Nascentes do Rio Parnaíba: usos e conservação da terra e da água

Autores

  • Iracilde Maria de Moura Fé Lima Universidade Federal do Piauí
  • Almir Bezerra Lima Universidade Federal do Piauí
  • Cristina Helena Ribeiro Rocha Augustin Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1829

Palavras-chave:

Bacia hidrográfica. Parque Nacional das Nascentes do Parnaíba. Conservação. Uso da terra

Resumo

Neste trabalho buscou-se traçar o perfil do ambiente das nascentes do rio Parnaíba como forma de discutir as características do ambiente e da busca de proteção das cabeceiras deste rio, o maior do território piauiense. O divisor topográfico da sua bacia hidrográfica encontra-se na fronteira entre os estados do Piauí, Maranhão, Tocantins e Bahia, na Chapada das Mangabeiras, onde se formam também afluentes dos rios Tocantins e São Francisco. Os procedimentos metodológicos envolveram o levantamento de referenciais teóricos e estudos sobre essa área, observações de campo, análise de imagens de satélites, mapeamentos e outras informações, utilizando o geoprocessamento. Concluiu-se que a área do Parque Nacional das Nascentes do Parnaíba tende a se tornar insuficiente para manter a proteção da área de recarga que alimenta essa drenagem, mesmo integrando o Corredor Ecológico Regional do Jalapão, porque é crescente a exploração da terra em direção às cabeceiras do rio Parnaíba.

Biografia do Autor

Iracilde Maria de Moura Fé Lima, Universidade Federal do Piauí

Universidade Federal do Piauí

Almir Bezerra Lima, Universidade Federal do Piauí

Universidade Federal do Piauí

Cristina Helena Ribeiro Rocha Augustin, Universidade Federal de Minas Gerais

Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

AGUIAR, R. B.; GOMES, J. R. C. (Org.). Diagnóstico do município de Barreiras do Piauí. In: Projeto Cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea - Estado do Piauí. Fortaleza: CPRM, 2004.

ANDRADE JÚNIOR, A. S.; BASTOS, E. A.; SILVA, C. O.; GOMES, A. A. N.; FIGUEREDO JÚNIOR, L. G. M. de. Atlas Climatológico do Estado do Piauí. Documentos 101. Teresina (PI): EMBRAPA-Meio Norte, 2004.

ARAÚJO, M. A. R. Unidades de Conservação no Brasil: da República à gestão de classe mundial. Belo Horizonte: SEGRAC, 2007.

ARRUDA, M. B. Gestão integrada de ecossistemas aplicada a corredores ecológicos. Brasília: IBAMA, 2006.

AUGUSTIN, C. H. R. R; MELO, D. R..; ARANHA, P. R.A. Aspectos geomorfológicos de veredas: um ecossistema do bioma do cerrado, Brasil. In: Revista Brasileira de Geomorfologia (online), v.10, n.1, 2009, p.103-114. Disponível em: http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg/article/view/123/117. Acesso em 20 out.2015.

BAPTISTA, J. G. Nascentes de um rio. Teresina: Ed. do autor, 1971.

_____. Geografia Física do Piauí. Teresina: Secretaria de Cultura do Piauí, 1975.

_____. A origem do rio Parnaíba: uma tese. Teresina: EDUFPI, 1986.

BARBOSA, E. G. C. B. O Parnaíba: contribuição à história de sua navegação. Teresina: Fundação Cultural do Piauí-Projeto Petrônio Portela, 1986.

BOMFIM, L.F.C.; GOMES, R.A.D. Aquífero Urucuia – Geometria e espessura: ideias para discussão. Disponível em Acesso em 30 out.2015

BRASIL. MMA. Secretaria de Recursos Hídricos. Caderno da Região Hidrográfica Parnaíba. Brasília, nov. 2006. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/161/_publicacao/161_publicacao03032011023605.pdf. Acesso em 10.07.2015.

BRASIL/ANA -Agência Nacional das Águas. GEO Brasil - Recursos Hídricos. Brasília: ANA/PNUMA, 2007.

BRASIL/DNOCS. Perímetros irrigados no Piauí. [S/d]. Disponível em: http://www.dnocs.gov.br/~dnocs/doc/canais/perimetros_irrigados/pi.htm. Acesso em: 10.03.2016.

BRASIL/IBGE. Divisão Regional do Brasil em Mesorregiões e Microrregiões Geográficas, v. 1, p. 3. Resolução de 01/01/1990/Art. 2º da Resolução PR-51 do IBGE. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. Disponível em: http://www.iga.mg.gov.br/mapserv_iga/atlas/TutorialPDF/3-Mesorregi%C3%B5es%20e%20Microrregi% C3%B5es.pdf. Acesso em: 10 ago.2016.

BRASIL/IBAMA - Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Caderno da Região Hidrográfica do Parnaíba. Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Recursos Hídricos. Brasília: MMA, 2006.

BRASIL/MMA – Ministério do Meio Ambiente. Atlas do Corredor Ecológico da Região do Jalapão. Brasília: CMBIO, nov., 2013. Versão Digital. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/projetojalapao/images/stories/atlas/AtlasJica_2013_COMPLETO.pdf. Acesso em: 10 ago.2016.

BRASIL/SUDENE. Levantamento dos recursos naturais da bacia do rio Parnaíba nos estados do Piauí, Ceará e Maranhão. Recife: SERETE. V.6, 1975.

______. Presidência da República. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000.

GANDARA, G. S. Rio Parnaíba... Cidades-beira (1850-1950). Teresina: EDUFPI, 2010.

CASTRO, P. S. (Coord. Técnica). Recuperação e conservação de nascentes. Manual e Vídeo-curso. Viçosa-MG: CPT – Centro de Produções Técnicas, 2008.

LIMA, I. M. M. F. Relevo do Piauí: uma proposta de classificação. Carta CEPRO. Teresina. v.12 n.2, 1987, p. 55-84. 1987 [texto e mapas]. Disponível em: http://iracildefelima.webnode.com

_______. 2 fotografias color digitais. Sul do Estado do Piauí, 2002.

_______. Água: recurso natural finito. Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Piauí (SEMAR). Teresina, 2002. Disponível em: http://iracildefelima.webnode.com [Texto e mapa].

_______. Morfodinâmica e meio ambiente na porção centro-norte do Piauí, Brasil. 309f., 2013. Tese de Doutorado – Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências. Belo Horizonte, MG, 2013.

Disponível em: http://iracildefelima.webnode.com/tese-e-dissertacao/

_______. Elementos Naturais da Paisagem. In: ARAUJO, J. L.L. Atlas Escolar do Piauí. 2ª. Ed. João Pessoa: Grafset, 2016, p. 39-84.

_______.; ABREU, I. G.; LIMA, M. G. Semiárido piauiense: Delimitação e Regionalização. Teresina: Carta CEPRO, v. 18, p. 162-183, 2000.

Disponível em: http://iracildefelima.webnode.com/mapas/.

_______.; AUGUSTIN, Cristina H. R. R. Rio Parnaíba: dinâmica e morfologia do canal fluvial no trecho do médio curso. Revista Equador (UFPI), Vol. 4, Nº 3, (2015). Edição Especial XVI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Teresina-Piauí. p. 418 - 424. Disponível em: http://iracildefelima.webnode.com/sobre-piaui/

MEDEIROS, E. V. S.; ARAÚJO, F. A.; SOARES, C. B. (Org.). Relatório Técnico: Expedição Rio Parnaíba – Nascentes Urgente. Teresina: IBAMA, 2007.

MT - MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES/DNIT. Hidrovia do Parnaíba. São Luís: AHNOR (Administração das Hidrovias do Nordeste), 2014.

MMA - Ministério do Meio Ambiente/ICMBIO - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Atlas do Corredor Ecológico da Região do Jalapão. Versão digital. Nov. 2011. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/downloads/atlasjalapao.pdf. Acesso em: 10 nov.2016.

OLIVEIRA, F. M. Economia do Piauí. Teresina: Fundação Cultural Mons. Chaves, 2004.

PIAUÍ/SEMAR (Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos). Política Ambiental do Estado do Piaui. Teresina: Governo do Estado do Piauí, 2003.Disponível em: http://www.semar.pi.gov.br/missao.php. Acesso em: 10 out. 2016.

______. Plano Estadual de Recursos Hídricos: Relatório Síntese. Teresina: SEMAR, 2010.

QUEIROZ, T. J. M. A importância da borracha de maniçoba na economia do Piauí (1900-1920). Teresina: UFPI, 2012.

RELATÓRIO DA COMISSAO DE LIMITES. Ministério do Exército Brasileiro, 1924 [Doc. Arquivo Público do Piauí]. Acesso em 10 jul.2002.

SALLATI, E.; LEMOS, H. M.; SALATI, E. Água e o desenvolvimento sustentável. In: REBOUÇAS, A. C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J. G. Águas doces do Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Escrituras, 1999, p.39-64

TUNDISI. J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. São Paulo: RIMA, 2009.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão