Revisitando o conceito de bacia hidrográfica como unidade de planejamento e gestão e a governança das águas

Autores

  • Angelo José Rodrigues Lima Universidade Estadual de Campinas
  • Jonas Teixeira Nery Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1846

Palavras-chave:

Rios. Gestão. Bacia Hidrográfica. Governança

Resumo

O presente trabalho tem a intenção de revisitar o conceito da bacia hidrográfica como unidade de planejamento e a partir disso entender se existem interfaces existem entre a bacia hidrográfica e governança.  Ele foi elaborado através de uma revisão e análise dos conceitos de bacia hidrográfica como unidade de planejamento, dos conceitos de governança e governança das águas e foi a partir destas revisões que foi possível chegar à algumas conclusões. A revisita ao conceito é para tentar entender em que momentos a governança deve ser comprendida para que os objetivos da gestão dos recursos hídricos sejam alcançados. O que é governança? Qual é a origem do termo? Existe uma definição de governança das águas? Ao refletir sobre a bacia hidrográfica se constituir como um espaço de planejamento e de gestão – não somente dos recursos hídricos, mas também de suas interações ambientais, em que se procura compatibilizar as múltiplas interações culturais, econômicas e sociais da região – passa também a buscar o desafio de trabalhar a questão da governança. Os resultados desse trabalho podem fornecer subsídios para entender quais são os desafios para que bacia hidrográfica seja a unidade de planejamento.

Biografia do Autor

Angelo José Rodrigues Lima, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando, Departamento de Geografia, Insituto de Geociências

Jonas Teixeira Nery, Universidade Estadual de Campinas

Professor Colaborador, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências

Referências

ANA. O Comitê de Bacia Hidrográfica: o que é e o que faz? Brasília: ANA, 2011. Disponível em: <http://arquivos.ana.gov.br/institucional/sge/CEDOC/Catalogo/2012/CadernosDeCapacitacao1.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2016.

BARBOSA, F. A. R.; PAULA, J. A. & MONTE-MÓR, R. L. M. A Bacia Hidrográfica como Unidade de Análise e Realidade de Integração Disciplinar. In: BARBIERI, A. F. et. al. Biodiversidade, População e Economia: uma região de Mata Atlântica. Belo Horizonte: CEDEPLAR/ECMVS/UFMG, 1997.

BARROS, A.B. Organismos de bacias hidrográficas: problemas e soluções. Anais do Workshop Organismos de Bacias Hidrográficas - Planágua/Semads/SERHi-RJ. Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2002.

BRASIL. Decreto nº 24643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código das Águas. Coleção de Leis do Brasil. Rio de Janeiro, 27 jul. 1934. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d24643.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.

BRASIL. Lei nº 6662, de 25 de junho de 1979. Dispões sobre a política nacional de irrigação e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 jun. 1979. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6662.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF, 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 15 ago. 2016.

BRASIL. Lei n 9433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 9 jan. 1997. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=370>. Acesso em: 15 ago. 2016.

CASTELLS, M.; BORJA, J. As cidades como atores políticos. Novos Estudos, n. 45, p. 152-166, 1996.

CASTRO, F. V. F.; ALVARENGA, L. J.; MAGALHÃES JUNIOR, A. P. A Política Nacional de Recursos Hídricos e a gestão de conflitos em uma nova territorialidade. Belo Horizonte, v. 01, n. 1, p. 37-50, jul./dez. 2005

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Edgar Blücher ltda, 1999.

CHRISTOFOLETTI, Antonio. O canal fluvial. In:____. Geomorfologia Fluvial. 1. ed. v. 1. São Paulo: Edgard Blücher, 1974. ________. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980

COSTA, G. M.; COSTA, H. S. M. Novas e velhas diferenças: desafios à gestão metropolitan do Vale do Aço. In: Encontro Nacional De Estudos Populacionais, Caxambu, p. 1-21, 2000.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação Ambiental. In.: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

DINIZ, E. Governabilidade, governance e reforma do Estado: considerações sobre o novo paradigma. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 2, Brasília, mai./ago. 1996.

DINIZ, E. Crise, Reforma do Estado e Governabilidade: Brasil, 1985-95. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1997.

ESPÍNDOLA, E. L. G.; SILVA, J. S. V.; MARINELLI, C. E.; ABDON, M. M. A. Bacia Hidrográfica do Rio Monjolinho: uma abordagem ecossistêmica e a visão interdisciplinar. São Carlos: Rima Editora, 2000.

FILHO, Archimedes Peres. Sistemas Naturais e Geografia –– artigo no Livro Panorama da Geografia Brasileira – Volume 1 Por José Borzachiello da Silva,Luiz Cruz Lima,Denise Elias,Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia; Annablume Editora, 2006.

GARJULLI, R. Experiência de gestão participativa: O caso do Ceará. In: FLECHA, R.; BRUNO, G. (Org.). Experiências de gestão de recursos hídricos. Brasília: MMA/ANA, 2001.

GARJULLI, R. Os recursos hídricos no semiárido. Ciência e Cultura, n. 4, ano 55 p. 38-39, out/dez. 2003.

GLOBAL WATER PARTNERSHIP TECHNICAL COMMITTEE. Water Governance Indicators. Disponível em:

<http://www.pacific-iwrm.org/rtag/RTAG%202/RTAG%202%20Meeting%20Documents/09-RTAG-2-Governance-Indicators.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2016.

GOMIDES, J. E.; SILVA, A. C. O surgimento da expressão “governance”, governança e governança ambiental. Revista de Ciências Gerenciais, v. XIII, n. 18, p. 177-194, 2009.

GUERRA, A. J. T. Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE. 1987.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia e meio ambiente – 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

HALL, A. D.; FAGEN, R. E. Definition of Systems. General Systems Yearbook, 1946, nº 1, p. 18-26.

LIMA, A. J. R.; ABRUCIO, F. L. S., BEZERRA, F. C. Governança dos recursos hídricos: proposta de indicadores para acompanhar sua implementação. São Paulo: WWF – Brasil, FGV, 2014

MAGALHÃES JR, A. P. Indicadores ambientais e recursos hídricos - realidade e perspectivas para o Brasil a partir da experiência francesa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

NASCIMENTO. W. M.; VILAÇA, M. G. Bacias Hidrográficas: Planejamento e Gerenciamento. Revista eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, n. 7, p. 102-121, 2008.

OMM. Conferência internacional sobre água e meio ambiente: o desenvolvimento na perspectiva do século 21. Declaração de Dublin e Relatório da Conferência internacional sobre água e meio ambiente, Dublin, Irlanda. 26 a 31 de janeiro de 1992.

OECD. Governança dos Recursos Hídricos no Brasil. Paris: OECD Publishing, 2015.

QUEBÉC. Water. Our Life. Our Future. Quebec: Québec Water Policy, 2002.

RIO, G. A. P.; MOURA, V. P.. Dimensões territoriais de regulação dos recursos hídricos no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, [s.d.].

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão