O uso agrícola de escória de siderurgia em Latossolo vermelho distrófico típico

Autores

  • Ralph Barbosa Rodrigues Alves Universidade Federal de Goiás
  • Idelvone Mendes Ferreira Universidade Federal de Goiás
  • Thaís Abadia Barbosa Rodrigues Alves Figueiredo Universidade Federal de Uberlândia
  • Rosirlene Lopes da Cruz Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1938

Palavras-chave:

Escória Aditivada. Passivo ambiental. Solo

Resumo

A escória de siderurgia, considerada como um passivo ambiental, sendo claramente demostrado pelas usinas siderúrgicas o interesse de sua plena utilização, com composição constituida por diversos óxidos de Ca, Mg, Si, Fe e Mn. O aproveitamento desses materiais como fontes de Si, Ca, Mg e corretivos de solo é desejável para a agricultura. Uma escória destinada ao uso agrícola, com níveis significantes de Si, deve apresentar teores de Si solúvel com reatividade, facilidade de aplicação (densidade alta), boa relação cálcio e magnésio e teores de CaO e MgO. Com o objetivo de avaliar este potêncial o presente trabalho realizou a avaliação agronômica de uma escória siderúrgica que foi “aditivada”, e seus impactos no solo. Sendo realizada a incubação com Latossolo Vermelho Distrófico típico (LVd). Através do presente trabalho foi possível delinear parametros para o uso de escórias de siderurgia atraves da pesquisa qualitaiva com posterior análise empírica dos resultados.

Biografia do Autor

Ralph Barbosa Rodrigues Alves, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Geografia na Universidade Federal de Goiás UFG – Regional Catalão

Idelvone Mendes Ferreira, Universidade Federal de Goiás

Professor Dr. em Geografia na Universidade Federal de Goiás- UFG Regional Catalão

Thaís Abadia Barbosa Rodrigues Alves Figueiredo, Universidade Federal de Uberlândia

Graduação em Agronomia na Universidade Federal de Uberlândia

Rosirlene Lopes da Cruz, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Geografia na Universidade Federal de Goiás UFG – Regional Catalão

Referências

ALCARDE, J.A.; RODELLA, A.A. Qualidade e legislação de fertilizantes e corretivos. In: CURI, N.; MARQUES, J.J.; GUILHERME, L.R.G.; LIMA, J.M. de; LOPES, A. S.; ALVARES V., V.H. (ed). Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa: Sociedade brasileira de Ciência do Solo, 2003. p. 291-334.

ALCARDE, J.C. Corretivos da acidez dos solos: características e interpretações técnicas. São Paulo, Associação Nacional para Difusão de Adubos e Corretivos Agrícolas, 1992. 26 p. (Boletim Técnico, 6).

ALCARDE, J.C. Corretivos da acidez dos solos: características e interpretações técnicas. São Paulo, Associação Nacional para Difusão de Adubos e Corretivos Agrícolas, 2005. 24p. (ANDA, Boletim Técnico, 6)

ARAÚJO, L. S. Viabilidade do uso da "escória transformada" como corretivo de acidez do solo e fonte de Si, Ca e Mg. Ano 2007. 39f . Monografia (Graduação em agronomia) - Instituto de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Ano 2007.

ALLOWAY, B. J. Heavy metals in soils. 2ªed. Londres: Springer, 368 p., 1995.

CAIRES, S. M. Determinação dos teores naturais de metais pesados em solos do Estado de Minas Gerais como subsídio ao estabelecimento de valores de referência de qualidade. 2009. 304f. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) – Instituto de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

CARDOSO, K. Aplicação de silicato de cálcio na recuperação de pastagem degradada de Brachiaria decumbens. 2003. 48f. Monografia (Graduação em agronomia) - Instituto de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2003.

CARVALHO-PUPATTO, J. G.; BULL, L. T.; CRUSCIOL, C. A. C.; MAUAD, M.; SILVA, R. H. Efeito de escória de alto forno no crescimento radicular e na produtividade de arroz. Pesquisa agropecuária brasileira, Brasília, DF v. 38, n. 11, p. 1323-1328, nov. 2003.

DELLA, V. P., JUNKES, J. A., KUHN, I., HIELLA, H. G., HOTZA, D. Utilização do subproduto da recuperação metálica de escórias de aços inoxidáveis na síntese de pigmentos cerâmicos: caracterização da matéria-prima. Cerâmica, São Paulo, v.51, n. 318, p. 111-116, 2005.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de pesquisa de solos (Rio de Janeiro-RJ). Manual de métodos de análise de solo. 2. ed.rev. atual. Rio de Janeiro, 1999. 212p.

FERREIRA, D. F. SISVAR: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Científica Symposium, Lavras, v.6, n.2, p.36-41, 2008.

GUIMARÃES, J. E. P. Escórias na fertilidade do solo. Instituto Geográfico e Geológico de São Paulo. Brasil, 1967. 42p.

INSTITUTO AÇO BRASIL. Estatística preliminar. Rio de Janeiro, n.22, 2016, 10p.

KORNDÖRFER, G.H.; GASCHO, G.J. Avaliação de fontes de silício para o arroz. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARROZ IRRIGADO, 1.; REUNIÃO DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO, 23., Pelotas, 1999. Anais... Pelotas, EMBRAPA Clima Temperado, 1999. p.313-316.

KORNDÖRFER, G.H.; PEREIRA, H.S.; CAMARGO, M.S. Silicatos de Cálcio e magnésio na agricultura. 3. ed. Uberlândia: GPSi/ICIAG/UFU, Boletim Técnico; 01. 2004a. 23 p.

KORNDÖRFER, G.H.; PEREIRA, H.S.; NOLLA, A. Análise de silício: solo planta e fertilizante. Uberlândia, GPSi-ICIAG-UFU, Boletim Técnico; 02. 2004b. 50 p.

MALAVOLTA, E. Elementos de nutrição de plantas. Piracicaba: Agronômica Ceres, 1980. 251p.

PEREIRA, H.S.; VITTI, G.C., KONDÖRFER, G.H. Comportamento de diferentes fontes de Silício no solo e na cultura do tomateiro. Revista Brasileira de ciência do solo, Lavras, n.27, p. 101-108, 2003.

RAMOS, L.A. Reatividade de fontes de silício e sua eficiência na absorção e acumulação na cultura do arroz irrigado. 2005. 63f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2005.

SEIFFERT, M. E. B. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. 1. Ed. São Paulo: Atlas, 2009. 310 p.

ZIMMERMANN, F. J. P. Estatística aplicada à pesquisa agrícola. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2004, 402p.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Solos e Paisagens