Análise e diagnóstico físico-funcional da vulnerabilidade da paisagem a perda de solo da bacia hidrográfica Rio Uru – GO

Autores

  • Italo Fernandes de Lima Universidade Federal de Goiás
  • Klinsmman Silva Ribeiro Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1824

Palavras-chave:

Recursos hídricos. Bacia hidrográfica. Análise de Bacias. Vulnerabilidade da paisagem. Parâmetros físico-funcionais

Resumo

A partir da Política Nacional de Recursos Hídricos, instituída pela Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, foram incorporados princípios e normas para a gestão de recursos hídricos adotando a definição de bacias hidrográficas como unidade de estudo e gestão. Definiu-se como área de estudo a bacia hidrográfica do Rio Uru, rio este que faz parte a bacia do rio Tocantins. A bacia está localizada no noroeste do estado de Goiás, possui o cerrado como bioma principal. Objetivou-se com este estudo analisar e diagnosticar através dos parâmetros físico-funcionais, da bacia hidrográfica do Rio Uru, a sua vulnerabilidade da paisagem a perda de solo, apresentando MODERADO/ESTÁVEL vulnerabilidade à perda de solos. Isso se dá como consequência dos fatores ambientais que integram a área, como elevada declividade em alguns pontos da bacia. 

Biografia do Autor

Italo Fernandes de Lima, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Klinsmman Silva Ribeiro, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Referências

ALVES, J.M.P.; CASTRO, P.T.A. Influência de feições geológicas na morfologia da bacia do rio Tanque (MG) baseada no estudo de parâmetros morfométricos e análise de padrões de lineamentos. Revista Brasileira de Geociências, v. 33, n. 2, p. 117-127, 2003.

CREPANI E. et al. Curso de sensoriamento remoto aplicado ao Zoneamento-Econômico. São José dos Campos, INPE, 1996. (INPE-6145-PUD/028).

CREPANI, E. et al.; Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. São José dos Campos: INPE, 2001.

MMA - Ministerio do Meio Ambiente: O Bioma Cerrado, 2016. Acessado em julho de 2016. FELTRAN-FILHO AF, LIMA SC, ROSA R. Mapeamento do uso do solo no município de Uberlândia – MG, através de imagens TM/LANDSAT. Sociedade & Natureza 1989; 1(2):127-145.

GUERRA, A.T.; GUERRA, A.J.T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 3. ed. Rio de Janeiro:

Bertrand Brasil, 2003. 652p.

GUERRA, A. J. T.; MENDONÇA, J. K. S. Erosão dos solos e a Questão Ambiental. In: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. (Orgs.). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 225-256,

POLITANO, W.; PISSARRA, T.C.T. Relações entre características morfométricas quantitativas e estimativa da vazão em função da área em microbacias hidrográficas de 2ª ordem de magnitude.

Engenharia Agrícola, v. 23, n. 1, p. 179-186, 2003.

POLITANO, W.; PISSARRA, T.C.T.; FERRAUDO, A. S. Avaliação de características morfométricas na relação solo-superfície da bacia hidrográfica do córrego rico, Jaboticabal (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 28, p. 297-305, 2004.

STRAHLER, A.N. Hypsometric (area-altitude) analysis and erosional topography. Geological Society of America Bulletin, v. 63, p.1117-1142, 1952

TAGLIANI, Carlos Roney Armanini. Técnica para avaliação da vulnerabilidade ambiental de ambientes costeiros utilizando um Sistema Geográfico de Informações; In: Anais XI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR. Belo Horizonte, Brasil, INPE, p. 1657 – 1664, 2003.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977.

TUCCI, C.E.M., 1997 Estimativa do Volume para Controle da Drenagem no Lote. Anais III

Seminário Nacional de Drenagem Urbana. ABRH. Curitiba

WANG, X.; YIN, Z.Y. A comparison of drainage networks derived from digital elevation models at two scales. Journal of Hidrology, v. 210, p. 221-241, 1998.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão