Uso e ocupação da terra na bacia hidrográfica do rio Branco, afluente da margem esquerda do rio Cabaçal, Mato Grosso

Autores

  • Josiel Dorriguette de Oliveira Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Célia Alves de Souza Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Juberto Babilônia de Sousa Instituto Federal de Mato Grosso
  • Vinicius Neves da Silva Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1902

Palavras-chave:

Colonização. Impactos ambientais. Produção

Resumo

O estudo do uso e ocupação da terra possibilita compreender como a dinâmica social na bacia contribuiu para as alterações no meio. O objetivo foi identificar diferentes tipos de ocupação e usos da terra. A metodologia consistiu em: análise bibliográfica; interpretação de mapas temáticos; e visitas in loco. Os dados sobre a ocupação e o uso da bacia foram disponibilizados através do Anuário Estatístico de Mato Grosso e IBGE. Realizou-se uma revisão bibliográfica sobre a ocupação da área. Para a análise do uso da terra, foi feita interpretação de mapas temáticos. Foram realizadas visitas in loco com observação direta da área de estudo. Com esse estudo foi possível identificar as relações humanas com as características ambientais, por meio da análise das formas de uso, ocupação e manejo desempenhados pelos produtores rurais mostrando a necessidade do envolvimento desses, com práticas agrícolas sustentáveis a fim de atender as necessidades sociais e ambientais.

Biografia do Autor

Josiel Dorriguette de Oliveira, Universidade do Estado de Mato Grosso

Pós-graduação em Ciências Ambientais/ Universidade do Estado de Mato Grosso.

Célia Alves de Souza, Universidade do Estado de Mato Grosso

Departamento de Geografia/ Universidade do Estado de Mato Grosso.

Juberto Babilônia de Sousa, Instituto Federal de Mato Grosso

Instituto Federal de Mato Grosso/Cáceres.

Vinicius Neves da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Departamento de Geografia/ Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

ARAUJO, G. H. de S; ALMEIDA, J. R; GUERRA, A. J. T. Gestão ambiental de áreas degradadas. Rio de Janeiro/RJ: Ed. Bertrand Brasil, 2005.

BARROS, A. (Coord.). Sustentabilidade e democracia para as políticas públicas da Amazônia. Rio de Janeiro: FASE, 2000. (Cadernos de Debate Brasil Sustentável e Democrático, 8).

BARROZO, J. C. Os assentados e os assentamentos rurais do Araguaia. In: MARLUZA, M. H; VITALE, J. (Org.). História, terra e trabalho em Mato Grosso. São Leopoldo, UNISINOS. UDEFMT, Cuiabá. 2008.

DEFACIO, M. A. R.A complexidade do processo de regularização da Gleba Boa Vontade – Rio Branco e Salto do Céu – Mato Grosso e as políticas estaduais de alienação de terras públicas – 1973 – 2000. TCC. Dep. de História, Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres: 2002.

FEARNSIDE, Philip M. Desmatamento na Amazônia Legal brasileira: história, índices e consequências. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 113-123, 2005.

FERREIRA, J. C. V. Mato Grosso e seus municípios. Secretaria de Estado de Educação, Cuiabá. 2001.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=51&search=mato-grosso >. Acesso em: 04 mar.2016.

INPE – INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS; EMBRAPA –EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. TerraClass:Levantamento de Informações de uso e cobertura da terra na Amazônia,setembro de 2011.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Editora Atlas, 2003.

MATO GROSSO. Lein° 8.090 de 20 de janeiro de 2004.Dispõe sobre anexação de área ao Município de Reserva do Cabaçal e dá outras providências.PalácioPaiaguás, em Cuiabá, 20 de janeiro de 2004.Diário Oficial do Estado, Cuiabá, MT (20/04/2004).

MATO GROSSO. Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral. Anuário Estatístico de Mato Grosso. Disponível em: <http://www.dados.mt.gov.br/ publicacoes/anuarios/>. Acesso em: 24 ago. 2016.

MOURA, Antônio Eustáquio de. Gleba Canaã, estudo das práticas econômicas e sociais de camponeses - posseiros no sudoeste do Estado de Mato Grosso. 1994. XX f. Dissertação (Mestrado Sociologia Rural) – Programa de Pós-Graduação em XXXXX. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 1994.

SANTOS, M. dos. Uso, ocupação da terra e dinâmica fluvial da bacia hidrográfica do córrego Cachoeirinha no município de Cáceres, Mato Grosso. 2013. 150f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Universidade do Estado de Mato Grosso, UNEMAT, Cáceres, MT, 2013.

SANTOS. O dinheiro e o território, In: SANTOS, M (Org.), Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Lamparina: Rio de Janeiro, 2007.

SILVA, C. A. F. Grupo André Maggi: corporação e rede em áreas de fronteira. Ed. Entrelinhas. Cuiabá, MT, 2003.

SILVA, L. N. P. Bacia hidrográfica do córrego das Pitas-MT: dinâmica fluvial e o processo de ocupação, como proposta de gestão dos recursos hídricos. 2009. 146 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Universidade do Estado de Mato Grosso. Cáceres-MT, 2009.

SOUZA, C. A; CUNHA, S. B. Evolução das margens do rio Paraguai entre a cidade de Cáceres e a estação ecológica da Ilha de Taiamã, MT. In: SOUZA, C. A. (Org.) Bacia Hidrográfica do Rio Paraguai, MT: Dinâmica das águas, uso e ocupação e degradação ambiental. São Carlos: Editora Cubo, 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental