Considerações sobre a geografia física : conceitos, métodos e aplicações

Autores

  • Sírius Oliveira Souza Universidade Estadual Paulista
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.1996

Palavras-chave:

Ensino. Geografia Física. Ensino superior

Resumo

Um dos objetivos da ciência geográfica é estabelecer relações entre o homem, a sociedade e o meio ambiente, analisando interações e  mudanças que ocorrem no decorrer da escala temporal e espacial, procurando estabelecer relações de compreensão para explicar a realidade do estado atual do espaço geográfico. Com o intuito de descrever os principais conceitos, métodos e aplicações da Geografia Física na atualidade, apresenta-se a seguir uma breve discussão sobre duas linhas teóricas comumente utilizadas em pesquisas de Geografia Física: a Dialética da Natureza e a Teoria Geral dos Sistemas. Logo depois, dentre a gama existentes de campos de atuação e/ou subáreas da Geografia Física, destaca-se abaixo as cinco disciplinas pertencentes ao núcleo básico e específico do curso de Geografia, seguido por uma breve descrição de uma aplicação didática que contemple conceitos e métodos específicos. Destaque deve ser dado à necessidade de superar a abstração do ensino de Geografia Física, tendo o aluno enquanto sujeito do processo de ensino-aprendizagem no conhecimento do espaço geográfico. 

Biografia do Autor

Sírius Oliveira Souza, Universidade Estadual Paulista

Pós-Doutorando do Departamento de Planejamento Territorial e Geoprocessamento – UNESP.

Regina Célia de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Insituto de Geociências –IG, Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AB´SÁBER, A. N. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário. Geomorfologia. n. 18, IG-USP, S. Paulo, 1969.

ABREU, A.. A de. Análise Geomorfológica: Reflexão e Aplicação.SP: FFLCH-USP, Tese de Livre Docência, 1983.

ANDRADE, M. C. de. Geografia: ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo : Atlas, 1992.

AYOADE, J.O. Introdução à climatologia para os trópicos. 8aed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.2002, 332 p. (Trad. Maria Juraci Zani dos Santos)

AZEVEDO, T.R. Técnicas de campo e laboratório em climatologia. In: Luis Antonio Bittar Venturi. (Org.). Praticando Geografia: técnicas de campo e laboratório. 1 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2005, v. , p. 131-146.

BERTALANFFY, L. V. General System theory. New York. Ed. George Braziller, 1968.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global. Esboço Metodológico. Caderno de Ciências da Terra, São Paulo: Instituto de Geografia,USP, 1972. 13p.

BROWN, J.H.; LOMOLINO, M. V. Biogeografia. Tradução Paulo Feliciano Afonso. 2 ª ed. Revisada e ampliada. Ribeirão Preto, SP.FUNPEC. Editora, 2006.

CALLAI, Helena Copetti. O ensino da geografia: sua constituição no espaço-tempo. São Paulo : FFLCH, 1995. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 1995

CASTROGIOVANI, A. C. et al. Ensino de Geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000.

CAVALCANTI, L. S. Geografia, escola e construção de conhecimentos. São Paulo: Papirus.1998.

CAVALCANTI, L. S.. Ciência geográfica e ensino de geografia. In: CASTROGIOVANNI, A. C. (org.) Geografia, escola e construção do conhecimento. Campinas, SP : Papirus, 1998a.

CHORLEY, R . .J .; KENNEDY, B .A . Physical Geography: a system approach. Londres, Editora Prenttice Hall Inc. Co., 1971.

CHORLEY, R. J. Geomorphology and General Systems Theory. US. Geological Survey Professional Paper, vol. 500-B, 1962, pp. 1-10

CHRISTOFOLETTI, A. Análise de Sistemas em Geografia. São Paulo: Hucitec, 1979.

__________________. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Edgar Blücher, 1991.

CHRISTOPHERSON, Robert W. Geossistemas – Uma introdução à geografia física. Tradução: Francisco Eliseu Aquino ... (et al.). Porto Alegre: Bookman, 7ª edição, 2012.

COLÂNGELO, A. Geografia Física, pesquisa e ciência geográfica. GEOUSP: espaço e tempo, América do Norte, 0, nov. 2011.

Disponível em:http://citrus.uspnet.usp.br/geousp/ojs-2.2.4/index.php/geousp/article/view/399. Acesso em: 30 Mar. 2016.

FURLAN, S. A. Técnicas de biogeografia. In: VENTURI, L. A. B. (Org.) Geografia: práticas de campo, laboratório e sala de aula. São Paulo: Sarandi, 2011. 528p.

GREGORY, K. J. A natureza da Geografia Física. Rio deJaneiro, Bertrand Brasil. 1992.

GUERRA, A T.; GUERRA, A J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008. 648 p

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. da (orgs.). Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

GUERRA, A.J.T; CUNHA, S.B. (Orgs) Geomorfologia: uma atualização de bases e Conceitos. Ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 1997.

HACK, J.T. Interpretation of Erosional Topography in Humid-Temperate Regions. Amer. Journ. Sci, New Haven, Conn. v. 258-A, p. 80-97, 1960.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manual Técnico do uso da Terra. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2016.

KING, L.C. A Geomorfologia do Brasil Oriental. Rev. Bras. Geogr., R. de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 147-265, 1956.

KÜGLER, H. Zur Aufgaben der geomorphologischen Forschung und Kartierung in der DDR. Petermanns Geographische Mitteilungen, V. 120, n. 2, p. 154-160, 1976.

LEPSCH, I.F. Solos-Formação e Conservação. Ed. Oficina de Textos, São Paulo, 2010.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. São Paulo: Loyola, 1995.

MARX K.;ENGELS F..A Ideologia Alemã. (I Feuerbach).Grijaldo. São Paulo.1997.

MENDONÇA, F. A.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

MENDONÇA, Francisco. Geografia física: ciência humana?. São Paulo: Contexto, 1989. 72p. (Coleção Repensando a Geografia).

NASCIMENTO, Flávio Rodrigues do.; SAMPAIO, José Levi Furtado. Geografia Física, Geossistemas e Estudos Integrados da Paisagem. Revista da Casa de Geografia de Sobral. Sobral, v.6/7, nº 1, 2004/2005.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio histórico. 2. ed. São Paulo: Scipione, 1995.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S.B. & CORRÊA, G.F. Pedologia: Base para distinção de ambientes. 5.ed. Lavras, Universidade Federal de Lavras, 2007.

RODRIGUES, C.; ADAMI, S. Técnicas de Hidrografia. In: VENTURI, L.A.B. (Org.). Geografia: Práticas de Campo , Laboratório e Sala de Aula. São Paulo: Sarandi, 2011.

SORRE, M. Object and metod of climatology. Revista do Departamento de Geografia, n. 18, p. 89-94. Traduzido pelo Prof. Dr. José Bueno Conti. Departamento de Geografia/ FFLCH/USP. São Paulo, 2006.

SOUZA. S. O. Vulnerabilidade Ambiental da Planície Costeira de Caravelas (Bahia): Uma proposta geossistêmica. Dissertação. Pós Graduação em Geografia, UFES – Vitória. 2013.

SOUZA, S. O. ; CHIAPETTI, R. J. N. O Trabalho de Campo como estratégia ao ensino de Geografia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 3, p. 3-22, 2012.

SOUZA, S. O.; VALE, C.C.; NASCIMENTO, F. H. Bacia do rio Peruípe (BA): Ensaio de classificação morfométrica por meio de dados SRTM. Revista Caminhos de Geografia.v.14. n.47. 2013.

SPOSITO, E. S.. Geografia e Filosofia - Contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo: UNESP, 2004.

STRAHLER, A.N. Hypsometric (area-altitude) analysis and erosional topography. Geological Society of America Bulletin, v. 63, p.1117-1142, 1952.

_________________System theory in general geography. Phys. Geogr., v.1, p.1-27.1980

TRICART, J. Ecodinâmica. Recursos Naturais e meio ambiente. Rio de Janeiro. IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, n.1, 1977.

VIGOSTSKY, L. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino