Avaliação ecodinâmica da bacia hidrográfica do Rio Paramopama – São Cristóvão/Sergipe

Autores

  • Neise Mare de Souza Alves Universidade Federal de Sergipe
  • Débora Barbosa da Silva Universidade Federal de Sergipe
  • Helber Gomes Fortes Universidade Federal de Sergipe
  • Bruna Leidiane Pereira Santana Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1941

Palavras-chave:

Avaliação ecodinâmica. Bacia do rio Paramopama. Recursos hídricos. Unidades de paisagem

Resumo

A bacia do rio Paramopama drena o antigo sítio onde se instalou inicialmente a capital de Sergipe. Na atualidade, ela apresenta diferentes tipos de uso e são visíveis os impactos ambientais sobre os recursos hídricos. Este trabalho tem por objetivo avaliar o estado das unidades de paisagem da bacia segundo a ecodinâmica de Tricart (1977), a partir de um diagnóstico morfodinâmico. Os procedimentos metodológicos foram: levantamento bibliográfico, análise do material cartográfico e trabalhos de campo. Foram identificadas seis unidades de paisagem: Topos sub-horizontais, Vertentes fracamente antropizadas, Vertentes antropizadas, Vertentes com áreas de solo exposto, Planície aluvial e Planície Fluviomarinha. Estas unidades foram enquadradas em uma das categorias ecodinâmicas obtidas: Meios Estáveis, Meios Relativamente Estáveis, Meios Intergrades e Meios Fortemente Instáveis. Elas estão condicionadas por um conjunto de processos morfodinâmicos regulados, principalmente, pelo clima e pelas ações antrópicas. O estudo constatou-se que na bacia do rio Paramopama predominam os Meios Intergrades.

Biografia do Autor

Neise Mare de Souza Alves, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe

Débora Barbosa da Silva, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe

Helber Gomes Fortes, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe

Bruna Leidiane Pereira Santana, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe

Referências

BERTALANFFY, L. Teoria geral dos sistemas. Petrópolis, Vozes, 1973.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra, São Paulo, n. 13, p. 1-27, 1972.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL: folha SC.24/25 Aracaju/Recife: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1983. 851 p. (Levantamento de Recursos Naturais,30).

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo, Edgard Blücher, 2ª edição, 1980.

______. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Blucher, 1999. 233 p.

FORTES, H. G. Diagnóstico morfodinâmico da paisagem da bacia hidrográfica do rio Paramopama, São Cristóvão/SE. São Cristóvão: UFS, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, 2014. 41 f.

Relatório final do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica.

MACHADO P. J. O. ; TORRES F. T. P. Introdução à Hidrogeografia. São Paulo – SP. 2012. 192 p.

SANTOS, R. A. et al.. Geologia e recursos minerais do estado de Sergipe: texto explicativo do mapa geológico do estado de Sergipe. Brasília: CPRM; Aracaju: CODISE, 1998.

SANTOS, E. M. de O. Degradação ambiental na bacia do rio Paramopama no município de São Cristóvão em Sergipe (BRASIL). 2007. 60p. Monografia (Especialização)

SERGIPE. Secretaria do Planejamento e da Ciência e Tecnologia. Atlas digital sobre recursos hídricos de Sergipe. Aracaju, 2002. 1 CD-ROM.

______. Base cartográfica dos municípios litorâneos de Sergipe. Aracaju, 2003. Fotografias aéreas. Escala 1:25.000. 1 CD-ROM. Cobertura do município de Spão Cristóvão.

SOTCHAVA. V. B. O estudo do Geossistemas. Método em Questão, São Paulo, n. 16, 1977.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977. 91 p. (Recursos naturais e meio ambiente, 1).

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão