Educação ambiental: uma forma de sensibilização nas comunidades da cidade de Rio Largo, AL

Autores

  • Carlos de Oliveira Bispo Universidade Federal de Pernambuco
  • Silas Silva Medeiros Universidade Federal de Pernambuco
  • Nivaneide Alves De Melo Falcão Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1962

Palavras-chave:

Riscos. Planejamento territorial. Educação

Resumo

O presente artigo objetiva mostrar a importância da execução de atividades ligadas à educação ambiental, visando a sensibilização das comunidades suscetíveis a desastres na Cidade de Rio Largo – AL, proveniente  do Projeto PIBIC/UFAL (2015-2016). A ocupação de áreas irregulares aumenta o risco de desastres ambientais, causados pelos movimentos de massa; a educação ambiental torna-se uma ferramenta importante ajudando a minorar a possível ocorrência destes. A metodologia baseou-se no levantamento bibliográfico, elaboração de um programa de prevenção à riscos, base para as palestras nas escolas da cidade de Rio Largo, também aconteceram duas visitas de campo. A pesquisa permitiu identificar que o padrão de ocupação da cidade pesquisada está muito aquém do esperado, há ocupação de muitas áreas suscetíveis à deslizamentos e principalmente enchentes.  A falta de consciência ambiental da população e a carência de políticas públicas de saneamento básico são os principais agravantes antrópicos desestabilizadores do clímax ambiental.

Biografia do Autor

Carlos de Oliveira Bispo, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas

Silas Silva Medeiros, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas

Nivaneide Alves De Melo Falcão, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas

Referências

ARAÚJO, L. A. de. Danos Ambientais na cidade do Rio de Janeiro. IN: GUERRA, Antonio José Teixeira & CUNHA, Sandra Batista. (ORG). Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. 4ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. Cap. 9 p. 347-402.

BOTELHO, R. G. M. Bacias Hidrográficas Urbanas. In: A. J. T. GUERRA (org). Geomorfologia Urbana. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 2011. pp.71-116.

BRASIL. lei no 9.795, de 27 de abril de 1999.Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm> Acesso em: 06 jan.2015.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Comunidade mais segura: mudando hábitos e reduzindo os riscos de movimentos de massa e inundações / coordenação Jorge Pimentel; autores Jorge Pimentel, Carlos Eduardo Osório Ferreira, Renaud D.J. Traby, Noris Costa Diniz. – Rio de Janeiro: CPRM, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Rio Largo_histórico. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=270770&search=alagoas|rio-largo|infograficos:-historico >. Acesso em: 29. jan. 2016.

_____________________________. Santa Luzia do Norte, histórico. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=270790&search=alagoas|santa-luzia-do-norte|infograficos:-historico>. Acesso em: 29. jan. 2016.

NASCIMENTO, M. F. F. Percepção e educação ambiental na prevenção aos riscos geológicos em encostas: um estudo de caso na comunidade de Padre Hugo, no bairro de Canabrava, Salvador – BA. 2011. 200 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental Urbana) – Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

OLIVEIRA, R. P. V. Mapeamento de Áreas de Risco. Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://www.unicamp.br/fea/ortega/temas530/ricardo.htm. Acesso em: 28/07/2016.

PAIVA FILHO, A. Rio Largo: cidade operária. Maceió: SENAI/AL, 2013.

REIGOTA, M. O que é educação ambiental. Brasiliense, São Paulo, 1994.

RODRIGUES, C.; GOUVEIA, I. C. M. C. Importância do fator antrópico na redefinição de processos geomorfológicos e riscos associados em áreas urbanizadas do meio tropical úmido. Exemplos na Grande São Paulo. In: GUERRA, A. J. T; JORGE, M. C. O. Processos erosivos e recuperação de áreas degradadas. São Paulo: Oficina de Textos, 2013, pp. 66-92.

SILVA, W. J. M. S. da. et al. Comportamento da morfologia externa de Eichhornia Crassipes (Mart) Solms em função da poluição aquática. Recife: UFPE, 2015. Disponível em: <http://www.eventosufrpe.com.br/2015/cd/resumos/R0140-1.html> Acesso em: 16 fev. 2016.

SULEIIMAN, H. C. Mapeamento preliminar de áreas urbanas de inundação. 2006. 146f. Dissertação (Mestrado Engenharia Urbana) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2006.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino