Avaliação da ciclagem de nutrientes em áreas de reflorestamento a partir das formas de Humus

Autores

  • Fernando Pessoa Universidade federal do Rio de Janeiro
  • Fernando Cesário Universidade federal do Rio de Janeiro
  • Bruno Nascimento Universidade federal do Rio de Janeiro
  • Flávio Rosa Universidade federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1922

Palavras-chave:

Fragmentação florestal. Reflorestamento. Indicadores Funcionais Globais. Formas de Humus

Resumo

O ecossistema representa uma unidade complexa, na qual sistemas de forte componente biológico interagem com sistemas de natureza antrópica, o que resulta de fatores socioeconômicos, culturais e políticos que ressaltam a sua importância como unidade de avaliação da biodiversidade na escala da paisagem. Com isso, a recuperação, conservação e uso sustentável do mosaico de fragmentos existentes tornam-se fundamentais. Uma forma de avaliar o funcionamento de ecossistemas é através da utilização de indicadores que sintetizam seus dois processos fundamentais: produtividade e decomposição. Assim, o presente trabalho, desenvolvido em uma das áreas do projeto “Mutirão Reflorestamento”, realizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMAC) do Rio de Janeiro, realizou um diagnóstico da qualidade ecossistêmica e ciclagem de nutrientes a partir da utilização de Indicadores Funcionais Globais, além de propor técnicas que facilitem o processo sucessional natural a partir do princípio da nucleação, com a transposição de solo e serapilhera.

Biografia do Autor

Fernando Pessoa, Universidade federal do Rio de Janeiro

Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro, – campus Petrópolis / Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade federal do Rio de Janeiro  -UFRJ

Fernando Cesário, Universidade federal do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade federal do Rio de Janeiro  - UFRJ

Bruno Nascimento, Universidade federal do Rio de Janeiro

Graduando em Geografia da  Universidade federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Flávio Rosa, Universidade federal do Rio de Janeiro

Graduando em Geografia da  Universidade federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Referências

BABEL, U. Micromorphology of soil organic matter. In:GIESEKING, J.E., ed. Soil component. Berlin, Springer-Verlag, 1975. p.369-473.

BEGON, M.; HARPER, J. L.; TOWSEND, C. R. Ecology: individuals, populations and communities. Oxford Library Blackwell, 1996.

CASTRO JR, E. Valor indicador da fauna de macroartrópodes edáficos em fragmentos primários e secundários do ecossistema de florestas de tabuleiros, ES. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2002, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

GARAY, I. Avaliação do status da biodiversidade a nível de ecossistema In: GARAY, I. & DIAS, B. (Orgs). Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento. Rio de Janeiro, Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

GARAY, I. e KINDEL, A. Diversidade funcional em fragmentos de Floresta Atlântica. Valor indicador das formas de húmus florestais. In:

GARAY, I. & DIAS, B. (Orgs). Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento. Rio de Janeiro, Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

GARAY, I.; KINDEL, A.; JESUS, R. M. Diversity of humus forms in the Atlantic Forest ecosystems (Brazil). The Table-land Antlanic Forest. Acta Oecologia, 16, 1995, p. 553-570.

GARAY, I. & SILVA, B. A. O. Húmus florestais: síntese e diagnóstico das interrelações vegetação/solo. Oecologia Brasiliensis, 1: 19-46, 1995.

GOLDIN, A. Reassessing the use of loss-on-ignition for estimating organic matter content in noncalcareous soils. Commun. Soil Sci. Plant. Anal., 18:1111-1116, 1987.

GREEN, R. N; TROWBRIDGE, R. L. e KLINKA, K. Towards a taxonomic classification of humus forms. For. Sci. Monogr., 29, 1993, p. 1-48.

JABIOL, B., ZANELLA, A., PONGE, J.-F.O., SARTORI, G., ENGLISCH, M., VAN DELFT, B., DE WAAL, R., LE BAYON, R.e.-C., 2013. A proposal for including humus forms in the World Reference Base for Soil Resources (WRB-FAO). Geoderma 192(0), 286-294.

KINDEL, A. A fragmentação Real: Heterogeinidade de remanescentes florestais e valor indicador das formas de húmus. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2001, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

KINDEL, A. e GARAY, I. Caracterização de ecossistemas da Floresta Atlântica de Tabuleiros por meio das formas de húmus. Rev. Bras. de Ciências do Solo, 25, 2001, p. 551-563.

KINDEL, A.; GARAY, I. Humus form in ecosystems of the Atlantic Forest, Brazil. Geoderma, v. 108, n. 1-2, p. 101-118, 2002.

MCCUNE, B., MEFFORD, M.J., 1999. PC-ORD: multivariate analysis of ecological data. MjM Software Design.MYERS, N. Threatened biotas: Hotspots in tropical forests. The Environmentalist 8(3), 1988, p.1-20.

MYERS, N. The biodiversity challenge: Expanded hotspots analysis. The Environmentalist 10(4), 1990, p. 243-256.

ODUM, E. P. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan S. A., 1988.

PONGE, J. F. Humus forms in terrestrial ecosystems: a framework to biodiversity. Soil Biology and Biochemistry, v. 35, n. 7, p. 935-945, 2003.

PONGE, J. F. Plantesoil feedbacks mediated by humus forms: A review. Soil Biology & Biochemistry 57 (2013) 1048e1060

PONGE, J.-F., CHEVALIER, R., 2006. Humus Index as an indicator of forest stand and soil properties. Forest Ecology and Management 233(1), 165-175.

REIS, A.; BECHARA, F. C.; ESPINDOLA, M. B.; VIEIRA, N. K.; SOUZA, L. L. Restauração de áreas degradadas: a nucleação como base para incrementar os processos sucessionais. Natureza & Conservação, Curitiba, PR, v. 1, n. 1, p. 28-36, abr. 2003.

SOS Mata Atlântica e INPE. Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica. São Paulo, 2013.

SWIFT, M. J., HEAL, O. W. e ANDESON, J. M. Decomposition in Terrestrial Ecosystems. University of California Press, Berkley, Los Angeles, 1979.

TOUTAIN, F. 1981. Les humus forestiers. Structures et modes de fonctionnement. Revue Forestiere Francaise 33: 449-477.

ZANELLA, A., JABIOL, B., PONGE, J.F., SARTORI, G., DE WAAL, R., VAN DELFT, B., GRAEFE, U., COOLS, N., KATZENSTEINER, K., HAGER, H., ENGLISCH, M., 2011a. A European morpho-functional classification of humus forms. Geoderma In Press, Corrected Proof.

ZANELLA, A., JABIOL, B., PONGE, J.F., SARTORI, G., WAAL, R.D., DELFT, B.V., GRAEFE, U., COOLS, N., KATZENSTEINER, K., HAGER, H., ENGLISCH, M., BRETHES, A., BROLLK, G., GOBAT, J.M., BRUN, J.J., MILBERT, G., KOLB, E., WOLF, U., FRIZZERA, L., GALVAN, P., KOLLI, R., BARITZ, R., KEMMERSE, R., VACCA, A., SERRA, G., BANAS, D., GARLATO, A., S. CHERSICH, KLIMO, E., LANGOHR, R., 2011b. European humus forms: Base reference.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens