Avaliação de impactos ambientais

Autores

  • Ivaniza Sales Batista Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ivanira Sales Batista Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Francicélio Mendonça da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Zuleide Maria Carvalho Lima Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1912

Palavras-chave:

Impactos ambientais. Avaliação de impactos ambientais. Licenciamentos

Resumo

As ações antrópicas modificam os sistemas naturais e acarretam alterações adversas nos mesmos. Nesse contexto, propõem-se discorrer sobre a de Avaliação de Impactos Ambientais (AIA). A emergência ambiental teve evidência a partir da Conferência de Estocolmo, ela resultou notáveis contribuições para a evolução da consciência ambiental das nações. No Brasil, culminou na criação da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei n° 6.938, de 1981), a AIA passou a ser exigida para basilar o licenciamento ou não de projetos, planos e programas. Dispomos de distintas metodologias de AIA, consideradas mecanismos estruturados para identificação, coleta e organização os dados de impacto ambiental, cada um deles apresentam vantagens e desvantagens de utilização, cabe ao intérprete a escolha daquele (s) mais eficiente (s) na análise da realidade. Os resultados obtidos por meio da AIA são imprescindíveis para a mitigação de alterações adversas provocadas pelas ações humanas e a promoção do uso racional dos recursos naturais.

Biografia do Autor

Ivaniza Sales Batista, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia

Ivanira Sales Batista, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Química

Francicélio Mendonça da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia

Zuleide Maria Carvalho Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia

Referências

ALMEIDA, L. Q. de. Análise geoambiental como subsídio ao planejamento territorial do município de Maracanaú, Ce. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Geografia). Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2005. 235p.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>. Acesso em 01, Abr 2014.

__________. Lei 9.433, de janeiro de 1997. Dispõe sobre a Política Nacional de Recursos Hídricos e institui o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei 9.605, de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei 9.795, de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei 9.985, de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei 11.445, de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei 12.305, de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Lei Nº 12.651, de maio de 2012. Institui o Novo Código Florestal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em 04, Jun 2016.

__________. Resolução Conama Nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html> Acesso em 01, Abr 2014.

FARINACCIO, Alessandro. Impactos na dinâmica costeira decorrentes de intervenções em praias arenosas e canais estuarinos de áreas densamente ocupadas no litoral de São Paulo, uma aplicação do conhecimento a áreas não ocupadas. 2008. Tese (Doutorado em Oceanografia Química e Geológica) - Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

IDEMA - INSTITUTO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E MEIO AMBIENTE. Perfil do seu município 2013. Extremoz. Rio Grande do Norte: IDEMA, 2013. 21 p. Disponível em: <http://adcon.rn.gov.br/ACERVO/idema/DOC/DOC000000000016680.PDF> Acesso em 18 Jun, 2014.

PASSOS, P. N. C. de. A Conferência de Estocolmo como ponto de partida para a proteção internacional do meio ambiente. Revista Direitos Fundamentais e Democracia. UNIBRASIL, vol. 6, 2009.

PIMENTEL, G. PIRES, S. H. Metodologias de Avaliação de Impacto Ambiental:

Aplicações e Seus Limites. Rev. Adm. púb., Rio de Janeiro, 26 (1): 56-68, jan./mar.I992. Disponível em < www.spell.org.br/documentos/download/14095>. Acesso em 10, Out 2015.

ROHDE, M. G. Estudos de impacto ambiental: a situação brasileira em 2000. In: VERDUM, Roberto; MEDEIROS, Rosa Maria Vieira. RIMA: relatório de impacto ambiental : legislação, elaboração e resultados. 5. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2006. 252 p.

SANCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. 2ª ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. 583 p.

SANTOS, Rosely Ferreira dos. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: oficina de Textos, 2004.

Site: IBAMA. Diponível em: <http://www.ibama.gov.br/>. Acesso em 05, Jun 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental