Uso do mercúrio e reflexos socioambientais no garimpo de caxias, município de Luís Domingues– MA

Autores

  • Lílian Daniele Pantoja Gonçalves Universidade Estadual do Maranhão
  • José Fernando Rodrigues Bezerra Universidade Estadual do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1878

Palavras-chave:

Garimpo de Caxias. Mercúrio. Reflexos socioambientais

Resumo

A atividade de mineração é imprescindível para o desenvolvimento das sociedades e da economia em seus mais diversos setores produtivos, sendo, ao longo dos anos, um dos sustentáculos econômico e político. Porém, os impactos causados pela mineração, vêm onerando o ambiente drasticamente, sobretudo o uso de produtos, como o mercúrio. Neste sentido, a pesquisa analisa os problemas ambientais e sociais provenientes da extração mineral sobretudo ao uso do mercúrio no Garimpo de Caxias, localizado no Município de Luís Domingues- MA, porção noroeste do Estado do Maranhão. A pesquisa propôs metodologia baseada no Geossistema, afim de diagnosticar as consequências dessa atividade nos meios físico, biótico e antrópico. Diante dos estudos, concluiu-se que os moldes de produção investigados, proporciona pouquíssimo aspectos positivos (atividade fim de sobrevivência do garimpeiro, remuneração), têm fomentado impactos socioambientais negativos, os quais constituem para um cenário instável ameaçando o bem estar social e equilíbrio do ambiente local.

Biografia do Autor

Lílian Daniele Pantoja Gonçalves, Universidade Estadual do Maranhão

Programa de Pós-graduação em Geografia

José Fernando Rodrigues Bezerra, Universidade Estadual do Maranhão

Departamento de História e Geografia da

Referências

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Cadernos de Ciências da Terra, n. 13, Instituto de Geografia da USP, 1971, 27p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diagnóstico Preliminar sobre o Mercúrio no Brasil. Brasília, 2013.106p.

BRANDÃO, Carlos Jesus [et al.]. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos / Companhia Ambiental do Estado de São Paulo; São Paulo: CETESB; ANA. Brasília:,2011.

CONAMA, 2005. Resolução nª 357, de 17 de março de 2005 Publicada no DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63• Alterada pela Resolução 410/2009 e pela 430/2011 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos/coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea - São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008 p. 1020.

FERNANDES; Francisco Rego Chaves; ALAMINO, Renata de Carvalho Jimenez; ARAUJO, Eliane Rocha. Recursos minerais e comunidade: impactos humanos, socioambientais e econômicos, Rio de Janeiro: CETEM/MCTI, 2014.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. São Paulo-SP. LTDA. 1990.

RAMOS, W. E. S. Contaminação por mercúrio e arsênio em ribeirões do quadrilátero ferrífero – MG, em área de mineração e atividades garimpeiras. Tese. Viçosa - MG, 122 p. 2005.

LACERDA, L.D. & MALM, O. Contaminação por mercúrio em ecossistemas aquáticos brasileiros: uma análise das áreas críticas. Estudos Avançados (USP) 22: 173-190. 2008.

LUTZ, Instituto Adolfo. Métodos físico-químicos para análise de alimentos /coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea -- São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008, p. 1020.

TANNÚS, M. B. et. al.. Projeto Paracatu: concepção e resultados preliminares.

Jornada Internacional sobre el Impacto Ambiental del Mercúrio Utilizado por la Mineria Aurífera Artesanal em Iberoamérica. Setembro de 2001. Lima, Peru: CYTED, 2001.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental