A resex do delta do Parnaíba como instrumento de gestão socioambiental do ambiente costeiro do Maranhão

Autores

  • Francisco Wendell Dias Costa Universidade Estadual Paulista
  • Messias Modesto dos Passos Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1991

Palavras-chave:

Delta do Parnaíba. Gestão. Socioambiental

Resumo

Aborda-se as múltiplas intervenções que ocorrem na Resex do Delta do Panaíba que se coonfigura como instrumento de gestão socioambiental da zona costeira do Maranhão O objetivo geral é analisar a Resex do Delta do Parnaíba como um instrumento de gestão socioambiental do ambiente costeiro do Maranhão. Para tanto, a metodologia foi desenvolvida com base no método hipotético-dedutivo e na abordagem qualitativa descritiva, bem como em procedimentos metodológicos: levantamento e análise bibliográfica e pesquisa documental. O processo de gestão socioambiental da área está pautado no compartilhamento de poder de decisão e nos dispositivos legais criados para planejar e gerir os atributos físicos-naturais e socioculturais da Resex do Delta do Parnaíba, sendo compreendida sua dimensão e importância para a gestão do ambiente costeiro do Maranhão.

Biografia do Autor

Francisco Wendell Dias Costa, Universidade Estadual Paulista

Dourando em Geografia, PPGGE/FCT/UNESP, GADIS/LIDA.

Messias Modesto dos Passos, Universidade Estadual Paulista

Prof. Dr./Departamento de Geografia da FCT/UNESP

Referências

BECKER, Olga Maria Schild. A reserva extrativista como instrumento de gestão territorial e ambiental. In: STEINBERGER, Marília (Org.). Território, ambiente e políticas públicas espaciais. Brasília: Paralelo 15 e LGE Editora, 2006. p. 349-369.

BERTONE, Leonor Ferreira; MELLO, Neli Aparecida de. Perspectiva do ordenamento territorial no Brasil: dever constitucional ou apropriação política? In: STEINBERGER, Marília (Org.). Território, ambiente e políticas públicas espaciais. Brasília: Paralelo 15 e LGE Editora, 2006. p. 125-150.

BRASIL. Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/leis/6938.htm>. Acesso em 29 de março de 2013.

CAVALCANTI, Agostinho; VIADANA, Alder Guilherme. Organização do espaço e análise da paisagem. Rio Claro: UNESP – IGCE, 2007.

CORIOLANO, Luzia Neide M. T. Do local ao global: o turismo litorâneo cearense. 3. ed. Campinas: Papirus, 2002.

COUTINHO, Maria. Ecoturismo: Reservas Extrativistas no Brasil e Experiências da Costa Rica. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2000.

DUMITH, Raquel de Carvalho. A importância da gestão compartilhada e das áreas marinhas protegidas para sistema socioecológico da pesca artesanal: o caso das reservas extrativistas marinhas. In: Revista GeoTextos, vol. 8, n. 2, dez. 2012. Disponível em:<http://www.portalseer.ufba.br/index.php/geotextos/article/view/6281/4664>. Acesso em: 20 de janeiro de 2015.

El-ROBRINI, Maâmar et al. Maranhão: erosão e progradação do litoral brasileiro. Brasília: MMA, 2006. Disponível em:<http://www.mma.gov.br/estruturas/sigercom/ma-erosaopdf>. Acesso em: 25 de novembro de 2008.

EMBRATUR–IEB. Pólos de Ecoturismo- Planejamento e Gestão. São Paulo: Terragraph, 2001.

FARIA, Helder Henrique de; PIRES, Andréa Soares. Atualidades na Gestão de Unidades de Conservação. In: ORTH, Dora. DEBETIR, Emiliana (Orgs.). Unidades de Conservação: gestão e conflitos. Florianopólis: Insular, 2007. p. 11-42.

FEITOSA, A. C.; TROVÃO, J. R. Atlas Escolar do Maranhão: Espaço histórico e cultural. João Pessoa: Editora Grafset, 2006.

FOGLIATTI, Maria Cristina; FILIPPO, Sandro; GOUDARD, Beatriz. Avaliação de impactos ambientais: aplicação aos sistemas de transporte. São Paulo: Editora Interciência, 2004.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Roteiro metodológico para a gestão de área de proteção ambiental. Brasília: Edições IBAMA, 2001.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Cidades - Censo 2010. Disponível em:<http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/uf.php?lang=&coduf=21&search=maranhaoepiaui>. Acesso em: 14 de março de 2016.

MARQUES, Anésio da Cunha; NUCCI, João Carlos. (2007). Planejamento, gestão e plano de manejo em Unidades de Conservação. In: Revista Ensino e Pesquisa (União da Vitória), v. 4, 2007, p. 33-39.

MATTOS, Flávia Ferreira de. Reservas morais: estudo do modo de vida de uma comunidade na Reserva Extrativista do Delta do Parnaíba. Dissertação de Mestrado. Seropédica (RJ): Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2006. 157p.

______. Unidades de Conservação, Turismo e Inclusão Social: O caso da RESEX Marinha do Delta do Parnaíba. 2007. p. 1-17. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT16-834-588-20080517142534.pdf>. Acesso em: 02 de março de 2016.

MORAES, Antonio Carlos Robert. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma Geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Annablume, 2007.

SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Petrópolis, 2005.

SANTOS, Cleverson Zapelini; SCHIAVETTI, Alexandre. Reservas extrativistas marinhas do Brasil: contradições de ordem legal, sustentabilidade e aspecto ecológico. In: Boletim Instituto de Pesca. São Paulo, 2013. p. 479-494. Disponível em: <ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/39_4_479-494.pdf>. Acesso em 12 de janeiro de 2015.

SCHERER, M.; NEGREIROS, D. H. Gestão das Zonas Costeiras e as Políticas no Brasil: um diagnóstico. Red Iberoamericana de Manejo Costeiro, 2009.

SILVA, Jessyca Ferreira da; LIMA, Cristiane dos Santos. Expansão urbana na zona costeira de São Luís-MA: a gestão ambiental inserida no gerenciamento costeiro. In: Anais do IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Salvador-BA, 2013.

SPÓSITO, Eliseu Savério. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: UNESP, 2004.

ZEE - Zoneamento Ecológico-Econômico do Baixo Rio Parnaíba: subsídios técnicos, relatório final. Brasília, 2002.

Vídeo Consultado:

SAVAGET, Raiz comunicações e Realização (produção). Pólo de Ecoturismo Delta do Parnaíba. Secretária de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável: MMA, 2002.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Dinâmica e Gestão de Zonas Costeiras