Diagnóstico das nascentes na área de abrangência do Centro Universitário Barriga Verde (UNIBAVE), Campus Orleans, SUL DE Santa Catarina

Autores

  • Gustavo Kuntz Centro Universitário Barriga Verde
  • Rose Maria Adami Centro Universitário Barriga Verde

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1911

Palavras-chave:

Diagnóstico ambiental. Nascentes. Bacia hidrográfica

Resumo

Nascentes são as principais fontes de abastecimento dos rios e, por isso, possuem extrema importância para manutenção da quantidade das suas águas. Em decorrência da expansão urbana, muitas nascentes desapareceram para dar lugar aos sítios urbanos. A presente pesquisa objetivou diagnosticar as nascentes localizadas na área do Centro Universitário Bariga Verde (Unibave), campus Orleans, por meio de estudo de caso, apoiado na abordagem quali-quantitativa, proposta por Pinto et al (2004) e Gomes et al. (2005). Na área estudada, foram localizadas 12 nascentes pontuais, das quais 10 foram classificadas na categoria perturbada e 02 na categoria degradada em relação ao grau de conservação. De acordo com a avaliação macroscópica, 05 nascentes apresentaram grau de degradação ruim, 05 estavam em estado de conservação razoável e 02 encontravam-se em péssimo estado de conservação.  Os resultados obtidos podem subsidiar ações de revitalização passíveis de implementação nas nascentes estudadas.

Biografia do Autor

Gustavo Kuntz, Centro Universitário Barriga Verde

Engenharia Ambiental e Sanitária

Rose Maria Adami, Centro Universitário Barriga Verde

Engenharia Ambiental e Sanitária

Referências

BOTELHO, R.G.M. Bacias hidrográficas urbanas. In: GUERRA, A.J.T. (Org.) Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro (RJ): Bertrand Brasil, 2011. P.71-115.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 10 jan 2017.

CARMO, L.G; FELIPPE, M.F.; JUNIOR, A.P.M. Áreas de preservação permanente no entorno de nascentes: conflitos, lacunas e alternativas da legislação ambiental brasileira. Boletim Goiano de Geografia, v. 34, n. 2, p. 275-293, 2014.

DNPM. Departamento Nacional de Produção Mineral. Mapa geológico do Estado de Santa Catarina, escala 1:500.000. Florianópolis (SC): DNPM, 1986.

FARIA, A.P. A dinâmica de nascentes e a influência sobre os fluxos nos anais. A Água em Revista – Ciências e Tecnologia, Rio de Janeiro, v. 8, 1997. p.74-80.

FARIA, A. P.; Marques, J. S. O desaparecimento de pequenos rios brasileiros. Ciência Hoje, 146, p.56-61, 1999.

GOMES, P.M.; MELO, C.; VALE, V.S. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes na cidade de Uberlândia-MG: análise macroscópica. Sociedade & Natureza,

Uberlândia, 2005. p.103-120.

GUERRA, A.J.T. Encostas urbanas. In: GUERRA, A.J.T. (Org.). Geomorfologia urbana. Rio de Janeiro (RJ): Bertrand Brasil, 2011. P.13-42.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados gerais do município. IBGE, 2010. Disponível em: <http://ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?lang= ES&codmun=421170&search=santa-catarina|orleans|infograficos:-dados-gerais-do-municipio>. Acesso em: 10 jan. 2017.

KARMAN, I. Água: ciclo e ação geológica. In: TEIXEIRA, W. et al. (Orgs). Decifrando a terra. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009. p.186-209.

ORLEANS. Lei nº 2.147 de 18 de Dezembro de 2007. Institui o plano diretor participativo do município de Orleans. Disponível em: <http://orleans.sc.gov.br/publicacoes/planodiretor/anexos2147/lei_2147.pdf>. Acesso em 10 jan. 2017.

PINTO, L.V.A.; BOTELHO, S.A.; DAVIDE, A.C.; FERREIRA, E. (2004). Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Forestalis, n. 65, 2004. p. 197- 206.

UNIBAVE. Institucional Mantenedora. FEBAVE. Orleans. Disponível em: <http://unibave.net/institucional/mantenedora/>. Acesso em: 28 jan. 2016.

VALENTE, O.F.; GOMES, M.A. Conservação de nascentes: produção de água em pequenas bacias hidrográficas. Viçosa (MG): Aprenda Fácil, 2011.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental