Modelos de erosão hídrica e tolerância das perdas de solo em Latossolos distróficos no sul de Minas Gerais

Autores

  • André Silva Tavares Universidade Federal de Alfenas
  • Henrique Mendes Junior Universidade Federal de Alfenas
  • Velibor Spalevic University of Monte Negro
  • Ronaldo Luiz Mincato Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1915

Palavras-chave:

EPM. RUSLE. IntErO. Degradação do solo

Resumo

Diferentes métodos de cálculo das perdas de solo por erosão hídrica foram comparados com a Tolerância de Perda de Solo em Latossolos tropicais sob diferentes usos. Foram utilizados o Método de Erosão Potencial e a Equação Universal de Perda de Solo. O Método de Erosão Potencial foi calculado no aplicativo Intensidade de Erosão e Escoamento e obteve uma média de perdas de solo de 1,46 Mg ha-1 ano-1 com descarga máxima de 649,31 Mg ano-1. Já, pela Equação Universal de Perda de Solo foi obtida uma média de perda de solo de 1,52 Mg ha-1 ano-1, com descarga máxima de 668,26 Mg ano-1. As perdas de solo calculadas pelos dois métodos foram similares e ficaram aquém do limite de Tolerância de Perda de Solo, que variou de 5,19 a 5,90 Mg ha-1 ano-1 e validam a aplicação do Método da Erosão Potencial em solos tropicais do sul de Minas Gerais. 

Biografia do Autor

André Silva Tavares, Universidade Federal de Alfenas

Mestrando em Ciências Ambientais

Henrique Mendes Junior, Universidade Federal de Alfenas

Mestrando em Ciências Ambientais

Velibor Spalevic, University of Monte Negro

Department of Geography, Faculty of Philosophy

Ronaldo Luiz Mincato, Universidade Federal de Alfenas

Departamento de geografia, Ciências Ambientais

Referências

AQUINO, R. F. et al. Spatial variability of the rainfall erosivity in Southern region of Minas Gerais State, Brazil. Ciência e Agrotecnologia. 36: 533-542, 2012.

AYER, J. E. B. et al. Erosão hídrica em Latossolos Vermelhos Distróficos. Pesquisa Agropecuária Tropical. 45: 180 -191, 2015.

BERTOL, I.; ALMEIDA, J.A. Tolerância de perda de solo por erosão para os principais solos do estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Ciências do Solo, Viçosa, v. 24, n. 3, p. 657-668, 2000.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. São Paulo, 8 ed. Ícone, p. 360, 2012.

BESKOW, S. et al. Soil erosion prediction in the Grande River Basin, Brazil, using distributed modeling. Catena, 79: 49-59, 2009.

BRASIL. Código Florestal. Lei n° 12.651 de 25 de maio de 2012. [internet]. Brasília, DF: Congresso Nacional; 2012 [acesso em 15 mai 2015]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12727.htm.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Serviço Nacional De Conservação dos Solos. Levantamento de reconhecimento dos solos da região sob influência do reservatório de Furnas. Rio de Janeiro: Boletim Técnico, n.13, 1962.

CÂNDIDO, B. M. et al. Erosão Hídrica Pós-Plantio em Florestas de Eucalipto na Bacia do Rio Paraná, no Leste do Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Ciências do Solo, Viçosa, v. 38, n. 5, p. 1565-1575, 2014.

CARVALHO R. et al. Erosão Hídrica em Latossolo Vermelho sob Diversos Sistemas de Manejo do Cafeeiro no Sul de Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia. 31: 1679-1687, 2007.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. Manual de métodos de análise de solos. 2nd ed. Rio de Janeiro, 2011.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisas de Solos. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3rd ed. Rio de Janeiro, 2013.

GALINDO, IC de L.; MARGOLIS, E. Tolerância de perdas por erosão para solos do Estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Ciências do Solo, v. 13, n. 1, p. 95-100, 1989.

GAVRILOVIC, Z. The use of empirical method (erosion potential method) for calculating sediment production and transportation in unstudied or torrential streams. In: WHITE, W. R. (ed.), International Conference on River Regime, Chichester, p. 411– 422, 1988.

HASUI, Y. A grande colisão pré-cambriana do Sudeste Brasileiro e a estruturação regional. Geociências, São Paulo, v.29, n.2, p. 141-169, 2010.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Carta Topográfica do Município de Alfenas (FOLHA SF 23-1-1-3). 1st ed. Rio de Janeiro, 1970.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de pedologia. 3rd ed. Rio de Janeiro, 2015.

MC BRATNEY, A. B.; MENDONÇA, S. M. L.; MINASNY B. On digital soil mapping. Geoderma. p. 117: 3-52. 2003.

MITASOVA H. M. et al. Terrain modelling and soil erosion: applications for Ft. Hood report for USA CERL [internet]. [acesso em 17 mai 2016]. Disponível em: <http://shagit.meas.ncsu.edu/~helena/gmslab/reports/cer101 /finalreport/report01/default.htm>. Champaign: University of Illinois, 2001.

OLIVETTI , D. et al. Spatial and Temporal Modeling of Water Erosion in Dystrophic Red Latosol (Oxisol) used for Farming and Cattle Raising Activities in a Sub-Basin in the South of Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, 39: 58-67. 2015.

PANAGOS, P.; BORRELLI, P.; MEUSBURGER, K. A New European Slope Length and Steepness Factor (LS-Factor) for Modeling Soil Erosion by Water. Geosciences. 5:117-126, 2015.

PANAGOS, P. et al. Estimating the soil erosion cover-management factor at the European Scale. European Commission, Joint Research Centre, Institute for Environment and Sustainability, Environmental Geosciences, Land Use Police 48 University of Basel, Switzerland, p. 38-50, 2015.

PIMENTEL, D. et al. Environmental and Economic Costs of Soil Erosion and Conservation Benefits. SCIENCE, vol. 267, p. 1117-1123, 1995.

RENARD, K. G. et al. Predicting soil erosion by water: a guide to conservation planning with the Revised Universal Soil Loss Equation (RUSLE). United States Department of Agriculture - EUA. Agriculture Handbook. n. 703, 384 p. 1997.

ROOSE, E. J. Application of the Universal Soil Loss Equation of Wischmeier and Smith in West Africa. In: Greenland DJ, Lal R, editores. Soil conservation and management in the humid tropics. 1st ed. Chichester: John Wiley & Sons. p. 177-187. 1977.

SANTOS R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solos no campo.5th ed. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo - Sbcs, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, Centro Nacional de Pesquisa de Solos - Cnps, 2005.

SILVA, S.A. et al. Análise espacial da erosão hídrica em um latossolo vermelho amarelo sob cultivo de café conilon. Revista Ciência Agronômica. 38: 335-342, 2008.

SILVA M. L. N. et al. Proposição de modelos para estimativa da erodibilidade de Latossolos brasileiros. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 34: 2287-2298, 1999.

SPALEVIC, V. Impact of land use on runoff and soil erosion in Polimlje. Doctoral thesis, Faculty of Agriculture of the University of Belgrade, Serbia, 260p. 2011.

SPAROVEK, G.; VAN LIER, Q. J.; DOURADO NETO, D. Computer assisted Köppen climate classification: a case study for Brazil. International Journal of Climatology. 27: 257-266, 2007.

ZHANG, R. Determination of soil sorptivity and hydraulic conductivity from the disk infiltrometer. Soil Science Society of America Journal, 61: 1024–1030. 1997

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental