Reclassificação e quantificação da cobertura vegetal nativa da bacia hidrográfica do Rio Brilhante-MS

Autores

  • Patricia Silva Ferreira Universidade Federal Grande Dourados
  • Charlei Aparecido da Silva Universidade Federal Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1828

Palavras-chave:

Vegetação. Geoprocessamento. Código Florestal

Resumo

Há uma grande demanda por estudos que analisem a aplicação da Lei Federal 12.531/2012 relativa à conservação quantitativa de Reserva Legal (RL) no interior das propriedades rurais bem como a somatória delas no contexto da bacia hidrográfica. Neste sentido, este trabalho se propôs reclassificar os dados de vegetação, quantificá-los e analisá-los no âmbito da legislação ambiental, tomando como área de estudo a bacia do Rio Brilhante/MS. Para tanto, foi criado um banco de dados espaciais utilizando os programas ArcGis ® 10.2 e QGIS 2.18. Em 1984, o território da bacia era composto pelo Cerrado e pela Floresta Estacional Semidecidual. Em 2015 da área total da bacia, 82% estavam antropizadas e 18% ainda eram ocupadas com vegetação natural. Se a bacia do Rio Brilhante fosse tomada como uma única propriedade rural, não cumpriria com o quantitativo de 20% exigido no Código Florestal Brasileiro. 

Biografia do Autor

Patricia Silva Ferreira, Universidade Federal Grande Dourados

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, UFGD

Charlei Aparecido da Silva, Universidade Federal Grande Dourados

Docente do Programa de Pós-Graduação em Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, UFGD

Referências

BRASIL. Lei Federal Nº 12.651, de 12 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 20 de fev/ 2017.

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE (ESRI). Software ArcGIS Professional GIS for the desktop, version 10.2.2, 2014.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Precipitação esperada na Bacia do Rio Brilhante, MS. Dourados, MS, Embrapa/ Embrapa Agropecuária Oeste, 2005.

GANDOLFI, S. Impacto das Mudanças do Código Florestal. Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal Departamento de Ciências Biológica - LERF – ESALQ/USP.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTASTÍSTICA (IBGE). Introdução ao processamento digital de imagens. Rio de Janeiro: IBGE, Manuais Técnicos em Geociências, 2000.

__________. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, Manuais Técnicos em Geociências, 2012. 271 p.

MATO GROSSO DO SUL. Zoneamento Ecológico Econômico do Estado de Matogrosso do Sul (2002). Disponível em: http://www.semac.ms.gov.br/zeems/. Acesso em 21 de fev/2017.

__________. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia. Caderno Geoambiental das Regiões de Planejamento do MS. Campo Grande, 2011.

QUANTUM GIS DEVELOPMENT TEAM, 2015. Quantum GIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation Project,Versão 2.12.3 “Lyon”. Disponível em: http://qgis.osgeo.org.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. (ed.). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina: Embrapa Cerrados, 1998.

SILVA, J. X.; ZAIDAN, R. T. (orgs.). Geoprocessamento e Análise ambiental: aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão