Análise do processo de ocupação em área de mangue no bairro de São Miguel, no município de Maracanã/PA

Autores

  • Eloilson Bezerra Leal Universidade Federal do Pará
  • Sérgio Lima da Silva Júnior Universidade do Estado do Pará
  • Anderson Coelho Borges Universidade da Amazônia
  • Odenato Vitor dos Santos Lira Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1872

Palavras-chave:

Manguezais. Ocupação do solo. Expansão urbana. Periferização

Resumo

Este trabalho ensaia uma reflexão sobre ocupações espontâneas em áreas de mangue, especificamente no município de Maracanã, localizado na região nordeste do estado do Pará. Nele analisou-se como ocorre esse processo de ocupação do solo em áreas de manguezais identificando-se os impactos socioambientais inerentes a esse contexto. Com base nos dados obtidos é possível afirmar que o uso e ocupações irregulares em áreas de mangue em Maracanã estão relacionados à falta de um planejamento urbano adequado e de uma gestão territorial que possibilite condições básicas de qualidade de vida aos agentes desse espaço, e ao mesmo tempo estimule a manutenção do ecossistema costeiro. Para a sistematização de construção da pesquisa, foi feito um embasamento em referencias teóricos, pesquisa de campo e aplicação de questionários. Considerando que esta pesquisa ainda está em andamento, entende-se que há necessidade de intervenções com políticas públicas nessa área para que haja maior equilíbrio das ações antrópicas com o meio ambiente.

Biografia do Autor

Eloilson Bezerra Leal, Universidade Federal do Pará

Faculdade de Geoprocessamento

Sérgio Lima da Silva Júnior, Universidade do Estado do Pará

Faculdade de Geografia

Anderson Coelho Borges, Universidade da Amazônia

Faculdade de Geografia

Odenato Vitor dos Santos Lira, Universidade Federal do Pará

Faculdade de Geoprocessamento

Referências

ALVES, J. R. P. Manguezais: Educar para proteger. Rio de Janeiro: FEMAR: SEMADS, 2001.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P.; COELHO JÚNIOR, L. M. Aspectos técnicos e legais que fundamentam o estabelecimento das APP nas zonas costeiras–restingas, dunas e manguezais. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 9, n. 1, p. 39-56, 2009.

BRASIL-IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br Acesso em: 20/mar/2016.

CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, 2002.

DIAS, E. C. S.; SANTOS, S C. & SILVA, M. S. B. Ocupação Desordenada Na Área De Manguezal No Bairro Da Aldeia, Município De Bragança- PA. III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Goiânia/GO – 19 a 22/11/2012.

PARÁ - IDESP. Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. Estatística Municipal. Belém: IDESP, 2014.

QUEIROZ, Helder L. et al. Reserva de Desenvolvimento Sustentável: Manejo integrado dos recursos naturais e gestão participativa. Dimensões humanas da biodiversidade, p. 447-476, 2006.

SILVA, K. O. A periferização causada pela desigual urbanização brasileira. Maringá: Revista Urutágua, 2007.

SILVA, Roberto Marinho Alves da. Dilemas da Gestão Participativa do Desenvolvimento Local em Serra do Mel. 1999. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1999 a.

TENÓRIO, Fernando Guilherme; ROZENBERG, Jacob Eduardo. Gestão pública e cidadania: metodologias participativas em ação. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 2, n. 7, 1997.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental