Os (des)caminhos das águas do rio Poxim em Aracaju a partir da percepção do discente

Autores

  • Claudionete Candia Araujo Universidade Federal de Sergipe
  • Maria do Socorro Ferreira da Silva Departamento de Geografia/UFS e da Pós-Graduação (PRODEMA e PROF-CIAMB). Pesquisadora do GEOPLAN/CNPq/UFS

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1974

Palavras-chave:

Ensino-aprendizagem. Teoria-prática. Impactos socioambientais. Educação ambiental

Resumo

O processo de urbanização acelerado tem provocado impactos socioambientais e afeta a vida das comunidades. O artigo objetiva avaliar os (des)caminhos das águas do rio Poxim no bairro Jabotiana em Aracaju  a partir da percepção em sala de aula. O artigo é resultado de trabalho realizado com alunos da Escola Estadual Joaquim Vieira Sobral em Aracaju como resultado do processo ensino-aprendizagem para além dos muros escolares. Dentre as ações desenvolvidas, aulas regulares e oficinas pedagógicas,  foram realizadas atividades extraclasse com os  alunos e professores durante aulas de campo e Caminhada Ecológica pelas ruas do bairro objetivando dialogar com os envolvidos sobre os impactos no Rio Poxim. Os resultados apontaram a relevância de ações educativas que possibilitam perceber o papel da escola na formação do cidadão, pois foi possível contribuir na compreensão da importância da conservação dos recursos hídricos urbanos.

Biografia do Autor

Claudionete Candia Araujo, Universidade Federal de Sergipe

Mestranda da Pós-Graduação Mestrado de Ensino em Rede Nacional para o Ensino das Ciências Ciências Ambientais – PROF-CIAMB/UFS.

Maria do Socorro Ferreira da Silva, Departamento de Geografia/UFS e da Pós-Graduação (PRODEMA e PROF-CIAMB). Pesquisadora do GEOPLAN/CNPq/UFS

Professora Adjunta do Departamento de Geografia/UFS e da Pós-Graduação (PRODEMA e PROF-CIAMB). Pesquisadora do GEOPLAN/CNPq/UFS.

Referências

ARACAJU, Plano Diretor de Aracaju. Principais pontos de alagamentos na malha viária de Aracaju. Divisão de Projetos Especiais. Empresa Municipal de Obras e Urbanização. Aracaju, 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS-Pacto Nacional pela Gestão das Águas. Disponível em: www2. ana.gov.br/userfiles/plano-diretor-V-preliminiar-jul2015/capítulo-VI-infraestrutura.pdf.

BACCI, Devise de La Corte. PATACA, Ermelinda Moutinho. Educação para a água. Revista Usp. V. 22, nº 63. 2008.

BERBERT, Carlos Oití. O Desafio das Águas. In: MARTINS, Rodrigo Constante,

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos temas transversais. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente saúde. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BUENO, Tiago da Silva; CALLAI, Helena Copetti. A Geografia da vida Cotidiana. In: Encontro Nacional de Práticas de Ensino – ENPEG: O Ensino de Geografia e suas Composições Curriculares. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

CAVALCANTE, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas: Papirus, 1998.

DEFESA CIVIL. Ministério da Integração Nacional. ANA. Disponível em: www.defesacivil.se.gov.br.

____________, Cidades e Inundações. Um guia para a Gestão Integrada do Risco de Inundação Urbana para o Século XXI. Disponível em http://dcsbcsp.blogspot.com.br/2011/06/enchente-inundacao-ou-alagamento.html. Acesso em 02/01/2017.

GONÇALVES, Candice Salermo, DIEHL, Luciana Schramm. Integrando sala de aula e ambiente. In: LISBOA, Cassiano Pamplona, KINDEL, Eunice Aita Isaia (orgs.). Educação Ambiental da teoria à prática. Porto Alegre: Mediação, 2012.

IBGE, Sinopse do Censo Demográfico 2010, disponível em

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/tabelas_pdf/Sergipe.pdf. Acesso em 02/02/2017.

JACOBI, Pedro Roberto. Governança ambiental global: uma discussão precarizada. [2012]. Disponível em, http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/510025-governaca-ambiental-global-a-adiscussao-ficara-precarizada-entrevista-especial-com-pedro-roberto-jacobi. Acesso em 02 jan. 2017.

LEFF, Henrique. Complexidade, Interdisciplinaridade e Saber Ambiental. In: PHILIPPI Jr. A. et. al. (Org). Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signus Editora, 2000. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/us000001.pdf. Acesso em 26/12/2016.

_________ Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Matilde Endlich Orth. 6. Ed. Petrópolis, RJ. Vozes, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Conversas - 1948. Trad. Fabio Landa e Eva Landa. São Paulo: Martins Fonte, 2004.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda 21 Global. Disponível em: www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21.global. Acesso em 29/12/2016.

SILVA, et. al. Índice de sustentabilidade ambiental do uso da água (ISA_ÁGUA): municípios da região do entorno do rio Poxim, SE. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2004, p.46.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

TUCCI, C. E. M. 1997. Hidrologia: ciência e aplicação. 2. ed. Porto Alegre: ABRH/Editora da UFRGS, 1997. (Col. ABRH de Recursos Hídricos, v.4).

TUNDISI, José Galizia. Recursos Hídricos no Século XXI. Planejamento e Gestão dos Recursos Hídricos: Novas Abordagens e Tecnologias. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino