Análise exploratória através de estatística espacial: um estudo de caso na Reserva Biológica do Tinguá

Autores

  • Débora Querino da Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Gustavo Mota de Sousa Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1868

Palavras-chave:

Kernel estimator. Reserva biológica do Tingua. Infrações ambientais

Resumo

As unidades de conservação contêm conflitos relacionados às suas áreas, pois, mesmo com todo o conhecimento dos gestores acerca das áreas das unidades, estas ainda não possuem um mapeamento e definição atualizados.  O objetivo deste estudo é entender como se dão os conflitos na unidade de conservação e contribuir para com a construção de um mapeamento de densidade de infrações ambientais. Obteve-se, para tanto, uma análise das áreas frágeis no limite da Reserva Biológica do Tinguá,  sendo possível ser percebido que as zonas frágeis se apresentam prioritariamente nas bordas;  e nas estradas imperiais e nas vias utilizadas por empreendimentos no interior da Reserva. E os locais protegidos, nos lugares de altitude e declividade,  nos quais se apresentam floresta densa e protegida.

Biografia do Autor

Débora Querino da Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências /IA

Gustavo Mota de Sousa, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Departamento de Geociências /IA

Referências

BRASIL. Decreto nº 97.780, de 23 de maio de 1989. Cria a Reserva Biológica do Tinguá, e dá outras providências. Brasília. 1989.

GUERRA, Antonio José Teixeira; COELHO, Maria Célia Nunes. (Orgs.). Unidades de conservação: abordagens e características geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 57p.

DRUCK, S.; CARVALHO, M.S.; CÂMARA, G.; MONTEIRO, A.V.M. (eds) "Análise Espacial de Dados Geográficos". Brasília, EMBRAPA, 2004

ICMBIO. Guia do Educador. Reserva Biológica do Tinguá, 2002

ICMBIO. Conselhos gestores de unidade de conservação federal Disponível em http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/publicacoes/guia-conselhos-2014.pdf acessado em 11 de janeiro de 2017

MAIA, Bruno Landim. Condições Mínimas Para A Validade De Um Auto De Infração Ambiental, De Acordo Com O Direito Ambiental Administrativo. Disponível em < http://www.egov.ufsc.br:8080/portal/sites/default

/files/anexos/20085-20086-1-PB.pdf> Acesso em 08/08/2016.

MARTINS, Ana Lucia Lucas. Lazer e área protegida: conflitos na busca de “emoções agradáveis” Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&p id=S1414-753X2011000200005 >acesso em 09/08/2016

IBAMA, 2006. Plano de manejo da Reserva Biológica do Tinguá. Disponível em:

http://www.ICMBio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-deconservacao/biomasbrasi

SANTOS, Joyce Pereira Dos. Infrações administrativas ambientais em unidades de conservação: o caso da Reserva Biológica do Tinguá [Rio de Janeiro] 2016. VII pp., 123 pp. Monografia (Curso de Especialização) – Escola Nacional de Ciências Estatísticas. Curso Lato Sensu em Análise Ambiental e Gestão do Território.

SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - lei nº 9.985, , de 18 de julho de 2000; decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002. 6.ed. aum. Brasília: MMA/SBF, 2006.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental