Vulnerabilidade ambiental da região Costa das Baleias – Bahia

Autores

  • Sirius de Oliveira Souza Universidade Estadual de Campinas
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1983

Palavras-chave:

Geomorfologia costeira. Planejamento. Litoral

Resumo

A pressão de uso sobre as zonas costeiras e os seus efeitos sobre o equilíbrio dos ecossistemas têm sido um assunto, frequentemente, abordado na literatura científica. Tal situação leva os planejadores a desenvolverem modelos de estudos costeiros integrados. A partir destes estudos, objetivar-se-á neste trabalho analisar a vulnerabilidade ambiental da Região Costa das Baleias – BA, por meio de técnicas de geoprocessamento, com o intuito de subsidiar o ordenamento ambiental. Nesta pesquisa foram elaborados índices de vulnerabilidade ambiental a partir da integração das características geológicas, pedológicas, clinográficas e de uso e ocupação da terra. As classes que apresentam vulnerabilidade muito alta e alta incluem os manguezais, os ambientes flúviolagunares e a linha de costa. Na classe que apresenta vulnerabilidade ambiental média estão incluídos áreas da planície costeira e as encostas dos tabuleiros. As classes de baixa e muito baixa vulnerabilidade abrangem os topos dos tabuleiros costeiros. Os resultados encontrados poderão ser utilizados como instrumento de ordenamento ambiental.

Biografia do Autor

Sirius de Oliveira Souza, Universidade Estadual de Campinas

Doutor pelo Insituto de Geociências –IG da Universidade Estadual de Campinas

Regina Célia de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Docente do Insituto de Geociências –IG, Universidade Estadual de Campinas

Referências

ANDRADE, A. C. S.; DOMINGUEZ J.M. L., Informações Geológico-Geomorfológicas como Subsídios a Análise Ambiental: o Exemplo da Região Planície Costeira de Caravelas – Bahia. Boletim Paranaense de Geociências, Paraná. v. 51, p.9–17. 2002.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Portal da Legislação: Leis Ordinárias. 2013. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.html.> Acesso em 15 set. 2013.

BRASIL. Lei n. 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências, Brasília, DF. Portal da Legislação: Leis Ordinárias, 2013.Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6766.htm>. Acesso em 10 de Jan. 2014.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S.; AZEVEDO, L. G.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V.; Curso de sensoriamento remoto aplicado ao zoneamento ecológico-econômico: metodologia desenvolvida para subsidiar o Zoneamento Ecológico-Econômico. INPE, São José dos Campos. 1996.

DOMINGUEZ, J. M. L. (org.). Costa das Baleias: Caracterização da Zona Costeira dos Municípios de Alcobaça, Caravelas, Nova Viçosa e Mucuri. Salvador: CBPM / UFBA – CPGG / LEC, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE, Mapa de climas do Brasil, diretoria de geociências, 2007. < disponível em http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/default_prod.shtm#MAPAS. Acesso em 18 de dez.2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico de Uso da Terra. Manuais Técnicos em Geociências, n. 7, 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

_____________________________________________________.

Censo 2010. Disponível em: <http://censo2010.ibge.gov.br/>. Acesso em: 12 dez. 2015.

MORAES, A. C. R.. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Annablume, 2007.

NASCIMENTO, D. M. C.; DOMINGUEZ, J. M. L.; Avaliação da vulnerabilidade ambiental como instrumento de gestão costeira nos municípios de Belmonte e Canavieiras, Bahia. Revista Brasileira de Geociências, 39:395-408.2009.

NICOLODI, J. L.; PETERMANN, R. M.. Mudanças Climáticas e a Vulnerabilidade da Zona Costeira do Brasil: aspectos ambientais, sociais e tecnológicos. Revista da Gestão Costeira Integrada, v. 10 n. 2, p. 151-177, 2010.

OLIVEIRA, R. C.. Zoneamento Ambiental como subsídio ao planejamento no uso da terra do município de Corumbataí-SP. 2003. Tese. (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). UNESP - Rio Claro, Rio Claro.

ROSS, J. L. S., Ecogeografia do Brasil: Subsídios para planejamento ambiental. 1ª ed. Editora Oficina de Textos, São Paulo 2006.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA - SEI. Mapas digitalizados do Estado da Bahia: base de dados. Salvador: SEI, 2012. (CD-ROM).

SOUZA. S. O.. Vulnerabilidade Ambiental da Planície Costeira de Caravelas (Bahia): Uma proposta geossistêmica. 2013. Dissertação, (Pós-Graduação em Geografia). UFES – Vitória.

SOUZA, S. O.. Geotecnologias Aplicadas à Análise Espaço temporal do Uso e da Ocupação da Terra na Planície Costeira de Caravelas (BA). Boletim Goiano de Geografia, [S.l.], v. 35, n. 1, p. 71-89, mai. 2015. Disponível em: <http://www.revistas.ufg.br/index.php/bgg/article/view/35485>. Acesso em: 15 Dez. 2015.

TAGLIANI, C. R. A.. Técnica para avaliação da vulnerabilidade de ambientes costeiros utilizando um Sistema Geográfico de Informações. Porto Alegre, UFRGS. 2002. Disponível em: < http://www.praia.log.furg.br/Publicacoes/2003/2003c.pdf >. Acesso em: 10 jan. 2014.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Dinâmica e Gestão de Zonas Costeiras