Análise descritiva de nascentes do Rio São Francisco, no Chapadão Diamante, na Serra da Canastra-MG

Autores

  • Giliander Allan da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Renato Emanuel Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Silvio Carlos Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1826

Palavras-chave:

Infiltração. Exfiltração. Serra da Canastra. Vazão

Resumo

O estudo se desenvolve no Chapadão Diamante na Serra da Canastra, sudoeste mineiro. Como parte de uma pesquisa mais detalhada, foi realizada uma análise descritiva de quatro nascentes (GP1, GP2, GP3 e GP4) que compõem um agrupamento de nascentes do Rio São Francisco, acompanhada de medição de vazão destes canais de primeira ordem. Com uso de um recipiente graduado e cronometro obteve os volumes de água por tempo que exfiltra em cada nascente, num cenário de estação chuvosa. As características geológicas, de vegetação e da cobertura superficial influenciam sobremaneira no volume exfiltrado, sendo que, 3 nascentes têm vazão entre 29 e 55,3 mL/s, classificadas como de sétima magnitude e 1, a GP1 é de oitava magnitude com vazão de 6,2 mL/s. É de grande importância aprofundar nos estudos nas áreas de cabeceiras de drenagem, pois são regiões que impactam diretamente no regime hidrológico de todo sistema à jusante.

Biografia do Autor

Giliander Allan da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Renato Emanuel Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Silvio Carlos Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Doutor do Instituto de Geografia/ Universidade Federal de Uberlândia

Referências

BABAR, M. Hydrogeomorphology: Fundamentals, Applications and Techniques. New Delhi: New India Publishing, 2005.

BRASIL. Resolução CONAMA no 303. de 20 de março de 2002. Ministério do Meio Ambiente. 2002.

CHAVES, M. L. DE S. C. et al. Kimberlito Canastra-1 (São Roque de Minas, MG): geologia, mineralogia e reservas diamantíferas. Revista da Escola de Minas, v. 61, n. 3, p. 357–364, 2008.

FELIPPE, M. F. Caracterização e tipologia de nascentes em unidades de conservação de Belo Horizonte-MG com base em variáveis geomorfológicas, hidrológicas e ambientais. Dissertção (mestrado em Geografia e Análise Ambiental)-Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

FELIPPE, M. F. et al. Nascentes antropogênicas: processos tecnogênicos e hidrogeomorfológicos. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 14, n. 4, p. 279–286, abr. 2014.

FERREIRA, M. M. DE S. Avaliação da qualidade da água subterrânea para consumo humano na bacia do Rio São Bartolomeu: o caso dos poços tubulares profundos do Setor Habitacional Jardim Botânico, Distrito Federal. Dissertação de Mestrado—Brasília: Universidade de Brasília, 2010.

GOERL, R. F.; KOBIYAMA, M.; SANTOS, I. D. Hidrogeomorfologia: princípios, conceitos, processos e aplicações. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 13, n. 2, p. 103–111, 2012.

IBAMA. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra da Canastra. Resumo Executivo. p. 104–104, 2005.

LUIZ, M.; CARNEIRO, D. S.; ANDRADE, K. W. Província diamantífera da Serra da Canastra e o kimberlito Canastra-1: primeira fonte primária. Geociências, v. 27, p. 299–317, 2008.

MESSIAS, C. G. Mapeamento das áreas suscetíveis à fragilidade ambiental na Alta Bacia Do Rio São Francisco, Parque Nacional da Serra da Canastra – MG. Dissertação (mestrado em Geografia)—Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2014.

NISHIYAMA, L. Procedimentos de mapeamento geotécnico como base para análise e avaliações ambientais do meio físico em escala 1: 100.000 aplicação no município de Uberlândia-MG. Tese (doutorado em Geotecnia)—São Carlos: Universidade de São Paulo, 1998.

NOVAIS, G. T. Caracterização climática da mesorregião do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e do entorno da Serra da Canastra (MG). Dissertação (mestrado em Geografia)—Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2011.

PEREIRA, L. F. et al. Evolução geológica dos grupos Canastra e Ibiá na região entre Coromandel e Guarda-Mor, MG. Revista Geonomos, v. 2, n. 1, 2013.

ROSS, J. L. S. Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação. Revista do Departamento de Geografia, v. 4, p. 25–39, 1985.

SAYAMA, T. et al. How much water can a watershed store? Hydrological Processes, v. 25, n. 25, p. 3899–3908, 2011.

SIDLE, R. C.; ONDA, Y. Hydrogeomorphology: overview of an emerging science. Hydrological Processes, v. 18, n. 4, p. 597–602, mar. 2004.

SILVA, A. P. L.; NETO, J. V. F.; SANTOS SILVA, J. H. Estudo da vazão hídrica nas nascentes da Serra da Caiçara, município de Maravilha–Alagoas. Reflexões e Práticas Geográficas, v. 1, n. 1, p. 82–92, 2014.

SIMON, A. L. H.; CUNHA, C. M. L. Alterações geomorfológicas derivadas da intervenção de atividades antrópicas: Análise temporal na Bacia do Arroio Santa Bárbara-Pelotas (RS). Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 9, n. 2, 2008.

TUCCI, C. E. Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2012.

TUNDISI, J. G.; MATSUMURA-TUNDISI, T. Recursos hídricos no século XXI. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

VASCONCELOS, V. et al. Caracterização de uma Topossequência no Parque Nacional da Serra da Canastra, MG. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento - Embrapa Cerrados, n. 277, 2010.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão