Alterações do uso da terra na ponta da praia e no pontal da trincheira, município de Ilha Comprida (SP), entre os cenários de 1972 e de 2012

Autores

  • Tissiana de Almeida Souza Universidade Estadual Paulista - Campus Rio Claro
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1854

Palavras-chave:

Uso da terra. Unidades de conservação. Litoral

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as alterações de uso da terra ocorridas no Pontal da Trincheira e na Ponta da Praia, situados, respectivamente nas extremidades Sudoeste e Nordeste do município de Ilha Comprida, através da interpretação das cartas de uso da terra elaboradas na escala original 1:10.000 para os cenários de 1972 e de 2012. A seleção destes dois setores é justificada pela sobreposição de Unidades de Conservação da Natureza, e pela ocorrência de duas situações distintas relacionadas aos zoneamentos determinados para estas áreas. Como resultado, observa-se que a Ponta da Praia apresenta uma intervenção antrópica e uma densidade demográfica superior àquela encontrada no Pontal da Trincheira. A sobreposição de três Unidades de Conservação na extremidade Nordeste da Ilha também gera dúvidas com relação ao uso da terra que é permitido na área. 

Biografia do Autor

Tissiana de Almeida Souza, Universidade Estadual Paulista - Campus Rio Claro

Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento/IGCE

Regina Célia de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências / Departamento de Geografia

Referências

AFONSO, C. M. Uso e ocupação do solo na zona costeira do estado de São Paulo: uma análise ambiental. São Paulo: Annablume/FAPESP, 1999.

ANDERSON, J. R. et al. Sistema de classificação do uso da terra e do revestimento do solo para utilização com dados de sensoriamento remoto. Rio de Janeiro: IBGE, 1979.

BRASIL. Decreto n° 90.347 (1984). Lex: dispõe sobre a implantação da Área de Proteção Ambiental nos municípios de Cananeia, Iguape, e Peruíbe, no Estado de São Paulo, e dá outras providências. Brasil, 1984.

BRASIL. Lei nº 10.257 (2001). Lex: regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2001.

CARVALHO, M. C. P. Histórias da ilha: temporalidade e apropriação do espaço na Ilha Comprida. 1999. 199 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FARINACCIO, A. Impactos da dinâmica costeira decorrentes das intervenções em praias arenosas e canais estuarinos das áreas densamente ocupadas no litoral de São Paulo, uma aplicação do conhecimento a áreas não ocupadas. 2008. 229 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Instituto de Oceanografia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

GEOBRÁS S/A. Complexo Valo Grande, Mar Pequeno e Rio Ribeira de Iguape. Relatório GEOBRÁS S/A. São Paulo: Engenharia e Fundações para o Serviço do Vale do Ribeira do Departamento de Águas e Energia Elétrica. 2 volumes. 1966.

HENRIQUE, W; MENDES, I. A. Zoneamento ambiental em áreas costeiras: uma abordagem geomorfológica. In: GERARDI, L. H.; MENDES, I. A. (Org.). Teoria, técnicas, espaços e atividades: temas de geografia contemporânea. Rio Claro: Programa de Pós-Graduação em Geografia/Associação de Geografia Teorética – AGETEO, 2001. cap. 9.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Subaúma. Rio de Janeiro: IBGE, 1973. 1 mapa. Escala 1:50.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Ilha de Cananeia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 1 mapa. Escala 1:50.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cananéia. Rio de Janeiro: IBGE, 1983. 1 mapa. Escala 1:50.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Iguape. Rio de Janeiro: IBGE, 1986. 1 mapa. Escala 1:50.000.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sinopse do Censo Demográfico 2010. Disponível em: < http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php> Acesso em: 06 Set. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IGBE). Base Cartográfica do Brasil ao Milionésimo. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Escala 1:1.000.000. Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapeamento_sistematico/base_continua_ao_milionesimo/>. Acesso em: 05 mar. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades @. Disponível em <http://cidades.ibge.gov.br/v3/cidades/home-cidades> Acesso em: 22 Jan. 2017.

PREFEITURA DA ESTÂNCIA BALNEÁRIA DA ILHA COMPRIDA. Lei Orgânica do Município. Disponível em: <http://www.camarailhacomprida.sp.gov.br/lei-organica/>. Acesso em 20 Jan. 2017.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto Estadual n° 28.881 (1987). Lex: declara Área de Proteção Ambiental todo o território da Ilha Comprida. São Paulo, 1987.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto Estadual nº 28.295 (1988). Lex: suspende o licenciamento e a aprovação de parcelamento de solo na Área de Proteção Ambiental da Ilha Comprida. São Paulo, 1988.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto Estadual n° 30.817 (1989). Lex: regulamenta a Área de Proteção Ambiental da Ilha Comprida criada pelo Decreto nº 26.881, de 11 de março de 1987, declara a mesma APA como de Interesse Especial e cria, em seu território, Reservas Ecológicas e Áreas de Relevante Interesse Ecológico. São Paulo, 1989.

SÃO PAULO (ESTADO). APAS – Áreas de Proteção Ambiental: Território de Planejamento e Gestão Participativa. São Paulo: SMA, 2004.

SOUZA, T. A; OLIVEIRA, R. C. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista Geonorte, Manaus, v. 2, n. 4, p.1348-1355, 2012.

SOUZA, T. A.; OLIVEIRA, R. C. O uso do sistema de informação geográfica aplicado à análise da erosão e da progradação costeira – a extremidade

Nordeste da Ilha Comprida (São Paulo – Brasil) como estudo de caso. In: SIMPOSIO LATINOAMERICANO DE GEOGRAFÍA FÍSICA, SIMPOSIO IBEROAMERICANO DE GEOGRAFÍA FÍSICA, 8, 4., 2014, Santiago. Anales... Santiago: Facultad de Arquitectura y Urbanismo/Universidad de Chile, 2014. p. 382-391.

SOUZA, T. A.; OLIVEIRA, R. C. Modificações do uso da terra em paisagens costeiras: a Ilha Comprida (SP) como estudo de caso. Geographia Meridionalis, Pelotas, v. 2, n. 1, p.84-108, 2016.

SOUZA, T. A. Dinâmica geomorfológica e alterações antrópicas da Ilha Comprida. 2014. 195 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

TESSLER, M. G. et al. Evolução temporal e espacial da desembocadura lagunar de Cananeia (SP). Boletim do Instituto Oceanográfico, São Paulo, v. 38, n. 1, p.23-29, 1990.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental