Análise preliminar de geomorfossítios da escarpa da Esperança – Paraná

Autores

  • Julio Manoel França Silva Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Chisato Oka-Fiori Universidade Federal do Paraná
  • Luiz Carlos Basso Universidade Estadual do Centro-Oeste

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1971

Palavras-chave:

Geodiversidade. Diversidade geomorfológica. Patrimônio geomorfológico

Resumo

O presente trabalho aborda o conceito de Geomorfossítio – correlato ao de Geodiversidade, e sua aplicação na Escarpa da Esperança (PR). Buscando representar diversificados contextos geomorfológicos e identificar suas potencialidades e vulnerabilidades de uso, apresenta-se uma classificação em quatro níveis analíticos que, por sua vez, agregam oito geomorfossítios amostrais, quais sejam: Escarpas Festonadas (Salto/Canyon do Rio São Francisco e Saltos Gêmeos); Formas Triangulares (Vale do Rio Charqueadas e Cabeceiras do Rio São João); Relevos Residuais (Morro do Chapéu e Morro do Pico Agudo); e Formas Elevadas (Crista Planáltica e Divisor Interplanáltico). Vislumbra-se oferecer subsídios a estudos posteriores que visem identificação de seus valores patrimoniais.

Biografia do Autor

Julio Manoel França Silva, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Professor, Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO.

Chisato Oka-Fiori, Universidade Federal do Paraná

Professora, Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná UFPR

Luiz Carlos Basso, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Professor, Departamento de Geografia da Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO.

Referências

AB’ SABER, A. N. Formas do Relevo. São Paulo: Edart, 1975.

ÁGUAS PARANÁ - Instituto das Águas Do Paraná. Mapas e Dados Espaciais. Disponível em: http://www.aguasparana.pr.gov.br. Acesso em: 5 abril 2016.

BIGARELLA, J. J.; BECKER, R. D.; SANTOS, G. F. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Vols. I e II. Florianópolis: Ed. UFSC, 1994.

BOLLATI, I.; SMIRAGLIA, C.; PELFINI, M. Assessment and Selection of Geomorphosites and Trails in the Miage Glacier Area (Western Italian Alps). Environmental Management, n. 51:951-967, 2013.

CARTON, A.; CORATZA, P.; MARCHETTI, M. Guidelines for geomorphological sites mapping: examples from Italy. Géomorphologie: relief, processus, environnement, v. 3, p. 209-217, 2005.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia fluvial. São Paulo: Ed. Edgard Blücher Ltda, 1981.

DIXON, G. Geoconservation: An International Review and Strategy Significance on Tasmania. Occasional Paper, n. 35, Parks & Wildlife Service, Tasmania. 1996.

GRAY, M. Geodiversity: Valuing and conserving abiotic nature. Londres: John Wiley & Sons Ltda, 434 p., 2004.

HOSE, T. A. Geotourism – Selling the Earth to Europe. In: MARINOS, P. G.; KOUKIS, G. C.; TSIAMBAOS, G. C.; STOURNAS, G. C. (Eds.). Engineering Geology and the Environment. Roterdam (Netherlands): Balkema, 1997.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas nacional digital. Rio de Janeiro: IBGE, 2005.

KING, L. C. A Geomorfologia do Brasil Oriental. Revista Brasileira de Geografia, v. 18, n. 2, p. 3-121, abr./jun.,1956.

KOZLOWSKI, S. The concept and scope of geodiversity. Przeglad Geologiczny, v.52, n.8/2, p.833-837, 2004. Disponível em: www.pgi.gov.pl/pdf/pg_2004_08_2_22a.pdf. Acesso em: 10 jan. 2013.

MAACK, R. Geografia Física do Estado do Paraná. 2ª ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 1981.

MILANI, E.J. Evolução tectono-estratigráfica da Bacia do Paraná e seu relacionamento com a geodinâmica fanerozóica do Gondwana Sul-ocidental. Tese (Doutorado em Geologia). Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1997, 255 p.

MINEROPAR (SERVIÇO GEOLÓGICO DO PARANÁ). Atlas geológico do Estado do Paraná. 2001. Disponível em . Acesso em 10 de jul. 2016.

OLIVEIRA, K. L.; BORN, P. A.; FICHER, D.; BONILAURI, F. Conservação e desenvolvimento na APA da Serra da Esperança. Curitiba: Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais, 2009, 44 p.

PANIZZA, M. Geomorphosites: Concepts, methods and examples of geomorphological survey. Chinese Science Bulletin, n. 46, p. 4-6, 2001.

PEREIRA, D. I.; PEREIRA, P., ALVES, M. I. C.; BRILHA, J. Avaliação do Património Geomorfológico: proposta de metodologia. Lisboa: Publicações da Associação Portuguesa de Geomorfólogos, v. 5, p. 235-247, 2007.

PEREIRA, P.; PEREIRA, D. Methodological guidelines for geomorphosite assessment. Géomorphologie: relief, processus, environnement, n. 2, p. 215-222, 2010.

PHILLIPS, J. D.; McCORMACK, S.; DUAN, J.; RUSSO, J. P.; SCHUMACHER, A. M.; TRIPATHI, G. N.; BROCKMAN, R. B.; MAYS, A. B.; PULUGURTHA, S. Origin and interpretation of knickpoints in the Big South Fork River Basin, Kentucky-Tennessee. Geomorphology, v. 114, n. 3, p. 188-198, 2010.

PRALONG, J.P. A method for assessing tourist potential and use of geomorphological sites. Géomorphologie: relief, processus, environment, n. 3, p. 189-196, 2005.

REYNARD, E.; CORATZA, P.; GIUSTI, C. Geomorphosites and Geotourism. Geoheritage, n. 3, p. 129-130, 2011.

SANTOS, L. J. C.; OKA-FIORI, C.; CANALI, N. E.; FIORI, A. P.; SILVEIRA, C. T.; SILVA, J. M. F.; ROSS, J. L. S. Mapeamento geomorfológico do estado do Paraná. Revista Brasileira de Geomorfologia, ano 7, n. 2, p. 03-12, 2006.

SCHUMM, S.; DUMONT, J.; HOLBROOK, J. Active Tectonics and Alluvial Rivers. Cambridge University Press, 2002, 292 p.

SOARES, P. C.; BARCELLOS, P. E.; CSORDAS, S. M.; MATTOS, J. T.; BALIEIRO, M. G.; MENESES, P. R. Lineamentos em imagens Landsat e Radar e suas implicações ao conhecimento tectônico da Bacia do Paraná. In: Anais do II Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Brasília, DF: INPE, 1982, p. 143-456.

STANLEY, M. Geodiversity. In: BARETTINO, D., WINBLEDON, W. A. P., GALLEGO, E. (Eds.). Geological heritage: its conservation and management. Madrid: ITGE, p. 15-18, 2000.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geodiversidade, Geoarqueologia e Patrimônio Natural