Trabalho de campo como instrumento de ensino de geografia física: um relato de experiência na Lagoa Salgada, região norte do estado do Rio de Janeiro

Autores

  • Angélica Moreira Neves Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé
  • Rodrigo Gomes Oliveira Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé.
  • Vinícius Santos Lima Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé.

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1947

Palavras-chave:

Hipersalina. Estromatólitos. Cianobactérias. Transgressão marinha

Resumo

Este trabalho tem por objetivo o relato de experiência de uma atividade de campo como requisito da disciplina Geologia Geral do curso de licenciatura em Geografia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé, realizado no município de Campos dos Goytacazes na Lagoa Salgada, corpo lêntico hipersalino, construído em processos transgressivos-regressivos na planície costeira do rio Paraíba do Sul, com presença de estromatólitos holocênicos, pertencente ao projeto “caminhos geológicos” do Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro. A lagoa Salgada (uma laguna hipersalina) ocupa uma área de 16 km² e abriga às únicas ocorrências de estromatólitos carbonáticos colunares, domais estratiformes, trombólitos e oncólitos da idade holocênica do Brasil, e provavelmente de toda a América do Sul.

Biografia do Autor

Angélica Moreira Neves, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé

Licenciando em Geografia

Rodrigo Gomes Oliveira, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé.

Licenciando em Geografia

Vinícius Santos Lima, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Macaé.

Professor Adjunto da Licenciatura em Geografia

Referências

CATALDO, Rafael Amaral. Análise dos Estromatólitos e sedimentos associados – Lagoa Salgada/RJ (monografia de graduação). Unicampi, Campinas/SP, 2011.

GARÇÃO, Lucimar Marques da Costa; CAMPOS, Alfredo Borges de. Trabalho de campo no ensino de Geografia Física: um relato de experiência no Parque Estadual do Jalapão do Tocantins. In: Temporis (ação), v.11, n. 1, p. 115- 130, jan./dez. 2012.

HUERTAS, Daniel Monterio. Além do aspecto puramente acadêmico: o trabalho de campo como uma verdadeira experiência de vida.P.p. 149 – 156. In: GEOUSP - Espaço e Tempo, São Paulo, Nº 21, 2007.

LACOSTE, Ives. A pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. São Paulo, AGB/SP, nº 11, 1-23, agosto de 1985.

LIMA, Vinícius Santos; ALVES, Leidiana Alonso; MIRO, José Maria Ribeiro; COELHO, André Luiz Nascentes. Contribuição à geografia lacustre no Brasil: estudo de caso da lagoa Feia/RJ. In: Revista Geonorte, Edição Especial 4, V.10, N.1, p.245-250, 2014.

MARTIN et al. As flutuações de nível do mar durante o quaternário superior e a evolução geológica de deltas brasileiros. In: Boletim IG-USP, Publicação Especial nº15, 186p. 1993.

SILVA, Juliana Ribeiro da; SILVA, Míriam Belarmindoda; VAREJÃO, José Leonídio. Os (dês) caminhos da educação: a importância do trabalho de campo na geografia. Revista VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/RJ, v. 12, n. 3, p. 187-197, set./dez. 2010.

SILVA, Loreine Hermida da Silva; IESPA, Anderson Andrade Cavalcanti; IESPA, Cynthia Moreira Damazio. Composição dos Estromatólitos Estratiformes da Lagoa Salgada, Rio de Janeiro, Brasil Composition of the Stratiform Stromatolites of Lagoa Salgada, Rio de Janeiro, Brazil. In: Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ - Vol. 31 -2 / 2008 p. 42-49.

SRIVASTAVA, N.K. 1999. Estromatólitos Recentes, Lagoa Salgada, RJ. SIGEP 41.

TOMITA, Luzia M. Saito. Trabalho de campo como instrumento de ensino em Geografia. In: Geografia Londrina, v. 8, n. 1, p. 13-15, jan./ jun. 1999.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino