Paisagens de Torre de Pedra (SP): avaliação do potencial turístico e subsídios ao planejamento territorial

Autores

  • Jéssica Vieira de Faria Universidade de São Paulo
  • Yuri Tavares Rocha Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1968

Palavras-chave:

Geoturismo. Unidades de paisagem. Geoecologia da paisagem. Geoecologia

Resumo

O relevo paulista apresenta formas geomorfológicas excepcionais. Um exemplo é o morro residual conhecido como Torre de Pedra, no interior do estado. Dado a presença destes morros testemunhos e a preocupação de algumas instâncias de órgãos públicos em preservar os monumentos geológicos do estado, a pesquisa analisará possibilidades de uso do solo na região e promoção o turismo na área. O objetivo geral da pesquisa é avaliar o potencial turístico do município de Torre de Pedra (SP). Para isso, haverá uma avaliação do estado ambiental prévio da área de estudo. Em seguida, será realizada uma análise integrada de variáveis qualitativas para avaliar o potencial turístico. Também será realizado levantamento bibliográfico sobre modos de turismo em que a geodiversidade é destacada. Espera-se verificar que há potencial turístico na área de estudo, assim como levantar indicações de uso do solo que subsidiem o planejamento territorial.   

Biografia do Autor

Jéssica Vieira de Faria, Universidade de São Paulo

Departamento de Geografia/Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Yuri Tavares Rocha, Universidade de São Paulo

Departamento de Geografia/Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Referências

AB´SABER, A. Regiões de Circundenudação Pós-Cretácea, no Planalto Brasileiro. In: Boletim Paulista de Geografia, nº 1, AGB São Paulo, 1949.

ALMEIDA, F.F.M. Fundamentos Geológicos do Relevo Paulista. Geologia do Estado de São Paulo, nº41, Instituto Geográfico e Geológico. São Paulo, 1974.

ALMEIDA, F.F.M. Relevo de Cuestas na Bacia Sedimentar do Rio Paraná. In.: Boletim Paulista de Geografia, nº3, AGB São Paulo, 1949

BASTIAN, O. Landscape classification in Saxony (Germany) - a tool for holistic regional planning. In: Landscape and Urban Planning, 50, 2000. p. 145-155.

BERTALANFFY, L.V. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis: Vozes, 1973.

BERTRAND,G. Paisagem e Geografia Física Global – Esboço metodológico. R. RA´E GA, Curitiba, n. 8, p. 141-152, 2004.

COMGEO-SP. Disponível em: <http://www.ambiente.sp.gov.br/comgeo/> Acesso em dezembro de 2016.

ESTADO DE SÃO PAULO. Decreto Estadual Nº 20,960, de 8 de junho de 1983. Disponível em : <http://licenciamento.cetesb.sp.gov.br/legislacao/estadual/decretos/1983_Dec_Est_20960.pdf> Acesso em junho de 2013.

GRAY, M.; GORDON, J.E.; BROWN, E.J. Geodiversity and the ecosystem approach: the contribution of geoscience in delivering integrated environmental management. In: Proceedings of the Geologists’ Association, 124. 2013. p. 659–673.

IBGE CIDADES. Disponível em: < http://www.cidades.ibge.gov.br/ > Acesso em março de 2016.

INSTITUTO GEOLÓGICO. Projetos Monumentos Paulistas. Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, São Paulo, 2010.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (IPT) – Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo, 1981.

INSTITUTO FLORESTAL. APAs Estaduais. Disponível em: <http://fflorestal.sp.gov.br/unidades-de-conservacao/apas/ > Acesso em março de 2016

LIMA, A.C.G. (Coord.) Inventário da Oferta Turística. Brasília: Ministério do Turismo, 2011. 38p.

MARTINELLI, M; PEDROTTI, F. A cartografia das unidades de paisagem: questões metodológicas. In: Revista do Departamento de Geografia. N°14. FFLCH-USP, São Paulo, 2001. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/rdg/article/viewFile/47311/51047> Acesso em janeiro de 2016.

MATEO-RODRIGUEZ, J. Geografia de los paisajes. UC, 2000.

MATEO-RODRIGUEZ, J.; SILVA, CAVALCANTI, A.P. Geoecologia da Paisagem, uma visão geossistêmica da análise ambiental. 2. ed. Fortaleza: UFC Edições, 2007. 222 p.

MONTEIRO, C.A.F. Geossistemas: a história de uma procura. São Paulo: Contexto, 2000, 128p.

NASCIMENTO, M. A. L. do; RUCHKYS, U. A.; MANTESSO-NETO, V. Geodiversidade, Geoconservação e Geoturismo – trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia, 2008.

NEWSOME, D.; DOWLING, R.; LEUNG, Y. The nature and management of geotourism: A case study of two established iconic geotourism destinations. In: Tourism Management Perspectives. 2012. p. 19-27.

NUCCI, J. Metodologia para determinação da qualidade ambiental urbana. In: Revista do Departamento de Geografia. São Paulo: Departamento de Geografia da USP, 1998. p 209-224.Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rdg/article/viewFile/53740/57703

PISSINATI, Mariza C.; ARCHELA, Rosely S. Geossistema território e paisagem - método de estudo da paisagem rural sob a ótica bertrandiana. Geografia - v. 18, n. 1, jan./jun. 2009 – Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Geociências. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/> Acesso em novembro de 2016

MATEO-RODRIGUEZ, J.M.M., SILVA, E.V. A classificação das paisagens a partir de uma visão geossistêmica. In: Mercator - Revista de Geografia da UFC, ano 01, número 01. Fortaleza: UFC, 2002. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/view/198/164> Acesso em ago. 2016.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxionomia do relevo. In: Revista do Departamento de Geografia da USP. São Paulo: n. 6. 1992. 17-29p.

ROSS, J.L.S. & MOROZ, I. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo, 1 :50.000. Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, SP, 1997.

ROSS, J.L.S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. In: Revista do Departamento de Geografia. N°8. FFLCH-USP, São Paulo, 1994.

ROSS, J.L.S. Geomorfologia Ambiente e Planejamento (3a. Reimpressão). São Paulo : Contexto, 2010.

RUBAN, D.A. Geotourism — A geographical review of the literature. In: Tourism Management Perspectives. 2015. p. 1-15.

S.O.S CUESTA DE BOTUCATU. Áreai de Proteção Ambiental Corumbataí, Botucatu, Tejupá. Disponível em: <http://www.soscuesta.org.br/apa_botucatu.htm> Acesso em julho de 2016.

SOTO, S.; PINTÓ, J. Delineation of natural landscape units for Puerto Rico. In: Applied Geography, 30. 2010. p. 720–730.

SPÖRL, C. Análise de fragilidade ambiental relevo-solo com aplicação de três modelos alternativos nas altas bacias do rio Jaguari-Mirim, Ribeirão do Quartel e Ribeirão da Prata. Dissertação de Mestrado. Orientador: Prof. Dr. Jurandyr Luciano Sanches Ross. FFLCH: Departamento de Geografia, 2001.

SPÖRL, C.; ROSS, J. L. S. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos. In: GEOUSP – Espaço e Tempo. Nº 15. São Paulo, 2004.

TÁVORA,G.S.G.; TURETTA, A.P.D. An approach to map landscape functions in Atlantic Forest— Brazil. In: Ecological Indicators, 71. 2016. p. 557–566.

UNICAMP – Banco de dados do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas aplicadas a Agricultura – Municípios Paulistas. Disponível em: <http://www.cpa.unicamp.br/outras-informacoes/clima_muni_613.html> Acesso em novembro de 2016.

WILLEMEN, L.; VERBURGA, P.H.; HEINB, L.; van MENSVOORTA, M.E.F. Spatial characterization of landscape functions. In: Landscape and Urban Planning, 88. 2008. p. 34–43.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geodiversidade, Geoarqueologia e Patrimônio Natural