Feições biológicas em paleossolos da formação Marília em Minas Gerais

Autores

  • Diego Luciano do Nascimento Universidade Estadual de Campinas – Unicamp
  • Francisco Sérgio Bernardes Ladeira Universidade Estadual de Campinas – Unicamp
  • Alessandro Batezelli Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1926

Palavras-chave:

Rizólitos. Calcretes. Bacia Bauru. Paleopedologia. Micromorfologia

Resumo

Os paleossolos são importantes indicadores paleoambientais, pois preservam evidências dos fatores e processos que atuaram durante sua evolução. Dentre estes fatores, a atividade biológica se mostra de grande importância, principalmente em paleossolos de ambientes semiáridos, pois atuam na precipitação e dissolução de carbonato de cálcio, aumentando seu potencial de preservação destes perfis de alteração no registro geológico. Neste trabalho realizamos a caracterização macro e micromorfológica dos paleossolos da Formação Marília em Minas Gerais, atentando para descrição das feiçoes biogênicas preservadas.  Os resultados obtidos indicaram que o papel das raízes e de microrganismos, como fungos e bactérias foi fundamental para evolução de horizontes carbonáticos dos paleossolos, através da precipitação de cimento micrítico no espaço poroso do solo, principalmente nas proximidades dos rizólitos de suas paleorizosferas, processo este similar ao desenvolvimento de horizontes carbonáticos em solos atuais. 

Biografia do Autor

Diego Luciano do Nascimento, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Francisco Sérgio Bernardes Ladeira, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Docente do Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Alessandro Batezelli, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas – Unicamp

Referências

ALONSO-ZARZA, A.M. Initial stages of laminar calcrete formation by roots: examples from the Neogene of central Spain. Sedimentary Geology 126, 177-191. 1991.

ALONSO-ZARZA, A. M.; JONES, B. Root calcrete formation on Quaternary karstic surfaces of Grand Cayman. Geologica Acta, 5(1), 77-88. 2007.

BARCELOS, J.H. Reconstrução Paleogeográfica da Sedimentação do Grupo Bauru Baseada na sua Redefinição Estratigráfica Parcial em Território Paulista e no Estudo Preliminar Fora do Estado de São Paulo. 1984. 190 f. Tese (Livre Docência) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

BATEZELLI, A. Continental systems tracts of the Brazilian Cretaceous Bauru Basin and their relationship with the tectonic and climatic evolution of South America. Basin Research 27, 1-25. 2015.

CERLING, T.E., The stable isotopic composition of modern soil carbonate and its relationship to climate. Earth Planetary. Science. Letters., 71, 229-240, 1984.

BREWER, R. Fabric and Mineral Analysis of Soils. New York, Robert E. Krieger Publishing Company, 1976. DIAS-BRITTO, D.; MUSACCHIO, E.A.; CASTRO, J.C.; MARANHÃO, M.S.A.S.; SUÁREZ, J.M.; RODRIGUES, R. Grupo Bauru: uma unidade continental Cretácea no Brasil – concepções baseadas em dados micropaleontológicos, isotópicos e estratigráficos. Revue Paléobiologic, Genève 20, 245–304. 2001.

DURAND, N.; MONGER, H.C.; CANTI, M.G. Calcium carbonate features. In: STOOPS, G.; MARCELINO, V.; MEES, F. (eds.), Interpretation of Micromorphological Features of Soils and Regoliths. Elsevier, Amsterdam, 2010. p. 149–194.

KLAPPA, C.F. Rhizoliths in terrestrial carbonates: classification, recognition, genesis, and significance. Sedimentology 26, 613–629. 1980.

KOSIR, A. Microcodium revisited: root calcification product of terrestrial plants on carbonate-rich

substrates. Journal of Sedimentary Research 74, 845–857. 2004.

KRAUS, M.J.; HASIOTIS, S.T. Significance of different modes of rhizolith preservation to interpreting paleoenvironmental and paleohydrologic settings: examples from Paleogene paleosols, Bighorn Basin, Wyoming, U.S.A. Journal of Sedimentary Research 76, 633–646. 2006.

PEREIRA, C.T.; BATEZELLI, A.; LADEIRA, F.S.B. Paleoprecipitation changes based on paleosols profiles of the Marília Formation (Upper Cretaceous) in the eastern portion of the Bauru Basin in Southeastern Brazil. Geociências 34, 238-257. 2015.

RETALLACK, G.J. Soils of the Past – An introdution to paleopedology. London: Unwin Hyman. 2001.

SUGUIO, K. Formação Bauru: calcários e sedimentos detríticos associados. São Paulo, 2v. 1973. Tese (Livre Docência) - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.

SUGUIO, K.; BARCELOS, J.H. Calcretes of the Bauru Group (Cretaceous) Brazil: petrology and Geological significance. Boletim IG (São Paulo) 14, 31-47. 1983.

VEPRASKAS, M.J.; WILDING, L.P.; DREES, L.R. Aquic conditions for soil taxonomy: concepts, soil morphology, and micromorphology. In: RINGROSE-VOASE, A.J.; HUMPHREYS, G.S. (eds.), Soil Micromorphology: Studies in Management and Genesis. Developments in Soil Science, Volume 22. Elsevier, Amsterdam, 1994. p. 117–131.

VERRECCHIA, E.P.; FREYTET, P.; VERRECCHIA, K.E.; DUMONT, J.L. Spherulites in calcrete laminar crusts: biogenic CaCO3, precipitation as a major contributor to crust formation. Journal of Sedimentary Research 65, 690–700. 1995.

WRIGHT, V.P.; PLATT, N.H.; WIMBLEDON, W.A. Biogenic laminar calcretes: evidence of calcified root-mat horizons in paleosols. Sedimentology 35, 603–620. 1988.

WRIGHT, V.P.; PLATT, N.H.; MARRIOTT, S.B.; BECK, V.H. Classification of rhizogenic (root-formed) calcretes. with examples from the Upper Jurassic-Lower Cretaceous of Spain and Upper Cretaceous of southern France. Sedimentary Geology 100, 143-158. 1995.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens