Análise da vazão no Córrego da Estiva sob influencia de canais derivados multifuncionais

Autores

  • Renato Emanuel Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Vinicius de Oliveira Maruschi Universidade Federal de Uberlândia
  • Silvio Carlos Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1843

Palavras-chave:

Curso fluvial natural e artificial. Hidrogeomorfologia. Vazão mínima. Serviço ecossistêmico

Resumo

Os sistemas de drenagem de bacias hidrográficas, com canais de pequena ordem, podem sofrer alterações a partir de obras para transposição de água. São aos casos de construção de regos d’água, a partir de açudes, que desviam parte ou totalidade da água para áreas de consumo, sendo importante conhecer como se dão tais processos e os impactos que representam. Logo é objetivo deste estudo, investigar como canais abertos artificiais, alteram a dinâmica hidrológica de uma bacia hidrográfica no bioma cerrado. Para tanto foram realizadas 12 atividades de campo que permitiram a obtenção das vazões nos cursos naturais e artificiais afim de revelar os impactos sofridos por estes sistemas de drenagem. Ao longo do estudo, tornou-se evidente que o período da seca apresenta comprometimento da vazão em ao menos dois trechos dos canais naturais em favor do atendimento das derivações multifuncionais. Resultados que implicam na necessidade de correções na maneira como esta cultura de transposição é gerida. 

Biografia do Autor

Renato Emanuel Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno Programa de Pós-graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia

Vinicius de Oliveira Maruschi, Universidade Federal de Uberlândia

Aluno de graduação em Geografia/Universidade Federal de Uberlândia,

Silvio Carlos Rodrigues, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Doutor do Instituto de Geografia/ Universidade Federal de Uberlândia

Referências

Belletti, B. et al, Characterising physical habitats and fluvial hydromorphology: A new system for the survey and classification of river geomorphic units. Geomorphology Volume 283, 15 April 2017, Pages 143–157

Benetti, A.D, Lanna, E., e Cobalchini, M. S. Metodologias para Determinação de Vazões Ecológicas em Rios BRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 8 n.2 Abr/Jun 2003, 149–160

COMITI, F. How natural are Alpine mountain rivers? Evidence from the Italian Alps. Earth Surface Processes And Landforms, p. 1 – 15, 2011

CROCKE, J.; MOCKLER, S. Gully initiation and road-to-stream linkage in a forested catchment, southeastern Australia. Earth Surface Processes and Landforms, v. 26, p. 205–217, 2001.

CROCKE, J.; MOCKLER, S.; FOGARTY, P.; TAKKEN, I. Sediment concentration changes in runoff pathways from a forest road network and the resultant spatial pattern of catchment connectivity. Geomorphology, v. 68, n. 3–4, p. 257–268, 2005.

FILHO, O. M.; BUCKUP, P. A. A poorly known case of watershed transposition between The são Francisco and upper Paraná River basins. Neotropical ichthyology, 3(3) 449 - 452, 2005.

Lei 9.433, de 8 de Janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9433.htm Acesso em: 15 de set. 2013

LEIBUNDGUT, C. ; KOHN, I. European traditional irrigation in transition part i: irrigation in times past—a historic land use practice across Europe. Irrig. and Drain. 63 p. 273–293, 2014

LEIBUNDGUT C. Die Wässermatten des Oberaargaus. Jahrbuch des Oberaargau 13: 163–186. Jahrbuch-Vereinigung Oberaargau: Herzogenbuchsee. 13: 163–186, 1970

LEIBUNDGUT C. Wiesenbewässerungs systeme im Langetental—6 Kartenblätter mit Erläuterungen. Geographica Bernensia 41, 1993

MAAS, S.; BROOKES, A. Fluvial geomorphology, FCERM Londres, 2009.

NEVES, C.; CARDOSO, A. P. A experiência internacional com projetos de transposição de água – lições para a do rio São Francisco. XXIX Encontro Nacional de Egenharia de produção. Salvador. 2009.

POOLE, G. C. Stream hydrogeomorphology as a physical science basis for advances in stream ecology. J. N. Am. Benthol. Soc., v.29. 12–25. 2010.

ROBINSON, M. Impact of improved land drainage on river flows. Institute of Hydrology. Wallingford. p. 233, 1990.

SIDLE, R. C.; ONDA, Y. Hydrogeomorphology: overview of an emerging Science. Hydrological processes. 18, 597–602. 2004. Disponivel em: www.interscience.wiley.com. Acesso em: 09/02/2016.

SILVA, A. M.; SCHULZ, H.E; CAMARGO, P.B. Erosão e Hidrossedimentologia em bacias hidrográficas. São Carlos, 2007. 2ª edição.

SILVA, R. E. Disponibilidade e demanda hídrica a partir da análise ambiental da região do alto curso do rio Dourados em Patrocínio (mg). Uberlândia: UFU, 2014. (Dissertação de Mestrado)

SOUZA, J. A.; RIBEIRO, E. Transposição do rio São Francisco e seus efeitos sobre o território. VII CBG, 2004.

THORP, J. H. The Riverine Ecosystem Synthesis Toward Conceptual Cohesiveness in River Science. Elsevier Inc. Amsterdam. 233 p. 2009.

TAROLI, P.; SOFIA, G. Human topographic signatures and derived geomorphic processes across landscapes. Geomorphology, v. 255, p. 140–161, 2016.

TUCCI, C.E.M.; MENDES, C.A. Curso de Avaliação Ambiental Integrada de Bacia. Brasília – DF: RHAMA. 2006 Rocha e Tommaselli, 2012).

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão