p.

PRADO, R.B. et al. Diagnóstico do meio físico da bacia hidrográfica do Rio Muriaé. Rio de Janeiro: Embrapa, 2005.

Prefeitura Municipal de Cardoso Moreira. Disponível em: < http://www.cardosomoreira.rj.gov.br/portal/indicadores-pagina-11-2-11> Acessado em, 25/07/2016.

REIS, C. H; AMORIM, R. R; FERREIRA, C. (2015). Caracterização do uso e Ocupação das Terras de Áreas com Risco à Inundação em Cardoso Moreira e Italva, Rio de Janeiro. Caminhos da Geografia. Uberlândia, V. 16, n. 55, p. 01-17, Set/2015.

SILVA, V. A. et al. A Utilização de Técnicas De Geoprocessamento Para Modelagem De Cenários De Uso E Perda De Solo Na Bacia Hidrográfica Do Rio Colônia No Litoral Sul Da Bahia (Brasil). VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010.

SILVA, V. A. et al. Uso da terra e perda de solo na Bacia Hidrográfica do Rio Colônia, Bahia. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.15, n.3, p.310–315. Campina Grande, PB, UAEA/UFCG, 2011.

SILVA, V.A. Geomorfologia antropogênica:mundanças no padrão de Drenagem do canal principal e delta, no baixo curso da Bacia hidrográfica do rio Jequitiuonha/BA. Tese. CAMPINAS/SP - Brasil julho de 2012. Universidade Estadual de Campinas.

TUCCI, C. E. M. Aguas Urbanas. Estudos Avançados. 22, (63), 2008. p. 97-112.

TOMINAGA, L. K; SANTORO, J; AMARAL, R. (org). Desastres Naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009. Cap. 1, p. 11 – 23.

UN-ISDR – United Nations International Strategy for Disaster Reduction – Living with Risk. A Global Review of Disaster Reduction Initiatives. United Nations. Geneva, Suíça. 2002. Disponível em http://www.unisdr.org/eng/about_isdr/bd-lwr-2004-eng.htm> Acesso em: Out de 2016.

VERLING, Y. S.; AMORIM, R. R. Caracterização dos episódios de inundações na área urbana do município de Campos dos Goytacazes: o caso dos rios Muriaé, Paraíba do Sul e Ururaí. In: Ix Seminário Latino-Americano E V Seminário Ibero-Americano De Geografia Física, 2016, Guimarães. A Geografia Física e a Gestão de Territórios Resilientes E Sustentáveis. Guimarães: Universidade do Minho. UMDGEO - Departamento de Geografia, 2016. v. 1. p. 1183-1195.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão