Incompatibilidade legal de uso do solo na zona de amortecimento do Parque Estadual do Espinilho: análise do cenário atual e proposição do cenário ideal

Autores

  • Alice Poche Gabriel Universidade Federal de Santa Maria
  • Franciele da Silva Universidade Federal de Santa Maria
  • Eliane Maria Foleto Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1865

Palavras-chave:

Zona de amortecimento. Parque Estadual do Espinilho. Área de Preservação Permanete. Cenario ideal

Resumo

As zonas de amortecimento foram criadas no entorno das Unidades de Conservação para diminuir os efeitos negativos dos impactos exercidos pelo ambiente externo a elas. O presente estudo foi realizado na Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Espinilho, situado no extremo oeste do Rio Grande do Sul. Os principais objetivos foram mapear o uso da terra e cobertura vegetal em seu contexto antrópico e natural, discutir o cenário atual e o cenário ideal perante a importância da conservação das Áreas de Preservação Permanente (APPs), na Zona de Amortecimento. O mapeamento foi elaborado através da imagem de satélite LANDSAT 8, de fevereiro de 2016, através da classificação supervisionada. A análise das APPs foi feita considerando a normativa mais restritiva, gerando-se buffers no entorno de rios e nascentes e sobrepondo com o mapeamento de classificação de uso da terra. As APPs da zona de amortecimento encontram-se, em grande parte, em incompatibilidade com a legislação.

Biografia do Autor

Alice Poche Gabriel, Universidade Federal de Santa Maria

Aluna do curso de Geografia, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Franciele da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Aluna de doutorado em Geografia (UFSM), Bolsista Capes.

Eliane Maria Foleto, Universidade Federal de Santa Maria

Professora do Departamento de Geociências (UFSM).

Referências

BENCKE, G, A. Biodiversidade. In: CHOMENKO, L.; BENCKE, G, A. Nosso Pampa Desconhecido. Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 2016.

BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial [da] Presidência da República: CasaCivil, Brasília, DF, 18 jul. 2000. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acessoem: 05 abr. 2016.

GANEM, R. S. Zonas de Amortecimento de Unidades de Conservação. Brasília, Câmara dos Deputados Editora, 2015.

LYNAGH. F.M.; P.B. URICH. Critical Review of Buffer Zone Theory and practice: A Philippine Case Study. Society and Natural Resourses, New York, v. 15, p.129-145, 2002.

MAHLER JUNIOR, J. K. F.Espinilho: restauração e conservação dos ecossistemas do entorno do Parque Estadual do Espinilho. In: Natureza em Revista. Porto Alegre: Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. n. 14, março de 2016.

MARETTI, C. Comentários sobre a situação das Unidades de Conservação no Brasil. In: Revista de Direitos Difusos, Florestas e Unidades de Conservação, v.5, 2001.

RIO GRANDE DO SUL. Decreto Estadual n.º 34.256, de 02 de abril de 1992. Cria o Sistema Estadual de Unidades de Conservação e dá outras providências.Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 02 abr. 1992. Disponível em:<http://www.mprs.mp.br/ambiente/legislacao/id435.htm> Acesso em: 2 abr. 2016.

_______. Plano de Manejo do Parque Estadual do Espinilho. Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Execução: Geoprospec, Porto Alegre, 2009.

_______. Lei n° 11.520, de 03 de agosto de 2000. Institui o Código Estadual do Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 03 ago. 2000. Disponível em: < http://www.al.rs.gov.br/legiscomp/arquivo.asp?idNorma=11&tipo=pdf>. Acesso em 07 abr. 2016

_______. Lei n° 12.727, de 25 de maio de 2012. Institui o Código Florestal. Presidência da República – Casa Civil, Brasília, DF, 25 maio. 2012. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em 08 nov. 2016

_______. Decreto nº 42.010, de 12 de dezembro de 2002.Aprova o Regulamento dos Parques do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 03 ago. 2000. Disponível em:

<http://www.al.rs.gov.br/legis/M010/M0100099.ASP?Hid_Tipo=TEXTO&Hid_TodasNormas=725&hTexto=&Hid_IDNorma=725>. Acesso em 07 abr. 2016

STRAEDE, S.; TREUE, T. Beyond buffer zone protection: A comparative study of park and buffer zone products’ importance to villagers living inside Royal Chitwan National Park and to villagers living in its buffer zone. Jounal of Environmental Management, New York, v.78, p. 251-267, 2006.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental