Evolução do desmatamento e implicações ao uso e ocupação dos solos no entorno de unidades de conservação da Amazônia - o caso da floresta nacional do Jamari/RO

Autores

  • Vanderlei Maniesi Universidade Federal de Rondônia
  • Fabiana Barbosa Gomes Universidade Federal de Rondônia
  • Alexis de Sousa Bastos Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1856

Palavras-chave:

Uso e ocupação dos solos. Unidades de conservação. Desmatamento

Resumo

Compreender as relações de uso e ocupação dos solos na Amazônia, principalmente relativas ao meio físico regional, faz-se importante para subsidiar a elaboração de políticas públicas a fim evitar a repetição de problemas sociais, econômicos e ambientais ocorridos no passado. Este trabalho teve como objetivo compreender a dinâmica da antropização da Floresta Nacional do Jamari e seu entorno entre 1984 e 2013 a partir da avaliação espacial e multitemporal e implicações à ocupação e uso dos solos. Foram empregados sensores remotos para o acompanhamento multitemporal relativo aos índices de desmatamentos, bem como análise visual, classificação supervisionada e pós classificação para interpretação das imagens. Os resultados mostram significativos desmatamentos em diferentes momentos da geo-história regional, além da importância da existência de unidades de conservação na contenção do desmatamento e a necessidade de se avançar em políticas mais robustas para que as zonas de amortecimento cumpram sua efetiva função.

Biografia do Autor

Vanderlei Maniesi, Universidade Federal de Rondônia

Departamento de Geografia

Fabiana Barbosa Gomes, Universidade Federal de Rondônia

Centro de Estudos Rioterra, Departamento de Geografia

Alexis de Sousa Bastos, Universidade Federal de Rondônia

Centro de Estudos Rioterra, Departamento de Geografia

Referências

ALMEIDA SILVA, A.; BASTOS, F.; BASTOS, A.S.; GOMES, F.B. Análise socioeconômica do entorno da área de concessão pública UMF III na Floresta Nacional do Jamari. Porto Velho, Centro de Estudos Rioterra, 2009.

ALVES, D.S.; KALIL, E.M.; MOREIRA, J.C.; ORTIZ, J.O. SOARES, J.V.; FERNANDEZ, O.; ALMEIDA, S. Characterizing land use dynamics in Amazon using multi-temporal imagery and segmentation techniques. In: International Archives of Photogrammetry and Remote Sensing, 31 (B7), 1996.

ADAMY, A. Estudos das formas de relevo. In: Atlas Geoambiental de Rondônia. Porto Velho: SEDAM, 2002.

BASTOS, A. Zonas de aptidão agrícola como subsídio ao ordenamento territorial no entorno de unidades de conservação da Amazônia: o caso da Floresta Nacional do Jamari/RO. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná/UFPR, 256 p., 2015.

BASTOS, A.S; MANIESI, V.; GOMES, F.B. Vulnerabilidade natural à erosão no Sudoeste da Amazônia associada aos seus modos de ocupação? O caso do entorno da Terra Indígena Uru Eu Wau Wau. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.16, p. 271-282, 2015.

BASTOS, A.S; MANIESI, V.; GOMES, F.B. Ordenamento territorial na Amazônia: implicações físicas e químicas como fatores limitantes ao uso e ocupação dos solos. Saarbrücken, Alemanha. Novas Edições Acadêmicas, 2016.

BECKER, B. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro, Garamound, 2007.

BECKER, B. Novas territorialidades na Amazônia: desafio às políticas públicas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi de Ciências Humanas, 5 (1), p.17-23, 2010.

BRASIL. Decreto nº 90.224 de 25 de setembro de 1984. Cria a Floresta Nacional do Jamari, no Estado de Rondônia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1984. Disponível em: <http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=105812&norma=128982>. Acesso em: 08 ago. 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 9.985/2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, 2000.

BRASIL – Ministério do Meio Ambiente. Plano de manejo da Floresta Nacional do Jamari. Brasília, IBAMA, 2005.

BRASIL. Lei nº 12.651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a Proteção da vegetação nativa e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 01 fev. 2017.

BRASIL – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil. Brasília, 2014.168p.

BRASIL. Intentended nationally determined contribution. Towards achieving the objective of the United Nations framework convention on climate change. Paris, 2015. Disponível em:

< http://unfccc.int/focus/indc_portal/items/8766.php >. Acesso em: 06 fev. 2017.

CAMARGO, E.C.G.; FUCKS, S.D.; CÂMARA, G. Análise espacial de superfícies. In: Análise espacial de dados geográficos. Druck, S.; Carvalho, M.S.; Câmara, G.; Monteiro, A.V.M. (eds.). Brasília, Embrapa, 2004.

CREPANI, E.; DUARTE, V.; SHIMABUKURO, Y.E.; FIDALGO, E.C.C. Sensoriamento remoto e geoprocessamento no mapeamento regional da cobertura e uso atual da terra. Geografia, 27(1), p.119-135, 2002.

FEARNSIDE, P.M. Mudanças climáticas globais e a floresta Amazônica. In: Biologia e as mudanças climáticas globais no Brasil. Buckeridge, M.S. (ed.). São Paulo, RiMa Editora, p.131-150, 2008.

FEARNSIDE, P.M. Estoques e fluxos de carbono na Amazônia como recursos naturais para geração de serviços ambientais. In: Buenafuente, S.M.F. Amazônia: dinâmica do carbono e impactos socioeconômicos e ambientais. Boa Vista/RR: Editora da Universidade Federal de Roraima, p.27-56, 2010.

FLORENZANO, T.G. Imagens de satélite para estudos ambientais. São Paulo, Oficina de Textos, 2002.

FORTUNA, A. Caracterização dos trópicos úmidos brasileiros. In: Hébette, J. (coord). Natureza, tecnologia e sociedades. Belém: NAEA, p.7-13, 1988.

GAMA, M.J. Clima. In: Atlas geoambiental de Rondônia. Porto Velho, SEDAM, 2002.

INPE - INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Projeto PRODES de monitoramento da floresta amazônica brasileira por satélite. Taxas anuais 2004-2016, 2016. Disponível em: < http://www.obt.inpe.br/prodes/index.php>. Acesso em: 05 fev. 2017.

KOHLHEPP, G. Conflitos de interesse no ordenametno territorial da Amazônia brasileira. Estudos Avançados, 16 (45), p.37-61, 2002.

OLIVEIRA, H.N.B. Segmentação e classificação de imagens Landsat. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná/UFPR, 1999.

ORTIZ, J.L.; FREITAS, M.I.C. Mapeamento do uso da terra, vegetação e impactos ambientais por meio de sensoriamento remoto e geoprocessamento. Geociências, 23 (1), p.91-104, 2005.

PAL, N.R.; PAL, S.K. A review on image segmentation techniques. Pattern Recognition, 26 (9), p.1277-1294, 1993.

PASSO, D.P.; BIAS, E.S.; BRITES, R.S.; COSTA, G.A.O.P. Uso do sistema interimage para identificação de alvos urbanos em imagens de satélite worldview II. Revista Brasileira de Cartografia, 65 (6), p.1211-1221, 2013.

PERROTA, M.M. Registro de imagens com relação ao mosaico geocover 2000. Divisão de Sensoriamento Remoto-CPRM, 2005.

PIRES, F.R.M. Arcabouço geológico. In: Geomorfologia do Brasil. Cunha, S.B.C.; Guerra, A.J.T. (orgs.), 5.ed., Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, p.17-69, 2009.

QUADROS, M.L.E.S. Contexto geológico. In: Geodiversidade do estado de Rondônia. Adamy, A. (org.), Porto Velho, CPRM, 2010.

QUADROS, M.L.E.S.; PALMEIRA, L.C.M.; CASTRO, C.C. Geologia e recursos minerais da folha rio Machado (SC.20-X-C). Escala 1:250.000. Porto Velho: CPRM, 2011.

RADAMBRASIL. Levantamento de recursos naturais. Projeto RADAMBRASIL, Folha SC.20 – Porto Velho. DNPM, 1978.

RONDÔNIA. SEPLAD/PLANAFLORO/PNUD.BRA/00/004. As unidades de conservação de Rondônia. 2.ed., Porto Velho, 2002.

RONDÔNIA. Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão. Produto interno bruto (PIB) do estado de Rondônia 2002-2012. Porto Velho, 2014. Disponível em: <http://www.seplan.ro.gov.br/Uploads/Arquivos/PDF/PIBRondonia/PRODUTO%20INTERNO%20BRUTO%202012-.pdf >. Acesso em: 05 fev. 2017.

SAATCHI, S.S.; HOUGHTON, R.A.; SANTOS AVALA, R.C.; SOARES, J.V.; YU, Y. Spatial distribution of aboveground live biomass in amazon basin. Global Change Biology. 13, p. 816-837, 2007.

SANTOS, H.G.; HOCHMÜLLER, D.P.; CAVALCANTI, A.C.; RÊGO, R.S.; KER, J.C.; PANOSO, L.A.; AMARAL, J.A.M. Procedimentos normativos de levantamentos pedológicos. Brasília: Embrapa – SPI, 1995.

SCANDOLARA, J.E.; RIZZOTO, G.J.; AMORIM, J.L.; BAHIA, R.C.B.; QUADROS, M. L.; SILVA, C.S. Mapa geológico de Rondônia na escala de 1:1.000.000, CPRM, Porto Velho, RO, 1999.

SCHNEIDER, R.R.; ARIMA, E.; VERÍSSIMO, A.; BARRETO, P.; SOUZA Jr. C. Amazônia sustentável: limites e oportunidades para o desenvolvimento rural. Belém: Imazon, 2000.

SHIMABUKURO, Y.E.; DUARTE, V.; SANTOS, J.R.; MELLO, E.M.K.; MOREIRA, J.C. Levantamento de áreas desflorestadas na Amazônia através de processamento digital de imagens orbitais. Floresta & Ambiente, 6 (1), p.38-44, 1999.

SILVA, R.B.; VINHA, E. Vegetação: biodiversidade de espécies florestais. In: Atlas Geoambiental de Rondônia. Porto Velho, SEDAM, 2002.

SMIATEK, G. Sampling Thematic Mapper Imagery for Land Use Data. Remote Sensing of Environment , 52, p.116-121, 2005.

SOJA, E.W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental