Análise da erodibilidade de um Cambissolo por meio de um transecto em encosta íngreme da bacia hidrográfica do rio Pequeno, Paraty – RJ

Autores

  • Rafael Carvalho Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Leonardo dos Santos Pereira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Antonio José Teixeira Guerra Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1931

Palavras-chave:

Propriedades do solo. Erosão. Uso da terra

Resumo

Ao longo do tempo, as paisagens vêm sendo transformadas pelas atividades humanas, interferindo na dinâmica dos sistemas naturais e, em muitos casos, acarretando em sua instabilidade. Neste sentido, emergem problemas como a erosão dos solos, pondo em risco a conservação desse recurso tão importante e, consequentemente, de suas múltiplas funções. Assim, este trabalho tem como objetivo analisar a erodibilidade de um Cambissolo através do estudo de seus atributos  físicos e químicos ao longo de um transecto em encosta íngreme. Nesse estudo foram coletadas amostras na camada superficial do solo e realizadas análises de granulometria, densidade aparente, porosidade total, estabilidade de agregados, matéria orgânica, pH e fertilidade. Os atributos físicos e químicos do solo, analisados ao longo da encosta, indicaram baixa erodibilidade. Contudo, as terras apresentam forte restrições às atividades agrícolas ali desenvolvidas, relacionadas à declividade acentuada e a baixa fertilidade natural do solo.

Biografia do Autor

Rafael Carvalho Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Geografia/Instituto de Geociências, UFRJ.

Leonardo dos Santos Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Geografia/Instituto de Geociências, UFRJ.

Antonio José Teixeira Guerra, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Programa de Pós-Graduação em Geografia/Instituto de Geociências, UFRJ.

Referências

ARAUJO, G. H. S.; ALMEIDA, J. R.; GUERRA, A. J. T. Gestão Ambiental de Áreas Degradadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2007.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do Solo. 9. ed. São Paulo: Ícone, 2014.

BRADY, N. C.; WEIL, R. R. The nature and properties of soils. 14. ed. Nova York: Prentice-Hall, 2008.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/IBAMA/DIREC. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra da Bocaina: Brasília: FEC/UNICAMP, 2002.

__________. Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000 – Criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: Agosto de 2015.

CARVALHO FILHO, A.; LUMBRERAS, J. F.; WITTERN, K. P.; LEMOS, A. L.; SANTOS, R. D.; CALDERANO FILHO, B.; CALDERANO, S. B.; OLIVEIRA, R. P.; AGLIO, M. L. D.; SOUZA, J. S.; CHAFFIN, C. E. Mapa de reconhecimento de baixa intensidade dos solos do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos, 2003. Escala 1:250.000. Disponível em: <http://www.cnps.embrapa.br/solosbr/sigweb.html>.

CASTRO FILHO, C.; MUZILLI, O.; PODANOSCHI, A. L. Estabilidade dos agregados e sua relação com o teor de carbono orgânico num Latossolo Roxo Distrófico, em função de sistemas de plantio, rotações de culturas e métodos de preparo das amostras. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 22, p. 527-538, 1998.

CASTRO FILHO, C., LOURENÇO, A., D. E F. GUIMARÃES, M.; FONSECA, I. C. B. Aggregate stability under different soil management systems in a red latosol in the state of Parana, Brazil. Soil and Tillage Research. v. 65, n. 1, p. 45-51, 2002.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. Degradação Ambiental. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Orgs.). Geomorfologia e Meio Ambiente. 10. ed. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2011. p. 337-379.

DE PLOEY, J.; POESEN, J. Aggregate stability, runoff generation and interrill erosion. In: RICHARDS, K. S.; ARNETT, R. R.; ELLIS, S. (Eds.). Geomorphology and Soils. London: George Allen, 1985.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura e do Abastecimento, 1997.

FAVIS-MORTLOCK, D. T. Erosion by Water: Accelerated. In: JORGENSEN, S. E. (Ed.) Encyclopedia of Environmental Management. CRC Press, 2012.

GUERRA, A. J. T. Processos Erosivos nas Encostas. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Orgs.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013. p. 149-209.

__________. Degradação dos solos: conceitos e temas. In: GUERRA, A. J. T.; JORGE, M. C. O. (Orgs.). Degradação dos Solos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014. p. 15-50.

__________. Erosão dos Solos e Movimentos de Massa: Abordagens Geográficas. Curitiba: CRV Editora, 2016.

GUERRA, A. J. T.; FULLEN, M. A.; JORGE, M. C. O.; BEZERRA, J. F. R. Slope Processes, Mass Movements and Soil Erosion: a review. Pedosphere. v. 27, p. 27-41, 2017.

GUERRA, A. J. T.; BEZERRA, J. F. R.; JORGE, M. C. O.; FULLEN, M. A. The geomorphology of Angra dos Reis and Paraty Municipalities, Southern Rio de Janeiro State. Revista Geonorte, v. 9, n. 1, p. 1-21, 2013.

ILEK, A.; KUCZA, J.; SZOSTEK, M. The effect of the bulk density and the decomposition index of organic matter on the water storage capacity of the surface layers of forest soils. Geoderma. v. 285, p. 27-34, 2017.

KEESSTRA, S.; PEREIRA, P.; NOVARA, A.; BREVIK, E. C.; MOLINA, C. A.; ALCÁNTARA, L. P.; JORDÁN, A.; CERDÀ, A. Effects of soil management techniques on soil water erosion in apricot orchards. Science of The Total Environment. v. 551-552, p. 357-366, 2016.

LEFF, E. Aventuras da Epistemologia Ambiental: da articulação das ciências ao diálogo de saberes. São Paulo: Cortez, 2012.

LEPSCH, I. F. 19 lições de pedologia. São Paulo: Oficina de Texto, 2011.

MAFRA, N. M. C. Erosão e Planificação de Uso do Solo. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Orgs.). Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. p. 301-322.

MORGAN, R. P. C. Soil Erosion and Conservation. 3. ed. England: Blackwell, 2005.

MÜLLER-NEDEBOCK, D.; CHAPLOT, V. Soil carbon losses by sheet erosion: a potentially critical contribution to the global carbon cycle. Earth Surface Processes and Landforms. v. 40, p. 1803–1813, 2015.

OSMAN, K. T. Soil Degradation, Conservation and Remediation. Dordrecht: Spring, 2014.

PEREIRA, A. A.; THOMAZ, E. L. Parâmetros físicos do solo em diferentes sistemas de manejo convencional, município de Reserva – PR. Revista do Departamento de Geografia - USP. v. 30, p. 65-76, 2015.

PEREIRA, L. S.; RODRIGUES, A. M.; JORGE, M. C. O.; GUERRA, A. J. T.; FULLEN, M. A. Processos hidro-erosivos em solos degradados em relevo de baixa declividade. Revista Brasileira de Geomorfologia. v. 17, n. 2, p. 299-316, 2016.

PIDWIRNY, M. Understanding Physical Geography. Kelowna: Our Planet Earth, 2014.

RIO DE JANEIRO. SECRETÁRIA ESTADUAL DO AMBIENTE. O Estado do Ambiente: indicadores ambientais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: SEA/INEA, 2011.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, 1977.

WANG, B.; ZHENG, F.; ROMKENS, M. J. M.; DARBOUX, F. Soil erodibility for water erosion: a perspective and Chinese experiences. Geomorphology. v. 187, p. 1-10, 2013.

XU, M.; LI, Q.; WILSON, G. Degradation of soil physicochemical quality by ephemeral gully erosion on sloping cropland of the hilly Loess Plateau, China. Soil & Tillage Research. v. 155, p. 9–18, 2016.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens