Comportamento das vazões e transporte de sedimentos em um canal aberto artificial (Patrocínio/MG) para dois episódios chuvosos em 2016

Autores

  • Renato Emanuel Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Giliander Allan da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Jefferson Gomes Confesor Universidade Federal de Uberlândia
  • Silvio Carlos Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1841

Palavras-chave:

Curso fluvial natural e artificial. Hidrogeomorfologia. Energia do canal. Sedimento em suspensão

Resumo

 Pela abertura de canais artificiais em vertentes são alterados os escoamentos superficiais, difusos e/ou concentrados, o que resulta em influencias sobre os processos hidrogeomorfológicos responsáveis pela interface evolutiva da paisagem entre a água e as feições do relevo. É objetivo deste estudo, investigar como um canal aberto artificial, no município de Patrocínio (MG), se comporta para vazão e sedimentos ao longo de dois episódios pontuais de precipitação. Em busca de atender esse objetivo foram realizadas duas campanhas (uma com precipitação no período chuvoso e outra com precipitação isolada na estação seca) para obter dados de vazão e sedimentos suspensos no canal natural e na sua derivação artificial. Os resultados revelam que a existência de diques artificiais ao longo do canal artificial contribui para a desconexão desse com a vertente implicando em menores fluxos ao longo de sua calha.

Biografia do Autor

Renato Emanuel Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Giliander Allan da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Jefferson Gomes Confesor, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Silvio Carlos Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Doutor do Instituto de Geografia/ Universidade Federal de Uberlândia

Referências

ARAUJO, I. B.; LIMA, A. M. M.; SANTOS, C. A. Caracterização hidrogeomorfológica das paisagens componentes da bacia hidrográfica do rio Tapajós. Enciclopédia biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.11 n.22; p. 2015.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia Prática. Interciencia, Rio de Janeiro. 602 p. 2008.

CHOW, V. T. Open Channel Hydraulics McGraw-Hill. Book Company, Nova Iorque. 780 p, 1959.

CROCKE, J.; MOCKLER, S. Gully initiation and road-to-stream linkage in a forested catchment, southeastern Australia. Earth Surface Processes and Landforms, v. 26, p. 205–217, 2001.

CROCKE, J.; MOCKLER, S.; FOGARTY, P.; TAKKEN, I. Sediment concentration changes in runoff pathways from a forest road network and the resultant spatial pattern of catchment connectivity. Geomorphology, v. 68, n. 3–4, p. 257–268, 2005.

CUNHA, M.; THOMAZ, E. Análise da eficácia de caixas de contenção na redução de aporte de sedimento no rio das Pedras, Guarapuava-PR. Anais do 9° Simposio Nacional de Geomorfologia, Rio de Janeiro, 2012.

Disponível em: http://www.sinageo.org.br/2012/trabalhos/1/1-137-345.html. Acesso em: 09/02/2016.

FILHO, O. M.; BUCKUP, P. A. A poorly known case of watershed transposition between The são Francisco and upper Paraná River basins. Neotropical ichthyology, 3(3) 449 - 452, 2005.

GURNELL, A.M.; CORENBLIT, D.; GARCÍA DE JALÓN, D.; GONZÁLEZ DEL TÁNAGO, M. ; GRABOWSKI, R.C. O’HARE, M.T.; SZEWCZYK, M. A conceptual model of vegetation–hydrogeomorphology interactions within river corridors. River research and applications, 32: 142–163. 2016.

JANOCKO, M.; CARTIGNY, M.B.J.; NEMEC, W.; HANSEN, E.W.M. Turbidity current hydraulics and sediment deposition in erodible sinuous channels: Laboratory experiments and numerical simulations. Marine and Petroleum Geology, 222-249. 2013.

LENHART, C.F.; BROOKS, K.N.; HENELEY, D.; MAGNER, J.A. Spatial and temporal variation in suspended sediment, organic matter, and turbidity in a Minnesota prairie river: implications for TMDLs. Environ Monit Assess 165:435–447. 2010.

LORD, M. L.; DRU GERMANOSKI, D.; ALLMENDINGER, N. E. Fluvial geomorphology: Monitoring stream systems in response to a changing environment. Fluvial Geomorphology. The Geological Society of America, 36 p. 2009.

MAAS, S.; BROOKES, A. Fluvial geomorphology, FCERM Londres, 2009.

MAO, L.; CAVALLI, M.; COMITI, F. MARCHI, L. LENZI, M.A.; ARATTANO, M. Sediment transfer processes in two Alpine catchments of contrasting morphological settings. Journal of Hydrology, 364, 88–98, 2009.

MERTEN, G.H.; CAPEL. P.D. MINELLA, J.P.G. Effects of suspended sediment concentration and grain size on three optical turbidity sensors. J Soils Sediments, 14: 1235–1241. 2014.

MONTANHER, O. C.; SOUZA FILHO, E. E. Avaliação da alteração da concentração de sedimentos em suspensão em eventos de cheia do rio Paraná: o uso de imagens orbitais para avaliação de imapactos provocados pela barragem de Porto Primavera. Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. especial VIII SINAGEO, n. 2, Set. 2010.

NEVES, C.; CARDOSO, A. P. A experiência internacional com projetos de transposição de água – lições para a do rio São Francisco. XXIX Encontro Nacional de Egenharia de produção. Salvador. 2009.

O’HARE, M. T.; MOUNTFORD, J. O.; MAROTO, J.; GUNN, I. D. M. Plant traits relevant to fluvial geomorphology and hydrological interactions. River Res. Applic. 32: 179–189, 2016.

OLSON, P.L. City of wilkeson smp Update: channel migration assessment. Department of Ecology, Shorelands and Environmental assistance. 34 p. 2011.

POOLE, G. C. Stream hydrogeomorphology as a physical science basis for advances in stream ecology. J. N. Am. Benthol. Soc., v.29. 12–25. 2010.

SIDLE, R. C.; ONDA, Y. Hydrogeomorphology: overview of an emerging Science. Hydrological processes. 18, 597–602. 2004. Disponivel em: www.interscience.wiley.com. Acesso em: 09/02/2016.

SILVA, R. E. Disponibilidade e demanda hídrica a partir da análise ambiental da região do alto curso do rio Dourados em Patrocínio/MG. (Dissertação – Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2014.

SILVA, R. E.; RODRIGUES, S. C. Levantamento de estradas rurais e canais fluviais artificiais, em pequena bacia hidrográfica, e sua relação com o escoamento superficial. In: XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2015, Brasilia - DF. Trabalhos técnicos do XXI SBRH, 2015.

SOUZA, J. A.; RIBEIRO, E. Transposição do rio São Francisco e seus efeitos sobre o território. VII CBG, 2004.

TAROLLI, P.; SOFIA, G. Human topographic signatures and derived geomorphic processes across landscapes. Geomorphology, v. 255, p. 140–161, 2016.

THORP, J. H. The Riverine Ecosystem Synthesis Toward Conceptual Cohesiveness in River Science. Elsevier Inc. Amsterdam. 233 p. 2009.

ZONG, L.; NEPF, H. Flow and deposition in and around a finite patch of vegetation. Geomorphology, v. 116, 363–372, 2010.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão