Trabalho de campo na geografia: construindo possibilidades de ensino e aprendizagem sobre o Rio Grande do Sul

Autores

  • Daniel Cristianetti Tessaro Universidade de Passo Fundo

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1995

Palavras-chave:

Educação no contexto atual. Ensino da Geografia. Trabalho de campo

Resumo

Dentre as várias maneiras de se transmitir conhecimento geográfico, considera-se o trabalho de campo uma atividade metodológica indispensável no sentido de compreender e entender o espaço, favorecendo, assim, uma ligação entre a teoria e a prática. Consequentemente, esta pesquisa consiste em formar uma análise crítica e minuciosa da importância do trabalho de campo e a forma de como ele vem sendo executado no ensino da Geografia, nos cursos de licenciatura e na educação básica (Ensino Fundamental e Ensino Médio).   A metodologia apresentada no decorrer, centra-se em um relato de trabalho de campo realizado em vários ambientes do Estado do Rio Grande do Sul, desenvolvido por intermédio da Universidade de Passo Fundo, em conjunto com alunos e professores do II e IV Nível de Geografia Licenciatura.

Biografia do Autor

Daniel Cristianetti Tessaro, Universidade de Passo Fundo

Instituto de Ciências Exatas e Geociências

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC/SEF, 1997.

CALLAI, H. C. O ensino de geografia: recortes espaciais para análise. In: CASTROGIOVANNI et al. (Org.) Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros, Seção Porto Alegre, 1998.

CASTROGIOVANNI, A. C. E agora, como fica o ensino da Geografia com a globalização? In: CASTROGIOVANNI et. al. (Org.). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. 3. ed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2001.

CAVALCANTI, L. S. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa, 2002.

FANTINEL, L. M. Práticas de campo em fundamentos de geologia introdutória: papel das atividades de campo no ensino de fundamentos de geologia no curso de geografia. Campinas: Inst. Geociências. UNICAMP. 2000. (Dissert. mestrado em Educação Aplic. Geociências).

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática educativa. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. Porto Alegre: ed. Artes Médicas, 2000.

KAERCHER, N. A. O gato comeu a geografia crítica? Alguns obstáculos a superar no ensino-aprendizagem de geografia. In: PONTUSCHKA, N. N. e OLIVEIRA, A.U. (Org.). Geografia em Perspectiva: ensino e pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002. p. 221-231.

LACOSTE, Y. A Geografia - isso serve em primeiro lugar, para fazer a guerra. ed.4.Campinas: Papirus, 1997.

____. Pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. São Paulo, AGB/SP, n. 11, 1-23, agosto de 1985.

NEVES, K. F. T. V. Os trabalhos de campo no ensino da geografia: reflexões sobre a prática docente na educação básica. Ilhéus: Editus, 2010.

OLIVEIRA, A. U. Para onde vai o ensino de geografia? São Paulo: Contexto, 2008.

PONTUSCHKA, N. N. Fundamentos para um projeto interdisciplinar: supletivo profissionalizante. In: PONTUSCHKA, N. N. e OLIVEIRA, A. U. (Org.). Geografia em Perspectiva: ensino e pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002. p. 187-194.

ROSS, J. L. S. (org.). Geografia do Brasil. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 2005.

SANTOS, M. Técnica, Espaço, Tempo: Globalização e meio técnico-científico. São Paulo: Hucitec, 1994.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino