Análise do comportamento hidrológico da bacia Córrego Sujo, Teresópolis (RJ)

Autores

  • Paula Coelho Araujo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Suelen Oliveira Alpino Rodrigues Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Vítor dos Santos Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • André de Souza Avelar Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1844

Palavras-chave:

Fluviometria. Cota-vazão. Curva-chave. Gestão hídrica

Resumo

Sabe-se que atividades humanas interferem no ciclo hidrológico, causando a degradação qualitativa e reduzindo as potencialidades hídricas. Este trabalho objetiva entender o comportamento da vazão e determinar a curva chave da bacia do Córrego Sujo. Para tal, foi realizado o monitoramento fluviométrico (vazão e altura linimétrica) no baixo, médio e alto curso da bacia e a mensuração da precipitação. Foram gerados gráficos que mostram a relação entre a precipitação e cota linimétrica e as curvas-chaves das estações monitoradas. Os resultados apontaram que entre os meses de maio a setembro os canais fluviais atuam no fluxo de base, necessitando de políticas de planejamento, uma vez que já existem conflitos entre os agricultores pelo uso da água. Todavia, a estação Médio Curso mostrou-se a mais ajustada, ou seja, a que apresentou um coeficiente de correlação elevado na relação cota-vazão, gerando confiabilidade para futuras extrapolações da curva.

Biografia do Autor

Paula Coelho Araujo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências/ Universidade Federal do Rio de Janeiro

Suelen Oliveira Alpino Rodrigues, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências/ Universidade Federal do Rio de Janeiro

Vítor dos Santos Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências/ Universidade Federal do Rio de Janeiro

André de Souza Avelar, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências/ Universidade Federal do Rio de Janeiro

Referências

ALLAN, David. Stream Ecology: Structure and function of running waters. London: Chapman & Hall, 1995.

ALPINO RODRIGUES, S. O.; BRUM, L. B. ; ARAUJO, P. C. ; COSTA, V. S. ; AVELAR, A. S . Efeito da dragagem na seção e na vazão do canal fluvial: bacia do Córrego Sujo, Teresópolis (RJ). In: 9º SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia, 2012, Rio de Janeiro.

BRASIL. Normas Climatológicas: 1961-1990. Brasília: MARA/ SNI/ INMET, 2009. 84 p.

BRUM, L. B. O Uso da Água pela Agricultura Irrigada na Região Serrana do Rio de Janeiro: Bacia do Córrego Sujo – Teresópolis. Dissertação de Mestrado em Geografia. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.

CUNHA, S. B. Impactos das obras de engenharia sobre o ambiente biofísico da bacia do Rio São João (Rio de Janeiro Brasil). Rio de Janeiro, 415 p, 1995.

DANTAS, M. E. Mapa Geomorfológico. Projeto Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CPRM, 2000. CD-ROM.

DERISIO, J. C. Introdução ao controle de poluição ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2012. 223p.

DUNNE, T.; LEOPOLD, L.B. Water in the environmental planning. São Francisco, W. H. Freeman and Company, 1978.

MAGALHÃES Jr., A. P. A situação do monitoramento das águas no Brasil – Instituições e Iniciativas.Revista Brasileira de Recursos Hídricos, Porto Alegre, vol.5, n. 3, p. 113-115, jul./set. 2000.

SANTOS, I. et al. Hidrometria Aplicada. Curitiba: Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento, 2001.

WOLMAN, M. G. E MILLER, J. C. Magnitude and frequency of forces in geomorphic processes. Journal Geology, 68:54-78, 1960.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão