Potencialidade a ocorrência de processos erosivos laminares e lineares no município de Chapadão do Céu, Goiás, Brasil

Autores

  • Thaynnara Borges Oliveira Universidade Federal de Goiás
  • Gabriella Santos Arruda de Lima Universidade Federal de Goiás
  • Giovanna Silva Canedo Universidade Federal de Goiás
  • Karla Maria Silva de Faria Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1936

Palavras-chave:

Suscetibilidade erosiva. Degradação do solo. Uso e ocupação das terras

Resumo

O artigo tem como objetivo avaliar os efeitos da expansão agropecuária frente à potencialidade de ocorrência de processos erosivos laminares e lineares no município de Chapadão do Céu. Os procedimentos metodológicos envolveram a avaliação de suscetibilidades e potencialidades à erosões laminares e lineares. Os resultados indicam que o município se apresenta predominantemente como pouco suscetível à erosão laminar e linear, mas a potencialidade erosiva teve um aumento expressivo na classe II correspondente a médio potencial, apresentando a necessidade de controle com práticas conservacionistas. Utilizando-se de inspeção visual com imagens de satélites de alta resolução foram identificados 219 focos erosivos, sendo 124 lineares e 95 laminares, demostrando assim um manejo inadequado do solo e/ou a implantação de forma errônea de práticas conservacionistas. 

Biografia do Autor

Thaynnara Borges Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Geografia Física/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás,

Gabriella Santos Arruda de Lima, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Giovanna Silva Canedo, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Geografia Física/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Karla Maria Silva de Faria, Universidade Federal de Goiás

Laboratório de Geografia Física/Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Referências

BERTONI. J.; LOMBARDI, NETO. F. Conservação do Solo. Piracicaba, SP: Editora Livroceres, 1985. 392p.

CARMO, L.R; GUIMARÃES, E; Azevedo, M.M.A. Agroindústria, População e Ambiente no Sudoeste de Goiás. XII Encontro da Associação Brasileira de Estudos populacionais. Ouro Preto, Minas Gerais. 2002.

CARVALHO, J.C.; MELO, M.T.S. A erosão à luz da legislação ambiental. Carvalho, J.C.; Sales, M.M.; Souza, N.M.; Melo, M.T.S., (org.). In: Processos erosivos no centro oeste brasileiro, Brasília, editora Finatec, 2006. P. 1-37.

DUARTE, L. M. G; THEODORO, S. H. Dilemas do cerrado: entre o ecologicamente (in) correto e o socialmente (in) justo. Editora: Garamond. Rio de Janeiro, 2002.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa do Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro, Embrapa SPI, 1999. 412p.

ENGESAT. Imagens Spot. Disponível em: http://www.engesat.com.br/imagens-de-satelite/spot-67. Acessado em Dezembro de 2016.

GARCIA, B. F.D; BOAS VILAS, A. A. Plantio direto nas culturas de milho e soja no município do Chapadão do Céu- Go e os impactos para o meio ambiente. XlV congresso da sober. Londrina. 2007

GUERRA A.J.T. O início do processo erosivo. Guerra, A.J.T; Silva, A. S; Botelho, R.G.M; (org.). In: Erosão e conservação dos solos conceitos, temas e aplicações. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2005. P. 17-50.

HELFER, F; LOPES, F; RISSO, A; BELTRAME, L; MERTEN, G. Estimativa da perda de solo por erosão laminar na bacia hidrgráfica do rio Cuiabá usando técnicas de geoprocessamento. XV Simpósio Brasieiro de Recursos Hídricos. 2003

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Pedologia. 2º Edição, Rio de Janeiro, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de uso da terra. 3ºed. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em:<http://ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/usodaterra/manual_usodaterra.shtm. Acessado em 20 dez. 2016.

IMB. Instituto Mauro Borges de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Estatísticas Municipais. Disponível em: http://www.imb.go.gov.br/perfilweb/Estatistica_bde.asp. Acessado em 20 dez. 2016.

IMB. Instituto Mauro Borges de Estatística e Estudos Socioeconômicos. PIB dos municípios Goianos. Disponível em: http://www.imb.go.gov.br/pub/pib/pibmun2014/pibmun2014.pdf - 2014. Acessado em 20 dez. 2016.

INFANTI, N.J; FORNASARI, N.F. Processos de dinâmica superficial. Oliveira, A.M.S; Brito; S.N.A (ed.). In: Geologia de engenharia. São paulo, cnpq e fapesp, 1998. 131-136 p.

LATRUBESSE, E.M; CARVALHO, T.M; STEVAUX, J.C. Mapa Geomorfológico do Estado de Goiás. Disponível em: http://www.sieg.go.gov.br/downloads/geomorfologia.pdf. Acessado em fevereiro de 2017.

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. São Paulo, editora oficina de textos, 2010. 177p.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, B., T. Fitofisionomias do bioma Cerrado. IN: Sano, S.M; Almeida, S.P. Cerrado: ambiente e flora. Planaltina:

EMBRAPA - CPAC. 1998. Cap.3 88-166.

SALOMÃO, F. X. T. Controle e prevenção dos processos erosivos. In: Guerra, T. A. J.; Silva, A.S. & Botelho, R.G. (Organizadores). Erosão e Conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

SANTOS, A.S. Analise de suscetibilidade e potencial a erosão laminar da Área de Preservação Ambiental das Nascentes do Rio Vermelho. Anais XVII Simpósio de Sensoriamento Remoto. João Pessoa, Paraíba. 2015.

TRINDADE, P.S; FARIA, K.M.S; CASTRO, S.S. Estrutura da dinâmica da paisagem no município de Chapadão do Céu/GO. Goiânia, Goiás. 2013.

VALLE, R.F.J. Diagnóstico de área de risco de erosão e conflito de uso dos solos na bacia do rio Uberaba. Tese (doutorado em agronomia) UNESP, Jaboticabal, 2008. 233

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens