Leitura da paisagem como estratégia para proteção do patrimônio natural:uma experiência na RPPN Estadual Mo’ã em Itaara/RS

Autores

  • Leticia Ramires Corrêa Universidade Federal de Santa Maria
  • Tuane Telles Rodrigues Universidade Federal de Santa Maria
  • Cibele Steffano Universidade Federal de Santa Maria
  • Marina Deon Ferrarese Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1956

Palavras-chave:

Interpretação Ambiental. RPPN Estadual MO’Ã. Trilha interpretativa

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo propor uma estratégia de leitura da paisagem por meio de uma trilha interpretativa na RPPN Estadual MO’Ã, que localiza-se no município de Itaara/RS. Por meio desta proposta,pretende-se ressaltar a valorização e preservação do patrimônio natural presente na RPPN, por meio da Interpretação Ambiental. Para isso buscou-se utilizar o método de análise sistêmica, pois para haver Interpetação Aambiental tem-se que compreender todos os elementos e suas relações entre si, para traduzí-las ao visitante. Portanto, as saídas de campo,permitiram que se elegesse como eixo principal da interpretação a mata ciliar, justamente pela sua dinâmica peculiar, transformadorada paisagem em períodos de elevada pluviosidade. Foram elencados 6 pontos para uma trilha autoguiada de 1,5Km no entorno do rio que faz a divisa da RPPN Estadual MO’Ã com outra propriedade. O meio interpretativo escolhido foi o folder, a fim de atribuir autonomia ao visitante em escolher os pontos de seu interesse.

Biografia do Autor

Leticia Ramires Corrêa, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociencias/Curso de Pos-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria

Tuane Telles Rodrigues, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociencias/Curso de Pos-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria

Cibele Steffano, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociencias/Curso de Pos-graduação em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria

Marina Deon Ferrarese, Universidade Federal de Santa Maria

Departamento de Geociencias/Aluna Especial do curso de graduação em Geografia/ Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

BIGARELLA,J.J. Estrutra e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2003.

BRAGA, A.R.GRABHER,C;LAHÓZ,F.C.C;GOTARDI,K.R. Educação Ambiental para gestão de recursos hídricos:livro de orientação para o educador. São Paulo:Consórcio PCJ, 2003

BRASILPortaria n. 143, de 23 de dezembro de 2014b. Reconhece o Corredor Ecológico da Quarta Colônia, como instrumento de gestão territorial para promoção da conectividade entre o Parque Estadual da Quarta Colônia e demais alvos prioritários de conservação da biodiversidade identificados na região. Secretaria do Meio Ambiente. Diário Oficial do Estado, Porto Alegre, RS. 16 dez. 2014. Disponível em: <http://www.biodiversidade.rs.gov.br/arquivos/14601366082014_Portaria_SEMA_n__143_Corredor_Ecologico_4__Colonia._nota_COM_MAPA.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2016.

_______Lei n. 9.985 de 18 de julho de 2000, que regulamenta o art. 225, § 1°, inciso I, II, III e VII da Constituição Federal, instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Presidência da República – Casa Civil, Brasília, DF, 18 jul. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm>. Acesso em: 20 abr. 2016.

Centro de Educação, Pesquisa e Preservação Ambiental. Florística. Descrição de Espécies Florestais: CEPPA, 2008. Disponível em http://www.unicruz.edu.br/floristica/descricao.php. Acesso em 13 de Nov. de 2016.

BRITTO,M.C; FERREIRA,C.C.M. Paisagem e as diferentes abordagens geográficas.Revista de Geografia - PPGEO - v. 2, nº 1 (2011). Disponível em http://www.ufjf.br/revistageografia/files/2011/12/Revista_Geografia_Dez-2011Monique_Cristine_de_Britto1.pdf-51.pdf. Acesso em 09 de dez de 2016.

CAMPOS, J.B. et al.Unidades de Conservação: ações para a valorização da biodiversidade. Curitiba:Instituto Ambiental do Paraná, 2005.Disponível em http://observatorio.wwf.org.br/site_media/upload/gestao/documentos/IAP2005.pdf#page=29. Acesso em 13 de Nov. de 2016.

CHAMI,L;DEON,M;SILVA,G.P. RPPN MO’Ã: Meios físico e biótipo. Disponível em: http://www.sema.rs.gov.br/upload/Estudo%20T%C3%A9cnico.pdf. Acesso em 06 de Julho de 2016.

CHRISTOFOLETTI, A. Análise de Sistemas em Geografia. São Paulo: HUCITEC, 1979.

FERRARESE,M.D. Floristica de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural em fragmento de Mata Atlântica(Itaara,RS,Brasil). Dissertação (de mestrado agrobiologia) 2016, 80p.

FLORA DIGITAL.Araucariaangustifolia (Bertol.) Kuntze. Disponível em http://www.ufrgs.br/fitoecologia/florars/open_sp.php?img=1179. Acesso em 14 de Nov. de 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. 2015. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=431053. Acesso em 06 de julho de 2016.

LIMA-GUIMARÃES, S.T. Trilhas Interpretativas e Vivências na Natureza:aspectos relacionados à percepção e interpretação da paisagem. Caderno de Geografia, v.20, n.33, 2010. Disponível em http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/viewFile/1940/2117. Acesso em 18 de Nov. de 2016.

KORMANN, T. C.; ROBAINA, L. E. de S.; FOLETO, E. M. Mapeamento Geoambiental como subsídio à gestão de futura RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) em Itaara/RS. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 13. 2009, Viçosa/MG. Anais... Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2009. CD-ROM.

KORMANN, T. C.THOMAS,B.L;NASCIMENTO,D.B.FOLETO, E.M Contribuição Geográfica na Criação de uma Reserva Particular do Patrimonio Natural (RPPN) em Itaara- RS. Revista Geografar, Curitiba, v. 5, n. 2, p. 13-31, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/geografar/article/view/20138>. Acesso em 22 de jul. de 2016.

MAIEVES, H.A.et al.Uva-do-japão (Hoveniadulcis): Valor nutricionale aceitabilidade. Paraná, EMBRAPA, 2015. Disponível em http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/141814/1/Comunicado-Tecnico-361-2015-29-03-2016.pdf. Acesso em 20 de Nov. de 2016.

MAGRO,T.C.FREIXÊDAS,V.M. Trilhas: como facilitar a seleção de pontos interpretativos. CIRCULAR TÉCNICA IPEF n. 186, Setembro de 1998.

NASCIMENTO, C.E.S. A importância das matas ciliares: rio São Francisco. Petrolina, PE: Embrapa Semi-Árido, 2001. Disponível em http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/public_eletronica/downloads/SDC179.pdf. Acesso em 10 de dez. de 2016.

Secretaria do Meio Ambiente. Instituto Florestal. Manejo de Trilhas: Um Manual para Gestores. São Paulo: IF Série e Registros, n.35. 2008.

SILVA,D.M. A Caracterização da Interpretação Ambiental pelo conteúdo das mensagens: analise da atividade de um guia do Parque Estadual Mata dos Godoy(Londrina/PR. 2012,90f. Dissertação (mestrado em Ciências e Educação Matemática). Universidade Estadual de Londrina, 2012. Disponível em http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Pesquisa%20em%20UCs/Autorizacao_e_Projetos_2014/projeto_001.pdf. Acesso em 20 de set. de 2016.

SOUZA, L.P.M. Plano de gestão turística do GeossitioGauritas-Caçapava do Sul/RS. 2014, 52f. Monografia (de graduação em Geografia). Universidade Federal de Santa Maria,2011.

TILDEN, F. Interpreting Our Heritage. The University of North Carolina Press, Chapel Hill. North Carolina, 1977.

VICENTE, R.R. A pesquisa no ensino de biologia: avaliação da qualidade do ar utilizando liquens como bioindicadores. 2012. Monografia (de especialização em Ensino de Ciências). Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Medianeira. 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geodiversidade, Geoarqueologia e Patrimônio Natural