Vulnerabilidade socioambiental urbana pela ótica da relação homem-natureza

Autores

  • Maria Júlia Veiga da Silva Universidade Estadual Paulista
  • Roberto Braga Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1859

Palavras-chave:

Natureza. Sociedade. Trabalho. Produção social do espaço. Vulnerabilidade socioambiental urbana

Resumo

O presente artigo é uma produção teórica que procura tecer considerações sobre a relação homem-natureza no contexto da problemática ambiental tomando como conceitos norteadores da discussão a vulnerabilidade socioambiental e a produção social do espaço. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é resgatar algumas contribuições teóricas em torno da problemática ambiental, especialmente da vulnerabilidade socioambiental, que leva em consideração a relação-homem natureza no processo de produção social do espaço. Como é um trabalho teórico teve como método de coleta de informações apenas levantamento e análise biliográfica. Ao final da construção teórica concluiu-se que é significativa a importância da relação estabelecida entre os seres humanos e os elementos da natureza, mediada pelo trabalho, para se compreender os níveis de vulnerabilidade socioambiental no contexto da estrutura espacial socialmente produzida. Há também significativa produção teórica que resgata discussões que compõem a epistemologia da geografia ao longo de sua história como ciência. 

Biografia do Autor

Maria Júlia Veiga da Silva, Universidade Estadual Paulista

Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Roberto Braga, Universidade Estadual Paulista

Programa de Pós-graduação em Geografia/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Referências

ACSELRAD, H. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. Comunicação ao II Encontro de produtores de informações sociais, econômicas e territoriais. FIBGE, Rio de Janeiro, 24/08/2006.

BIRKMANN, J. Measuring vulnerability to promote disaster-resilient societies: conceptual frameworks and definitions. In: BIRKMANN, J (ed.) Measuring vulnerability to natural hazards: towards disaster resilient societies. New Deli, India: Teri Press, 2006.

CUTTER, S. L.; BORUFF, B. J.; SHIRLEY, W. L. Social Vulnerability to Environmental Hazards. Social science quarterly, volume 84, number 2, june, 2003.

HARVEY, D. Espaços de esperança. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

______. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005b.

HERCULANO, S. Riscos e desigualdade social: a temática da Justiça Ambiental e sua construção no Brasil. In: I ENCONTRO DA ANPPAS, 2002, Indaiatuba/SP. Anais. Indaiatuba: ANPPAS, 2002.

LACOSTE, Y. A geografia, isso serve em primeiro lugar, para fazer a guerra. 19ª edição. São Paulo: Papirus, 2012.

MARANDOLA JR., E; HOGAN, D. J. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em perspectiva, v. 20, n. 1, p. 33-43, jan./mar., 2006.

MENDONÇA, F. de A. & LEITÃO, S. A. M. Riscos e vulnerabilidade socioambiental urbana: uma perspectiva a partir dos recursos hídricos. Geotextos, vol. 4, n. 1 e 2, 2008 (p. 145-167).

MENDONÇA. F. Geografia socioambiental. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Orgs.). Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. 1ª edição revisada. Curitiba: Editora da UFPR, 2009. (p. 121 a 144).

MOREIRA, R. Marxismo e geografia: a geograficidade e o diálogo das ontologias. In: Geographie. Ano 6. Nº 11, 2004. (p. 21 a 37).

______. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

PORTO GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. 5ª edição. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2013.

RODRIGUES, A. M. A matriz discursiva sobre “meio ambiente”: produção do espaço urbano – agentes, escalas, conflitos. In: CARLOS, A. F. A; SOUZA, M. L. de;

SPOSITO, M. E. B. (Orgs.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Ed. Contexto, 2011. (p. 207 a 230).

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável. 4ª edição. Reimpressão. Fortaleza: Expressão gráfica e editora, 2016.

______. Por uma geografia nova. São Paulo: EDUSP, 2004. (Coleção Milton Santos; 2).

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

SUERTEGARAY, D. M. A. Geografia física (?) geografia ambiental (?) ou geografia e ambiente. In: MENDONÇA, F.; KOZEL, S. (Orgs.). Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. 1ª edição revisada. Curitiba: Editora da UFPR, 2009. (p. 111 a 120).

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental